Início Saúde Física A polêmica do cigarro eletrônico

A polêmica do cigarro eletrônico

75
0

Na última semana, o cigarro eletrônico foi pauta de debate em diversos veículos de comunicação. O descadeamento deste assunto começou com as propostas da FDA (agência de regulamentação de alimentos e medicamentos nos EUA) em alterar alguns pontos da regulamentação deste produto.

As mudanças foram sugeridas após os resultados de estudos preliminares feitos em laboratório nos Estado Unidos, que indicaram a existência de nicotina no vapor gerado pelo cigarro eletrônico. Esta substância leva ao desenvolvimento de câncer em células humanas da mesma forma que a fumaça do tabaco. Uma outra pesquisa, divulgada pela revista científica “Jama”, mostrou que a versão eletrônica do cigarro não ajuda as pessoas a pararem de fumar, pelo contrário, pode causar vício.

As alternativas encontradas e defendidas pela FDA, são:

– proibição da venda para menores de 18 anos;

– proibição das amostras grátis do aparelho;

– existência de rótulo com a advertência do teor de nicotina e a possibilidade de causar dependência;

– fiscalização pela FDA.

As propostas não apresentam o restringimento aos anúncios publicitários e aos aromatizantes, que, de acordo com especialistas, induzem os mais jovens a comprarem.

No Brasil, a venda, assim como a importação, é proibida pela Anvisa. O fator que interfere nesta decisão é o medo deste cigarro eletrônico ganhar força e enfraquecer as leis antifumo.

As regras podem demorar um ano para entrarem em vigor. Caso as empresas tentem bloqueá-las, o tempo poderá aumentar.

Fonte: Folha de S. Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui