Consumo de tabaco prejudica a saúde bucal

    5
    0

    Consumo de tabaco prejudica a saúde bucal

    O tabagismo pode afetar todos os órgãos do corpo, causando desde doenças pulmonares a câncer de boca

    O prejuízo à saúde bucal aumenta a propensão do indivíduo a outras doenças e complicações graves, como pneumonia e infecções sistêmicas.

    No Dia Mundial Sem tabaco, celebrado no dia 31 de maio, o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) alerta para os efeitos do tabagismo para a saúde oral. Ao falar do tabaco em sua forma mais usual de consumo, o cigarro, o maior risco para a cavidade oral é do desenvolvimento do câncer de boca. Segundo a Câmara Técnica de Estomatologia do Conselho, a chance de um fumante desenvolver a doença é 3,43 vezes quando comparado a não fumantes.

    Para os cirurgiões-dentistas Camilla Esteves e Wellington Yanaguizawa, integrantes da CT de Estomatologia do CROSP, é papel do cirurgião-dentista realizar uma avaliação clínica minuciosa em pacientes que relatam o hábito de fumar. “O câncer de boca é uma doença em que a letalidade e incidência podem ser minimizadas de forma significativa nos casos em que forem adotadas as medidas de prevenção, diagnóstico precoce e tratamento imediato”, relatam.

    O câncer bucal é causado pela mutação gradual das células sadias na boca. Por conta de agentes cancerígenos presentes na fumaça que danificam o DNA, o tabagismo tem ação significativa em muitos casos de câncer bucal diagnosticados a cada ano.

    Saúde bucal e coronavírus

    O consumo de tabaco, além de prejudicar a saúde oral, também pode ser um risco considerando a pandemia de Covid-19. Um levantamento publicado no The New England Journal of Medicine feito com 1099 pacientes diagnosticados com o novo coronavírus identificou que, entre os casos leves a moderados, 11,8% eram fumantes e 1,3% eram ex consumidores de tabaco. Já entre os quadros graves, os números sobem para 16,9% e 5,2%, respectivamente.

    Em relação a higienização da boca, manter a saúde bucal pode evitar, principalmente, problemas pulmonares que tornam a doença ainda mais perigosa. Além disso, diversos estudos já comprovaram que o cuidado com a saúde bucal também é eficaz na prevenção de doenças cardíacas, depressão e doenças crônicas não transmissíveis como diabetes, hipertensão arterial, câncer, entre outras doenças sistêmicas.

    Outros problemas

    Além do câncer bucal, o consumo de tabaco também é relacionado com outros problemas na cavidade oral, tais como lesões com potencial de malignização, periodontite, cáries, insucesso na colocação de implantes e perda dentária.

    “Estudos demonstraram que, nos casos de periodontite (doença que atinge a gengiva), pacientes fumantes atingem os estágios mais graves da doença com maior frequência”, afirmam os cirurgiões-dentistas.

    Além disso, os profissionais da Câmara Técnica também alertam para a crescente popularidade dos cigarros eletrônicos, sobretudo entre os jovens. Por terem maiores concentrações de nicotina do que um cigarro comum, os aparelhos têm apresentado novos efeitos na saúde periodontal e geral dos fumantes. Entre eles, a síndrome do distresse respiratório agudo (taquipnéia, hipoxemia, hipotensão e extrema fadiga).

    Diante disso, os cirurgiões-dentistas têm uma oportunidade para orientar e ajudar os seus pacientes a se livrarem do hábito. A abordagem do profissional deve ser feita tanto durante o atendimento clínico dos pacientes que relatarem o hábito de fumar. “O tema deve ser tratado levando em consideração o nível de dependência do usuário, sendo possível recomendar que o hábito seja eliminado de uma vez ou que seja reduzido progressivamente. Em alguns casos, o paciente pode sentir dificuldade de abandonar o vício sozinho, devendo ser orientado a procurar um serviço ou grupo de apoio antitabagista”, informam os estomatologistas.

    Sobre o CROSP – O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) é uma autarquia federal dotada de personalidade jurídica e de direito público com a finalidade de fiscalizar e supervisionar a ética profissional em todo o Estado de São Paulo, cabendo-lhe zelar pelo perfeito desempenho ético da Odontologia e pelo prestígio e bom conceito da profissão e dos que a exercem legalmente. Hoje, o CROSP conta com mais de 145 mil profissionais inscritos. Além dos cirurgiões-dentistas, o CROSP detém competência também para fiscalizar o exercício profissional e a conduta ética dos Técnicos em Prótese Dentária, Técnicos em Saúde Bucal, Auxiliares em Saúde Bucal e Auxiliares em Prótese Dentária. Mais informações:  www.crosp.org.br

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui