Início Saúde Física Cardápio para driblar os efeitos da quimioterapia

Cardápio para driblar os efeitos da quimioterapia

71
3

Um dos possíveis efeitos colaterais em pacientes que fazem tratamento quimioterápico é a alteração no paladar, o que acaba por prejudicar a alimentação.

A quimioterapia utiliza compostos que impedem a multiplicação das células malignas. As alterações no paladar podem ser leves (hipogeusia, quando a sensibilidade aos sabores fica reduzida) ou agudas (digeusia, quando há ausência da sensibilidade ao gosto).

A duração desses efeitos é incerta. Geralmente, desaparecem após algumas semanas, mas são os grandes responsáveis pela ingestão alimentar insuficiente e, consequentemente, pela perda de peso durante o tratamento.

Os sintomas desagradáveis podem ser minimizados. Por isso, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ligado à Secretaria de Estado da Saúde, mostra algumas dicas eficazes para aliviar esse incômodo:

– evitar alimentos muito quentes ou muito gelados
– substituir talheres de metal pelos de plásticos, caso o paciente sinta sabor residual metálico
– utilizar como temperos as ervas aromáticas, como o manjericão, orégano, salsinha, hortelã e alecrim
– manter uma boa higiene oral
– enxaguar a boca antes das refeições
– comer bala de hortelã ou menta
– pingar gotas de limão sobre a língua
– consumir alimentos de diferentes texturas
– beber suco de laranja ou água com gotas de limão

*Os pacientes do Instituto do Câncer recebem aulas de culinária gratuitas para que tenham dieta mais saborosa e balanceada em casa, além de conhecerem a maneira correta de preparar os alimentos. O projeto oferece todo o suporte nutricional para os participantes. Uma vez por mês, tanto os pacientes quanto seus acompanhantes aprendem a cozinhar pratos diferenciados.

Cardápio para driblar os efeitos da quimioterapia

Um dos possíveis efeitos colaterais em pacientes que fazem tratamento quimioterápico é a alteração no paladar, o que acaba por prejudicar a alimentação.

A quimioterapia utiliza compostos que impedem a multiplicação das células malignas. As alterações no paladar podem ser leves (hipogeusia, quando a sensibilidade aos sabores fica reduzida) ou agudas (digeusia, quando há ausência da sensibilidade ao gosto).

A duração desses efeitos é incerta. Geralmente, desaparecem após algumas semanas, mas são os grandes responsáveis pela ingestão alimentar insuficiente e, consequentemente, pela perda de peso durante o tratamento.

Os sintomas desagradáveis podem minimizados. Por isso, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ligado à Secretaria de Estado da Saúde, mostra algumas dicas eficazes para aliviar esse incômodo:

– evitar alimentos muito quentes ou muito gelados;

– substituir talheres de metal pelos de plásticos, caso o paciente sinta sabor residual metálico;

– utilizar como temperos as ervas aromáticas, como o manjericão, orégano, salsinha, hortelã e alecrim;

– manter uma boa higiene oral;

– enxaguar a boca antes das refeições;

– comer bala de hortelã ou menta;

– pingar gotas de limão sobre a língua;

– consumir alimentos de diferentes texturas;

– beber suco de laranja ou água com gotas de limão.

*Os pacientes do Instituto do Câncer recebem aulas de culinária gratuitas para que tenham dieta mais saborosa e balanceada em casa, além de conhecerem a maneira correta de preparar os alimentos.

O projeto oferece todo o suporte nutricional para os participantes. Uma vez por mês, tanto os pacientes quanto seus acompanhantes aprendem a cozinhar pratos diferenciados.

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui