Início Sem categoria Capacetes de ventilação começam a ser testados no Hospital das Clínicas de...

Capacetes de ventilação começam a ser testados no Hospital das Clínicas de São Paulo

6
0

Equipamento lançado pela Life Tech Engenharia pode auxiliar no tratamento de dificuldades respiratórias e evitar intubação em até 35% dos pacientes infectados pela Covid-19

 

A BRIC – Bolha de Respiração Individual Controlada, uma interface entre paciente e o ventilador mecânico, que foi desenvolvida pelo engenheiro Guilherme Thiago de Souza – presidente da empresa de tecnologia Roboris, junto a uma equipe com diversos profissionais da área da saúde, da engenharia e da indústria – e lançada sob a marca LifeTech Engenharia, está em fase de testes no Hospital das Clínicas (HC) de São Paulo. Mais conhecido como “capacete estanque”, o produto é um dispositivo para VNI – Ventilação Não-Invasiva e foi criado como uma alternativa de manter uma boa oxigenação do paciente e proteção da equipe de saúde, além de ser uma tentativa de tratamento que antecede a internação à UTI.

 

O equipamento tem um custo baixo, de R$ 627,00 a unidade, e o lote inicial de 1000 unidades está sendo preparado. A capacidade de fabricação é de 10 mil unidades ao mês, inicialmente. O capacete também está em negociação para testes em hospitais de Minas Gerais e Bahia, além de outros estados que já manifestaram interesse em obter o capacete para auxiliar pacientes com dificuldade respiratória que tenham contraído a Covid-19.

 

De acordo com Guilherme Thiago de Souza, o capacete estanque é um recurso a mais antes da internação à UTI. “A BRIC foi projetada com um volume para que o paciente se sinta confortável e sua principal característica é a estanquidade, capacidade de conter o vazamento, essencial para evitar a propagação da doença. Os hospitais ou clínicas ganham uma tentativa de tratamento que antecede a ida do paciente à unidade de terapia intensiva, é um tempo a mais, para que não precise ser induzido ao coma”, enfatiza o engenheiro.  “Acreditamos que com este equipamento, podemos salvar vidas e ajudar a sociedade brasileira”, afirma.

 

Enquanto a taxa de mortalidade para pacientes intubados com Covid-19 é de 70% a 86%, estudos da Universidade de Chicago sobre a tecnologia de ventilação baseada em capacete demonstram que com a utilização da BRIC, de 20% a 35% de pacientes com Covid-19 irão evitar a necessidade de intubação, além também de evitar a intubação em 54% de pacientes com SARS.

 

image004

 

Os principais objetivos da BRIC no combate à Covid-19 são impedir a propagação do vírus em hospitais, proteger a equipe multidisciplinar da saúde e pacientes com risco de contaminação, além de evitar o efeito aerosol. “Sua vedação foi feita de forma que não ocorram vazamentos e disseminação do vírus e a saída de ar ocorre pelos filtros hospitalares, projetados e construídos para essa finalidade”, explica Guilherme, ressaltando a redução significativa no risco de infecção. “O paciente fica exposto a um menor risco que a intubação pode ocasionar e também, não transmite o vírus para o meio, pois tudo passa pelo filtro e devolve o ar limpo para o ambiente”, salienta o engenheiro. Além disso, é compatível para ventiladores VNI e pode ser utilizado em qualquer ambiente intra-hospitalar.

 

O produto também possibilita a oferta de oxigênio variada para o tratamento individual de cada paciente sem a necessidade da intubação. “A BRIC é um capacete, uma vestimenta estanque, pois proporciona um ambiente para o controle do oxigênio. Com seu uso, é possível configurar nos ventiladores uma oxigenação entre 21% a 100% de fração inspirada de oxigênio e implementação de pressão positiva, de acordo com a necessidade clínica”, diz Thiago Marrachini, fisioterapeuta intensivista envolvido no projeto da Life Tech Engenharia.

 

Além das vantagens como menor tempo de internação, a interface não expõe os profissionais a aerossóis, evita úlceras causadas por máscaras faciais, facilita a comunicação do paciente com a equipe e seu sistema de estaqueamento confortável minimiza lesões cutâneas. Equipamento similar já foi utilizado na Itália como uma aliada no combate ao coronavírus. A BRIC também pode ser usada no tratamento de outras doenças respiratórias. O produto aguarda a liberação da ANVISA.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui