Início Saúde do Homem A “menopausa” masculina

A “menopausa” masculina

43
0

Assim como as mulheres, que sofrem com a redução da produção dos hormônios estrogênio e progesterona a partir dos 50 anos, os homens precisam ficar atentos aos sintomas da andropausa. O termo é uma analogia à menopausa feminina e designa a queda do nível de testosterona no organismo masculino.

O quadro, no entanto, é mais difícil de ser identificado e está longe de ser um consenso entre os médicos. “Ainda há dúvidas sobre os reais efeitos da redução de testosterona no organismo”, afirma o psiquiatra da Unidade Intermediária de Crise e Apoio à Vida Alessandro Rodrigo Mendes Marques.

Diferentemente do que ocorre com as mulheres, que têm o seu ciclo reprodutivo interrompido em definitivo na menopausa, nos homens a produção de hormônios não para. “Apesar de menos férteis, eles continuam capazes de ter filhos até cerca de 90 anos”, explica o urologista Rogério de Fraga, do Hospital Marcelino Champagnat.

Outra característica da andropausa é que a diminuição dos hormônios não necessariamente altera a rotina do indivíduo – 15% deles sofrem os efeitos, a partir dos 50 anos, índice que aumenta para 20% a partir dos 70.

Sinais lentos

Os sintomas também não aparecem nem de repente, nem com grande intensidade, como na menopausa. Pelo contrário, surgem paulatinamente, retardando a procura pelo médico e, muitas vezes, confundindo o diagnóstico. Os mais comuns são a diminuição da atividade sexual, cansaço, depressão, irritabilidade, insônia e, em alguns casos, déficit de memória, osteoporose e fogachos, como ocorrem nas mulheres em menopausa.

Andropausa

É o termo que designa a redução da produção de testosterona. O termo vem do latim (andro: homem e pausa: parada). Atinge a população masculina, em regra, a partir dos 50 anos, mas estima-se que apenas 15% sofram com os seus efeitos, índice que aumenta para 20% a partir dos 70 anos.

Testosterona

A partir dos 50 anos – ou antes, caso surjam sintomas – é importante monitorar sistematicamente a quantidade de testosterona. A medição é feita com um exame simples de sangue. São tidas como baixas as taxas menores que 300 ng/dL (nanogramas por decilitro). As especialidades indicadas para fazer o diagnóstico são a urologia ou a endocrinologia. Todo homem deve ir ao urologista pelo menos uma vez por ano a partir desta idade.

Homens ainda resistem em ir ao médico

Segundo os especialistas, a busca por tratamento para a andropausa aumentou consideravelmente nos últimos anos. “Os homens desta geração têm uma preocupação maior com a saúde”, analisa Rogério de Fraga, do Hospital Marcelino Champagnat. Além disso, a diminuição da testosterona pode afetar não apenas a vitalidade sexual, mas também o comportamento, com redução da competitividade no trabalho e em outras situações do dia a dia.

No entanto, a maioria dos homens ainda é resistente à ideia de procurar um médico para falar de seus problemas de saúde, principalmente quando eles atingem a virilidade. “Para muitos, consultar-se com um especialista é sinal de fragilidade”, avalia o urologista. Ele acredita que o sistema de saúde brasileiro, em que os médicos especialistas atendem principalmente em horário comercial, também contribui para essa resistência, que deve ser contornada.

Fonte/Foto: Viver Bem

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui