Início Saúde Ambiental Copa do Mundo 2014 e o Programa Gol verde

Copa do Mundo 2014 e o Programa Gol verde

33
0
Imagem Oficial

Foi durante a apresentação do logotipo oficial do mundial de 2014, na África do Sul, que o presidente Luis Inácio Lula da Silva prometeu que o próximo mundial será marcado por ações sustentáveis.

“Dois decretos foram assinados por mim: todos os gastos públicos serão divulgados pela internet e acompanhados em tempo real.”
Lula, referindo-se à Copa de 2014 no Brasil

Os ministérios do Meio Ambiente e do Esporte já assinaram o acordo de cooperação para focar-se em uma agenda sustentável nos próximos anos, já que tanto a Copa de 2014 como as Olimpíadas de 2016 serão realizadas no Brasil.

Programa Gol Verde

Ninguém duvida que realizar um evento de escala mundial traz consequências positivas e negativas para um país.

As negativas são em relação ao aumento significativo de pessoas, o que também aumenta o consumo de energia e água, maior produção de lixo e aumento da poluição do ar, da água e da terra.

Pensando nisso, a FIFA – instituição organizadora do evento – criou o Programa Gol Verde, com metas a serem cumpridas antes e durante o mundial. Novas tecnologias para construção de estádios sustentáveis e a implantação de sistemas de transporte inteligentes são alguns desses objetivos.

O programa foi aplicado pela primeira vez durante a Copa da Alemanha, em 2006, e conseguiu neutralizar 100 mil toneladas de dióxido de carbono.

Veja os objetivos do programa usados na África do Sul:

Compensação de carbono
• Que todos os veículos da frota da FIFA e do transporte público sigam os padrões Euro II de utilização eficiente de combustível e emissões de carbono.
• Que o transporte público seja usado pelos espectadores para reduzir as emissões de carbono.

Energia
• Que uma auditoria/avaliação cobrindo um período de pelo menos seis meses seja realizada nos estádios para determinar o padrão de valor e os locais onde a economia de energia pode ser feita.
• Que as recomendações da auditoria sobre a utilização eficiente de energia sejam implementadas nos estádios.
• Que a eletricidade utilizada dentro dos estádios durante os eventos seja “renovável ou ecológica”, adquirida de fontes autorizadas e registradas pelo órgão de Certificação de Energia Renovável e Comercial, entre elas a energia solar, a energia eólica, as pequenas hidroelétricas, o biogás produzido pelas estações de tratamento de esgoto e o gás metano derivado dos aterros sanitários.

Lixo
• Que as refeições para viagem vendidas nos estádios e parques sejam embaladas com parcimônia e matérias recicláveis.
• Que copos e recipientes multiuso sejam utilizados para a maior parte das bebidas servidas nos estádios e parques. Será introduzido um sistema de reembolso de depósito como incentivo à devolução dos copos e recipientes usados.
• Que seja empregado material reutilizável na construção de instalações temporárias.
• Que seja reduzido o uso de jornais, painéis publicitários e material promocional.
• Que o lixo seja separado na fonte com a introdução de um sistema de pelo menos dois compartimentos para as áreas públicas dos estádios e um sistema de múltiplos compartimentos para os centros de alimentação e outros locais (centros de voluntários, de mídia e de hospitalidade/VIP) dos estádios e parques, obtendo assim a distinção dos itens recicláveis dos não recicláveis.
• Que o sistema de múltiplos compartimentos cuide das garrafas de vidro, dos papéis, dos plásticos, do lixo orgânico e do lixo comum, e que o sistema de dois compartimentos cuide dos recicláveis e do lixo comum.

Água
• Que uma auditoria/avaliação do consumo de água seja realizada nos estádios para determinar o padrão de valor e os locais onde a economia de água pode ser feita.
• Que sejam usados mictórios sem o emprego de água nos banheiros.
• Que seja usada água de chuva ou de superfície nos irrigadores, banheiros e mictórios e para a limpeza dos estádios.

Transporte
• Que os motoristas sejam treinados a dirigir de forma ecológica para a redução do consumo de combustível.
• Que o transporte público local, incluindo bicicletas e outros meios de transporte não mecanizados, seja responsável por um mínimo de 50% dos deslocamentos para e dos estádios nos dias de jogos.

Biodiversidade
• Que todos os impactos negativos sobre a biodiversidade ou o meio ambiente sejam minimizados durante o planejamento e a realização do evento.
• Que todos os locais oficiais de encontros e eventos promovam, quando possível, a biodiversidade e a flora da região nos seus paisagismos ao redor das instalações.

A próxima Copa também seguirá estes passos. O que não agradou muito os brasileiros foi o formato do logotipo oficial. E você, o que acha?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui