Início Saúde Física Conheça 10 exames que podem diagnosticar causas da infertilidade

Conheça 10 exames que podem diagnosticar causas da infertilidade

61
0

Apesar de 10% dos casos de infertilidade não terem a causa identificada pela medicina, quando submetidos ao tratamento de reprodução assistida, esses casais chegam a ter até 50% de chances de conseguir engravidar. “Em homens e mulheres, as causas de infertilidade variam conforme as predisposições genéticas, idade biológica e fatores externos que eventualmente podem ter causado a incapacidade de ter filhos”, observa a Dra. Claudia Gomes Padilla, médica especialista em reprodução humana do Grupo Huntington.

Por outro lado, um diagnóstico mal realizado pode não identificar as razões da infertilidade e sugerir, de forma equivocada, que o problema não tem causa conhecida. Por isso, a Dra. Claudia listou alguns exames que podem ser utilizados para garantir que as causas da infertilidade serão checadas até a última hipótese antes de dada como não diagnosticável:

1- Dosagem de hormônios – Deve ser realizado para avaliar atividade ovariana e desenvolvimento dos folículos, assim como os períodos de ovulação. Os hormônios dosados geralmente são FSH, LH, Estrogênio, Prolactina, Progesterona, hormônio anti-mulleriano. Em casos específicos adicionam-se hormônios da tireoide e androgênios.

2- Ultrassonografia transvaginal seriada– Realizada diversas vezes durante o ciclo ovulatório, serve basicamente para checar o tamanho dos folículos ovarianos e, assim, ter uma noção de quando eles estão realmente maduros para a coleta dos óvulos ou para ovulação natural durante o processo de inseminação ou coito programado.

3 – Biópsia do endométrio – Trata-se de uma análise microscópica de fragmento do endométrio, realizada ao final do ciclo menstrual, para avaliar a ação hormonal sobre a receptividade do endométrio.

4 – Histerossalpingografia – Detecta anormalidades em órgãos como trompas e útero, que possam dificultar ou impedir a gravidez. A interpretação desse exame depende muito da habilidade do médico, pois até as mais sutis alterações na anatomia dos órgãos reprodutivos devem ser consideradas.

5 – Histerossonografia – Também diz respeito à checagem da anatomia dos órgãos reprodutivos. Uma sonda é introduzida no útero por via vaginal e através dela é injetado um fluído que preenche a cavidade uterina e as trompas. É muito relevante para diagnóstico de alterações da cavidade endometrial.

6 – Ultrassonografia endovaginal com preparo intestinal– Sua principal indicação é a pesquisa de endometriose que afeta cerca de 40% das mulheres com dificuldade de engravidar. Além disso pode diagnosticar problemas ovarianos como cistos, tumores, miomas, malformação estrutural do útero e alterações anatômicas do endométrio.

7 – Videolaparoscopia – Realizado sob anestesia geral, uma microcâmera de vídeo é introduzida no abdome por uma pequena incisão perto do umbigo. Esse aparelho permite visualizar os órgãos reprodutivos em tempo real. Permeabilidade tubária, endometriose e aderências podem ser detectadas e operadas sem necessidade de métodos mais invasivos, já que o aparelho também permite a introdução de outros instrumentos para realizar cirurgias.

8 – Videohisteroscopia – Exame no qual uma câmera é introduzida pelo colo uterino e atinge a cavidade endometrial. É o melhor exame para detecção de anormalidades da cavidade endometrial e colo uterino como pólipos, miomas e sinéquias.

9 – Espermograma – Através do sêmen colhido pela masturbação, o exame identifica por análises macro e microscópicas a acidez, volume, cor, motilidade, vitalidade e morfologia dos espermatozoides para averiguar possíveis anomalias.

10- Exames genéticos– A análise de anormalidades cromossômicas no homem ou na mulher por meio do exame de cariótipo é importante para detectar possíveis alterações que possam levar a formação de embriões com problemas genéticos que causam falha de implantação ou abortos. Também a fragmentação de DNA seminal analisa o papel do sêmen na genética do embrião. Além disso, é importante lembrar que é possível a identificação de anormalidades cromossômicas embrionárias por meio do exame de biópsia embrionária realizado durante um procedimento de fertilização in vitro em casais com maior probabilidade de apresentar alterações genéticas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui