Cerca de três mil brasileiras foram entrevistas por profissionais da Unifesp e 71% delas não tinham conhecimento sobre a doença.