Ocultar

Peso e osteoporose: Saiba mais sobre essa relação para o futuro de seu filho

Muitas pessoas não imaginam que uma doença característica da terceira idade pode ter alguma relação com o estilo de vida das pessoas durante a adolescência. A alimentação e a prática de exercícios têm influência direta na probabilidade de uma pessoa sofrer com a osteoporose quando envelhecer.

Foi o que provou um estudo feito com 4.000 adolescentes, que tinham idade média de 15 anos. Os autores da pesquisa observaram que as pessoas que têm menor quantidade de tecido adiposo – tecido que armazena energia em forma de gordura – possuem ossos mais finos e têm uma tendência maior de ter osteoporose no futuro.

O que ocorre é que, depois da adolescência, os nossos ossos começam a crescer de tamanho e espessura, isso acontece entre os 20 e 30 anos, depois dessa idade o nosso corpo começa a ter perda de massa óssea, ficando mais fracos ao passar dos anos. Por isso, as pessoas que têm maior quantidade de gordura, por conseqüência, ossos mais grossos, terão menos chances de sofrer com a osteoporose.

O ser humano quando chega aos 50 anos de idade começa a perder 0,5% da massa óssea por ano, e aos 65, há perda de 2,5%. As mulheres são as que sofrem mais com essa doença. Elas perdem cerca de 35% do osso cervical, e 50% do osso trabecular (vértebras), os homens perdem apenas 2/3 dessa quantidade.

Como evitar a doença ainda na adolescência?

Procure fazer com que seu filho pratique exercícios físicos com freqüência, matenha uma dieta equilibrada com consumo de laticínios e proteínas. Faça com que ele consuma cálcio – cerca de 4 copos de leite por dia. O indicado é manter o índice de massa corpórea (IMC) entre 20 e 25kg por metro quadrado.

Hoje acontece a 22ª Maratona Internacional de São Paulo. Para participar desta corrida, precisa estar preparado fisicamente e mentalmente e ter treinado desde o ano passado.

Para aqueles que desejam começar a correr para participar da próxima maratona, a personal trainer, Vanessa Furstenberg, explica sobre algumas lesões que podem ocorrer e como evita-las:

Joelho de corredor – lesão ou associação de várias lesões que causam um quadro de degeneração da cartilagem devido ao atrito da patela com o fêmur resultando em inflamação e dores.

Síndrome de fáscia lata – inflamação da banda fáscia que sai do quadril e vai se inserir na tíbia. A flexão e extensão do joelho causa um atrito da banda com epicôndilo lateral do fêmur. Essa inflamação causa dor na lateral do joelho.

Lesão meniscal degenerativa – lesões frequentes no menisco, como traumas, ou lesões mais graves que podem causar a fragilização e a degeneração do menisco que é o responsável por absorver os impactos sofridos pelo joelho.

Condromalácia – espécie de amolecimento da cartilagem. Existem várias causas para esse amolecimento, o mais comum é o trauma crônico, pode também ser o resultado de uma lesão aguda da cartilagem que causa até fissuras, desconfortos e dores que não vem da cartilagem, mas dos tecidos que ficam próximos.

Tendinite subpatelar – afeta os joelhos por excesso de treino devido a movimentos repetitivos, fraqueza muscular ou falta de alongamento. Microtraumas vão ocorrendo devido a desequilíbrios musculares, impacto ou aumento excessivo na intensidade ou volume de treino. Pode levar até à ruptura da tensão em casos mais graves.

A pessoa deve estar preparada. Para começar a treinar, é preciso ir ao médico, realizar exames e procurar um educador físico para ele preparar um cronograma de atividades de acordo com as suas necessidades. “Se o indivíduo não estiver preparado, com certeza surgirão as lesões”, explica a personal, “durante a corrida, o joelho precisa suportar uma carga de até 3 vezes o peso do corpo do corredor”.

Veja dicas para evitar a aparição de lesões:

  • Avalie seu tipo de pisada;
  • Use um calçado confortável que se adapte ao se pé;
  • Fortalecimento muscular de Membros inferiores e do Core;
  • Passadas mais curtas e mais próximas do corpo (alavanca menor);
  • Evitar aumentar o volume ou a intensidade do treino de repente e sem estar preparado para isso.

Já está preparado? Então, vamos correr!

Adolescentes que sofrem de depressão e bipolaridade estão mais propensos a sofrerem de doenças cardíacas enquanto ainda jovens.

Um grupo de pesquisadores do Canadá estudou adolescentes com depressão e bipolaridade e descobriu que eles são mais propensos a sofrerem de doenças cardíacas, hipertensão, colesterol alto, obesidade, diabetes tipo 2 e aterosclerose do que os jovens sem estas desordens.

Segundo dados do National Institute of Mental Health, em 2012, cerca de 2,2 milhões de adolescentes americanos com idade entre 12 e 17 anos apresentam episódios de depressão. O medo dos cientistas é que este elevado número de jovens sofra de doenças cardíacas logo.

A consequência da depressão e da bipolaridade foi identificada, no entanto, os cientistas não soubera, identificar neste estudo prévio as causas dos problemas cardíacos, como a medicação para o tratamento da depressão ou da bipolaridade, a falta de exercícios físicos, o uso de cigarros e drogas.

dica ferias

As ligações entre a solidão e suas danosas consequências para a saúde física e mental são complexas. Neurocientistas que trabalham nesta área acreditam que cada um de nós tem uma certa expectativa de estar com os outros que nós herdamos de nossos pais e do nosso ambiente de conexão social com os quais nos sentimos confortáveis. Isso explica por que nem todos são igualmente sensíveis ao sentimento de solidão, como temos diferentes necessidades e expectativas em nossos relacionamentos com os outros.

Se nossas expectativas dessas relações não forem cumpridas, o nosso corpo começa a nos alertar que algo está errado: nos sentimos ameaçados fisicamente.

Se a solidão persiste, ele começa a interferir na nossa capacidade de regular as emoções que associamos com a solidão. Com o tempo, isso altera o que é conhecido como a forma como nós interpretamos nossas interações com os outros.

Nossos sentimentos de infelicidade e ameaça, bem como a nossa dificuldade em regular as nossas emoções, distorcem a maneira pela qual percebemos a nós mesmos em relação aos outros. Mas as circunstâncias que produzem essa cadeia de eventos para uma pessoa pode não ter o mesmo efeito sobre outra pessoa. Nossa sensibilidade individual à solidão decide quem se sente só em que situação.

Algumas pessoas se sentem solitários em um casamento, por exemplo. Alguns de nós estão contentes com uma pequena rede de amigos próximos, enquanto outros só ficam satisfeitos com um vasto círculo social que lhes dá muitas oportunidades para estar com os outros.

Circunstâncias que testam nossa resistência à solidão incluem transições importantes, como mudar de casa ou trabalho, luto, divórcio ou separação, a chegada de um novo bebê ou a saída de uma criança mais velha da casa da família.

Situações que nos separam da corrente principal da sociedade, tais como desemprego, pobreza, doença mental ou a velhice, também nos coloca em um risco mais elevado de sentimento de solidão, assim como aqueles em que as pessoas precisam de um nível incomum de apoio: dependência química ou alcoólica, a cuidar de um parente ou ser um pai solitário. Pessoas de grupos minoritários são também mais propensos a sofrer de solidão.

Como a solidão prejudica a nossa saúde

Uma das razões da solidão ser tão ruim para nós, é porque torna mais difícil para controlarmos os nossos hábitos e comportamentos. Testes feitos pelos psicólogos americanos Roy Baumeister e Jean Twenge, em 2001, mostraram que a expectativa de isolamento reduz nossa força de vontade e perseverança, e torna mais difícil para regular nosso comportamento: adultos de meia-idade sozinhos bebem mais álcool, têm dietas menos saudáveis e fazem menos exercício do que os satisfeitos socialmente.

Abuso de drogas e bulimia nervosa estão ligados à solidão. Existem diferentes razões por que as pessoas solitárias têm dificuldade em manter a saúde em dia, mas a baixa autoestima e um desejo de gratificação instantânea podem ser fatores.

John Cacioppo e seus colegas realizaram vários estudos sobre os efeitos da solidão, cujos resultados têm sido desenvolvidos no livro: “Natureza Humana e a Necessidade de Conexão Social”, em tradução livre. Eles estabeleceram cinco possíveis caminhos de causalidade com a doença.

Em primeiro lugar, a solidão faz com que seja difícil para as pessoas se autorregularem e leva a hábitos autodestrutivos, como comer demais ou depender de álcool. Solidão enfraquece a força de vontade e perseverança ao longo do tempo.

Segundo, a pesquisa mostra que, embora jovens solitários e não solitários não gostam de dizer que estão expostos às causas de estresse, pessoas de meia-idade que estão sós reportaram ao relatório mais exposição ao estresse.

Terceiro, pessoas solitárias são mais propensas a não se envolver com os outros e menos propensas a procurar apoio emocional, o que as torna mais isoladas.

Quarto, os testes mostram que a solidão afeta o sistema imunológico e cardiovascular.

Finalmente, uma consequência comprovada de isolamento para a resiliência e recuperação biológica está ligada à necessidade humana básica de dormir. Pessoas solitárias têm mais dificuldade de dormir, e privação do sono é conhecida por ter os mesmos efeitos sobre a regulação metabólica, neurais e hormonais como o envelhecimento.

Uma pesquisa feita pela Fundação de Saúde Mental encomendada para este relatório chamado de “A sociedade solitária” concluiu que 48% das pessoas acreditam que as pessoas estão ficando mais solitárias em geral. A solidão afeta muitos de nós em um momento ou outro. Apenas 22% dos entrevistados nunca se sentem solitários e um em cada dez muitas vezes se sente solitário (11%). Mais de um terço (42%) diz ter se sentido deprimido porque sente-se sozinho.

A pesquisa foi realizada no Reino Unido e contou com uma amostra de 2.256 pessoas.

Trabalhar durante a noite pode prejudicar (e muito) a sua saúde!

O sono diurno, afirmam os médicos, nunca compensa em quantidade e qualidade as horas não dormidas à noite.

A ausência de luz, a queda de temperatura do corpo e a secreção da melatonina (um neuro-hormônio responsável por regular o sono) são fatores que ocorrem durante a noite  e contribuem para o descanso.

Mais dinheiro…menos saúde!

No Brasil, cerca de 15 milhões de pessoas trabalham no período noturno, segundo estimativa do Instituto do Sono em São Paulo, com dados do Ministério do Trabalho.

A principal razão: a remuneração! Os salários para quem trabalha durante a noite é cerca de 20% maior.

Profissionais de saúde, segurança, eventos, bares e restaurantes, especialistas em TI e telemarketing estão na lista daqueles que enfrentam os plantões de madrugada.

Problemas

As consequências para o organismo são imediatas!

Fadiga, sonolência, déficit de atenção, de memória e raciocínio, além de predisposição a doenças ligadas à baixa imunidade (como gripes), distúrbios de sono, problemas cardiovasculares e metabólicos.

Quem não dorme à noite ainda pode desenvolver predisposição à obesidade devido a dificuldade de ação da leptina (hormônio da saciedade) e ao diabetes, pela maior resistência à ação da insulina. As alterações metabólicas dos lipídios podem ainda aumentar o “mau” colesterol (LDL).

Problemas de origem gastrintestinal também afetam os trabalhadores noturnos: azia, má digestão, úlceras gástricas, irritações do cólon e dificuldades em manter a regularidade intestinal. Isso porque muitos descuidam da alimentação!

Pesquisas

Estudos indicam que os riscos de acidentes aumentam com o trabalho noturno, particularmente se a jornada for prolongada.

Outras pesquisas ainda revelam uma maior possibilidade de desenvolvimento de câncer de mama. Estudo realizado pelo Instituto do Câncer Epidemiológico, da Dinamarca, com sete mil voluntárias, de 30 a 54 anos, sugere que as mulheres que trabalham no período noturno têm 50% mais risco de desenvolver o câncer de mama.

Outro levantamento, realizado pela Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, mostra que o trabalho noturno durante os três primeiros meses de gravidez aumenta em 50% o risco de parto prematuro. Os pesquisadores acreditam que isso possivelmente se deve à interrupção da atividade normal do útero durante a noite.

Vida social

No entanto, os problemas não são só relacionados à saúde!

Quem trabalha durante a noite tem ainda prejuízo nas relações com família e amigos, além de dificuldade de solucionar situações cotidianas, como ida ao banco.

Recomendações

– Evite turnos variados. Ir para a cama todo dia em horários diferentes é ainda muito pior. O seu organismo precisa de regras para dormir, comer, etc. A regularidade é importante para a manutenção do ritmo circadiano (de 24 horas) do organismo;

– Alimente-se de forma equilibrada. Trabalhadores noturnos têm 40% mais chances de ter doenças digestivas. É importante consumir vegetais ricos em fibras, muitas frutas e pouca gordura. Também é preciso fazer as três principais refeições (café da manhã, almoço e jantar) em horários adaptados. Antes de dormir, deve-se ingerir uma refeição leve;

– Quem dorme de dia tem sono mais curto e menos profundo que o noturno. Procure ambientes tranquilos e sem claridade para não afetar ainda mais o desenvolvimento do sono;

– Deixar o quarto escuro ajuda a dormir melhor. Feche janelas e cortinas, mas mantenha o ambiente arejado. O calor também atrapalha o sono;

– Use protetores de ouvidos por conta do barulho feito durante o dia;

– Mesmo durante o dia, durma sem interrupções uma quantidade de horas mínima para o seu bem-estar — de seis a oito horas;

– Evite tomar refrigerantes com cafeína, café, chá preto ou mate, tanto durante o trabalho noturno quanto antes de dormir;

– Praticar exercícios físicos regulares, evitar o fumo e o álcool e manter o peso também são medidas importantes.

Direitos dos trabalhadores noturnos

– Jornada: Das 22h às 5h;

– Hora de trabalho: Uma hora é reduzida para 52 minutos e 30 segundos;

– Hora de descanso: 60 minutos;

– Adicional noturno: Mínimo de 20% sobre o valor da hora trabalhada;

– Hora extra: 50% sobre o valor da hora de trabalho. É acumulativa em relação ao adicional.

*Com informações FSP e revista Viva Saúde.

Colesterol alto é uma das principais causas de doença no coração, e não causa males apenas cardíacos. A gordura pode ficar acumulada em qualquer ponto do sistema circulatório.

Em alguns casos, medicamentos para regular o colesterol são indicados, e devem estar aliados à boa alimentação e prática de exercícios. Assim, os efeitos a longo prazo são garantidos.

Um novo medicamento com este próposito vem aí. A Daiichi-Sankyo Brasil, anuncia aliança  com a farmacêutica israelense Enzymotec para o lançamento de um produto que ajuda a manter níveis saudáveis de triglicerídeos e a reduzir a absorção de colesterol. O lançamento está previsto para o começo de 2011 no país.

A aliança feita com a Enzymotec, segundo o Valor Econômico, mostra  inovação, já que são especializados em biotecnologia. A Daiichi-Sankyo é a única companhia farmacêutica do Japão com fábrica no Brasil.

Apoiamos iniciativas e evoluções tecnólogicas que visam nosso bem-estar!

Hoje, dia 26 de abril é lembrado como o Dia Nacional de Combate à Hipertensão Arterial. Um índice que pode ser controlado com hábitos e alimentação saudável e vitima milhares de pessoas mundo afora.

O InCor (Instituto do Coração) e a Sociedade Brasileira de Hipertensão promovem hoje uma campanha para prevenção da pressão alta, doença responsável por 40% dos infartos e 80% dos derrames. Um evento aberto ao público vai avaliar fatores de risco como pressão e circunferência abdominal e dar orientações à população. O evento será no InCor (r. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 44, São Paulo), entre 8h30 e 17h. Serão distribuídas 500 senhas.

Como funciona nosso sistema cardíaco e o que é a Hipertensão Arterial?

O coração é uma bomba eficiente que bate de 60 a 80 vezes por minuto durante toda a nossa vida e impulsiona de cinco a seis litros de sangue por minuto para todo o corpo. Pressão arterial é a força com a qual o coração bombeia o sangue através dos vasos. É determinada pelo volume de sangue que sai do coração e a resistência que ele encontra para circular no corpo.

Pressão arterial é sempre medida por dois números: as pressões sistólica e diastólica. Ambas são importantes. Geralmente o primeiro número é a pressão sistólica e o último a diastólica, como por exemplo 120/ 80 mmHg.

Hipertensão arterial ou pressão alta é quando a pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias para se movimentar é muito forte, ficando acima dos valores considerados normais. Ela pode ser encarada como uma doença ou como um fator de risco para o desenvolvimento de doenças do coração pois, muitas vezes, não provoca sintomas ou estes são gerais, como dores de cabeça, tonturas, mal estar etc.

A pessoa é considerada hipertensa quando a sua pressão arterial estiver maior ou igual a 140/90 mmHg (ou 14 por 9). Para essa consideração, os dados devem ser medidos várias vezes, de forma correta, com aparelhos calibrados e por profissional capacitado.

As pessoas com maior risco de se tornarem hipertensas são aquelas com excesso de peso, que não têm uma alimentação saudável, ingerem muito sal, não fazem exercícios físicos, consomem muita bebida alcoólica, são diabéticos ou têm familiares hipertensos. O risco aumenta com a idade. Após 55 anos, mesmo as pessoas com pressão arterial normal têm 90% de chances de desenvolver hipertensão.

Artigos Relacionados:

Crise hipertensiva faz presidente passar mal. Você também precisa ficar atento!

Quando você deixa de fumar os benefícios são inúmeros e perceptíveis. Listamos para você benefícios relacionados a todas as nossas saúdes. Acompanhe:

  • Saúde Física -  Onde acontecem as maiores transformações. Quer saber o que muda? clique aqui
  • Saúde Mental – O uso contínuo da nicotina causa sensação de satisfação seguida de momentos depressivos. Para entender melhor a ação da nicotina em nosso cérebro clique aqui
  • Saúde Ambiental – O desmatamento decorrente da indústria do cigarro impressiona. Áreas são desmatadas para o cultivo do fumo e também há derrubada de árvores para abastecer os fornos à lenha onde é feita a secagem das folhas. Dados da Organização Mundial da Saúde – OMS apontam que a cada ano, cerca de 200 mil hectares de matas e florestas são destruídos para dar lugar a plantações de tabaco.
  • Saúde Financeira – Calcula-se que o tabagista gasta uma média de 15 a 20% de seu salário com cigarros. Quer saber quanto você gasta com o consumo de cigarros? clique aqui
  • Saúde Social – Hálito agradável, melhor interação entre amigos e familiares. Quantas vezes você teve que se ausentar de um papo interessante ou uma reunião familiar para fumar? No caso contrário, quando você fuma perto de pessoas não fumantes além de se prejudicar você também as prejudica. Para saber dos malefícios do cigarro aos “fumantes passivos” clique aqui.
  • Saúde Corporativa – Não mais importante que as demais, seus malefícios são parecidos com os da saúde social, com o agravante da perda de produtividade e até rejeição na contratação por parte das empresas que, segundo estudo do Sebrae chega a 18,2%.

 

 “Se você é fumante repense este hábito e busque ajuda. Se não é, conscientize as pessoas que conhece.”

Você sabia que cerca de 80% da cegueira mundial poderia ser evitada ou curada? Estes dados são da OMS – Organização Mundial da Saúde, que estima que uma média de 36 milhões de pessoas cegas poderiam estar com condições normais de visão neste momento. O diagnóstico precoce é a melhor maneira de tratar e curar sintomas de doenças como o glaucoma, catarata, retinopatias diabéticas entre outras.

O dia 26 de maio foi instituído pela Lei nº 10.546/02 para reflexão do que podemos fazer em benefício à nossa saúde visual. O Glaucoma é uma doença que em sua maioria não apresenta sintomas e causa a perda da visão gradualmente. O que acontece é um aumento da pressão intra-ocular que ocasiona um dano no nervo óptico – em que ocorre a morte das células responsáveis pela condução da informação captada na retina pelos fotorreceptores até o cérebro. Por ser uma doença crônica não tem cura. Por isso, o quanto antes for feito o exame preventivo melhor.  O exame preventivo a ser feito é a tonometria, que mede a pressão ocular a fim de descobrir se há ou não a hipertensão ocular.

Cuidados com a saúde nunca são demais. Quanto mais informação e cuidados melhor. Dados da ABRAG – Associação Brasileira dos Amigos Familiares e Portadores de Glaucoma apontam que, no Brasil o número de afetados pela doença de maneira irreversível é de 900 mil pessoas.  Separamos para você informações sobre características dos grupos de risco. Confira e fique atento!

Quem pode ter Glaucoma?

– É uma doença hereditária, por isso se há histórico em sua família os exames preventivos são fundamentais;
– Pessoas acima de 40 anos de idade;
– Diabéticos;
– Pessoas com histórico de trauma ocular ou doenças intra-oculares;
– Pessoas com alto grau de miopia. Acima de seis graus o risco é maior.

Na cidade de São Paulo, durante todo o dia acontecerão palestras informativas. Confira!

26/05- Masp – Av. Paulista, 1578 - Grande Auditório – subsolo
Horário: Das 13h00 às 16h00

26/05 – Câmara Municipal de São Paulo – Fale com o Doutor
Horário: 11h – Palestra ministrada pelo especialista em Glaucoma Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello.

Aproveite o dia de hoje e procure seu oftalmologista.
Cuide de sua saúde e enxergue a vida com todas as suas cores!!

Uma Blitz da Vigilância Sanitária prevê multa a estabelecimentos comerciais onde forem encontradas bitucas de cigarro e cinzeiros. A lei contra o fumo limita o consumo de cigarro e derivados de tabaco em ambientes de uso coletivo, público e privado que sejam fechados, por parede ou divisória, em todo o Estado de São Paulo. Com data prevista para início de agosto as vistorias acontecerão de maneira rigorosa. Para esta ação o foco são os estabelecimentos e não os usuários. A imagem abaixo, retirada de matéria veiculada na Folha On Line traz informações úteis sobre a Lei.

lei-antifumo

Novas notícias sobre o surto de Gripe Suína não param. Na página inicial do Blog da Saúde você pode ver um vídeo de uma matéria da TV Globo sobre o comitê que se forma no Brasil para nossas medidas em relação à doença.

Já falamos sobre a Gripe Suína aqui. Lá citamos uma notícia da Agência Reuters com informações divulgadas pelo CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos EUA. Em meio à tanta informação encontramos outro artigo muito bom divulgado pelo canal digital do jornal O Globo, da BBC Brasil. Leia na integra clicando aqui: Tire suas dúvidas sobre a gripe suína.

Hoje a OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou o registro de 73 casos de gripe suína pelo mundo. Só no México o número de mortos chega a 152. Classificado como surto de nível 4, que significa que o vírus já pode ser transmitido entre humanos, as medidas agora serão para amenizar os efeitos, uma vez que não podem ser contidos territorialmente. Ser classificado como nível 4 também estabelece estado de alerta para Pandemia – quando uma epidemia se alastra pelos continentes. O vírus que antes só era transmitido entre os porcos, através de possível mutação agora também infecta humanos.

Na internet é possível obter muitas informações sobre o contágio. A agência de notícias Reuters publicou no último dia 24.04 um artigo (clique aqui e confira na integra) com várias informações divulgadas pelo CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos EUA. Confira abaixo informações importantes que retiramos deste artigo:

  • O vírus da gripe suína tipicamente afeta porcos, não humanos. A maioria dos casos ocorre quando pessoas têm contato com porcos infectados ou objetos contaminados circulando entre pessoas e porcos.
  • Porcos podem ser infectados por gripes humanas ou aviárias. Quando um vírus da gripe de diferentes espécies infecta porcos, eles podem se misturar dentro do animal e novos vírus mutantes podem ser criados.
  • Porcos podem repassar vírus mutantes de volta para humanos e eles podem ser transmitidos de humanos para humanos. A transmissão entre humanos é mais difícil do que em uma gripe convencional.
  • Os sintomas da gripe suína em humanos são similares àqueles da gripe convencional — febre repentina, tosse, dores musculares e cansaço extremo. Este novo surto, aparentemente, também causa mais diarreia e vômitos que a gripe convencional.
  • Vacinas estão disponíveis aos porcos para a prevenção da gripe suína. Não há vacina para humanos, embora o CDC esteja formulando uma. A vacina contra a gripe convencional pode ajudar a prover proteção parcial contra o vírus suíno H3N2, mas não contra o H1N1, como o que está circulando agora.
  • Não há contaminação pelo consumo de carne ou produtos suínos. Cozinhar a carne de porco a 71 graus Celsius mata o vírus da gripe suína, assim como outros vírus e bactérias.

E você o que acha deste surto? Acredita que a saúde pública Brasileira esteja preparada para uma possível pandemia?

Comente, deixe sua opinião.

exercite_cerebro_570x120

Dormir é fundamental para processar e consolidar as memórias e permitir uma reorganização do trabalho diário e de muitas informações que recebemos durante o dia. Serve para o cérebro entrar num processo de regeneração, rejuvenescimento, remodelação e reorganização das atividades mentais do dia.
A combinação de uma boa alimentação, vida regrada, exercício físico, tensão arterial e colesterol controlados, manter relações sociais e um bom sono são importantes para ter um cérebro mais ativo e saudável e a funcionar plenamente, conseguindo manter a sua jovialidade e flexibilidade durante muitos anos e até pode ser capaz de se auto-regenerar ou ultrapassar algumas doenças, como o Alzheimer.
Além das doenças degenerativas há outros fatores que são prejudiciais para o nosso cérebro e que inclusivamente, matam os neurônios. O álcool, o fumo, o colesterol e as drogas podem ser completamente desastrosas, principalmente porque atacam mais cedo.

exerciciosnajuventude_570x120

Correr e pular durante a infância é mais do que uma brincadeira; isso oferece benefícios duradouros para a saúde dos ossos e parece reduzir o risco de fraturas mais tarde na vida.
A medida que o ser humano envelhece, ocorre perda óssea da camada interna para fora. Exercitar quando jovem acrescenta camadas adicionais ao osso. Isso resulta em ossos maiores.
O exercício físico na infância, estimula o esqueleto, períodos curtos de exercícios várias vezes na semana são necessários para estimular o desenvolvimento ósseo da criança.
A mensagem para adultos mais velhos permanece a mesma. Embora a melhor época da vida para ganhar ossos saudáveis seja na juventude, fazer exercícios quando se é mais velho é essencial para manter a massa e equilíbrio ósseo, bem como manter a forma física aeróbica, e assim reduzir o risco de fraturas osteoporóticas associadas com o envelhecimento.

comapuco_570x120

Somos o que comemos, por essa razão devemos nos preocupar com nossa alimentação, que deve ser equilibrada, balanceada, em qualquer época de nossas vidas. O melhor remédio para se manter uma boa saúde é a alimentação, aliada a bons hábitos como, por exemplo, a prática regular de uma atividade física.
Alimentação balanceada significa compor nossa dieta com alimentos certos, nas quantidades adequadas. Isso é mais simples do que parece; quanto mais variada for a nossa dieta diária, mais supridos estaremos de todos nutrientes que nosso organismo necessita para manter nossa saúde e bem-estar. Uma dieta balanceada deve ser fonte dos macro e micronutrientes que o organismo necessita.

automedicacao_570x120

Desperdício de dinheiro e efeitos danosos à saúde são alguns dos resultados!
Apesar de saber que é perigoso ingerir remédios com base na indicação do balconista da farmácia, de amigos, ou achando que os sintomas são de uma doença que conhece ou já teve, muitas pessoas ainda recorrem à automedicação, para economizar a consulta médica e o exame diagnóstico. Porém, em geral, essa conduta sai mais cara. Os remédios podem agravar doenças, mascarar sintomas, ter efeitos colaterais danosos, ou no mínimo, servir para nada. Existem pessoas que fazem uso de medicamentos que sobraram, sem ter certeza de que se trata da mesma doença. Outras não sabem que a indicação do balconista, ou de amigos, pode induzir à compra de medicamentos sem garantia de qualidade. Outras ainda, com uma única receita médica, no mesmo dia, compram várias vezes o mesmo remédio e o consome indiscriminadamente.
“É importante que as pessoas saibam cuidar melhor da saúde, conheçam o risco da automedicação, valorizem mais o conhecimento médico e o ideal é que todos os medicamentos sejam vendidos apenas com retenção de receita”.