Ocultar

Evento reúne especialistas em saúde para apresentar novas cirurgias ligadas a problemas na coluna

Em 27 de julho, o Hospital São José da Beneficência Portuguesa de São Paulo receberá o XIII Simpósio Internacional de Cirurgia e Técnicas Minimamente Invasivas de Coluna, que apresentará cirurgias inéditas que prometem a salvação de pacientes com problemas de hérnia de disco, estenose de canal e dores nas costas.

As cirurgias inéditas serão realizadas ao vivo por especialistas. Os presentes poderão conferir as seguintes intervenções médicas:

IOFLEX (Foraminoplastia Minimamente Invasiva): realizada pela equipe do Dr. Pil Sun Choi, chefe do Grupo de Cirurgia de Coluna Minimamente Invasiva do Hospital São José da Beneficência Portuguesa de São Paulo, em conjunto com o americano, Dr. Harvinder Bahtti, referência mundial nessa técnica, mostrará o tratamento de estreitamento do canal vertebral – doença que acomete, principalmente, pessoas acima de 50 anos. “A técnica se baseia na utilização de um tipo de fio metálico, que alarga os orifícios dos canais de coluna, onde passam os nervos. Ela não mexe em nada na estrutura da coluna, é minimamente traumática e permite rápida recuperação dos pacientes”, explica Dr. Pil.

PLDD cervical: consiste na retirada de hérnia de disco de pescoço (coluna cervical) utilizando o LASER. Ela é efetuada através uma fina agulha com anestesia local. “Após o sucesso da PLDD na coluna lombar, o LASER começou a ser utilizado também para a coluna cervical e os resultados preliminares são bastante promissoras”, relata o Dr. Pil.

OLLIF (Artrodese Intersomática Lumbar Oblíqua Lateral Percutânea): é uma técnica de fusão vertebral, realizada através de uma cânula introduzida por um pequeno orifício feito na pele. Em cirurgia convencional, para obtenção da fusão de duas vértebras, é necessário efetuar uma enorme incisão. “Essa mínima abertura permite pouca agressão, menos sangramento, menos dor no pós-operatório e rápida recuperação do paciente. Faremos a cirurgia juntamente com o mexicano Dr. José Antônio Soriano, referência internacional nessa técnica”, detalha o especialista.

Entre a comunidade médica, este é um evento tradicional que funciona como um pré-congresso para o V Congresso Brasileiro de Cirurgia e Técnicas Minimamente Invasivas da Coluna Vertebral (V COMINCO), que acontecerá entre os dias 28 e 30 de julho, no Word Trade Center, em São Paulo. Juntos os dois eventos vão trazer o que há de melhor em termos de tratamento de coluna na atualidade.

Além das cirurgias inéditas, o V COMINCO apresentará palestras com médicos nacionais e internacionais, com destaque para os americanos Michel Heggeness, Jeffrey Wang, Michael W. Perry. O cientista Heggeness falará a respeito das suas novas descobertas em termos de tratamento minimamente invasivo da coluna, em primeira mão, no evento. Visando potencializar a qualificação dos médicos nas técnicas inovadoras minimamente invasivas, haverá também treinamento de especialistas brasileiros, por meio do programa Fellowship, feito em parceria com a North American Spine Society (NASS).

Serviço:

XIII SIMINCO

DATA: 27 de julho de 2016

HORA: 08:00 – 16:00 horas.

LOCAL: HOSPITAL SÃO JOSÉ (Beneficência Portuguesa/Auditório- 10 andar)

Endereço: Rua Martiniano de Carvalho, 965 – Bela Vista – São Paulo – SP.

V COMINCO

DATA: De 28 a 30 de julho de 2016

HORA: 8h – 17h30 (28, 29); 8h – 12h30 (30)

LOCAL: World Trade Center

Endereço: Avenida das Nações Unidas, 12551 – Cidade Monções – São Paulo – SP

Na última quinta-feira (27), o Ministério da Saúde lançou um aplicativo do Sistema Único de Saúde, onde todos os cidadãos cadastrados no SUS podem registrar informações sobre a própria saúde e se conectar com o médico.

O novo aplicativo, já disponível para Android e com previsão para novembro na Apple Store, possibilita que o paciente marque todas as taxas de glicemia e pressão para saber a evolução do tratamento. Além disso, é possível registrar as alergias, os medicamentos usados, adicionar contatos de emergência e compartilhar informações com médicos que estão realizando o acompanhamento, para traçar um diagnóstico mais adequado ao histórico do paciente.

Com o tempo, o aplicativo será aperfeiçoado para poder alertar sobre as consultas marcadas, solicitar o agendamento e buscar os serviços oferecidos com a ajuda de um mapa.

O registro do conjunto de informações por meio da identificação do usuário é extremamente importante porque, a partir das informações reunidas, será possível acompanhar melhor a saúde dos pacientes e garantir uma atenção ainda mais adequada aos brasileiros que utilizam a rede pública de saúde. Também será possível organizar ainda mais a rede de atendimento e a oferta dos serviços de saúde em todo o país.

Em 2013, o Brasil realizou cerca de 1,49 milhão de cirurgias plásticas, segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS). O país ultrapassou os Estados Unidos, que mantinha a liderança há tempos. No entanto, os estadunidenses realizaram um número maior de procedimentos minimamente invasivos para rejuvenescer.

Para debater sobre esta técnica para cirurgia facial, acontecerá o VI Simpósio Internacional de Cirurgia Plástica do Peru entre os dias 18 e 20 de junho, no Sheraton Lima Hotel. O Brasil será representado pelos cirurgiões plásticos Eduardo Sucupira e Mauro Speranzini e pelo cirurgião geral Dario Birolini.

Dentre os procedimentos com maior destaque está a indicação da lipoaspiração a laser para face e pescoço (papada). Eduardo Sucupira, titular da Comissão Científica do Capítulo de Procedimentos Estéticos Minimamente Invasivos da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), explica que a cirurgia é menos invasiva que a lipoaspiração tradicional. “Com o laser conseguimos quebrar as células de gordura e eliminar o excesso através da aspiração. Para isso, fazemos apenas pequenas incisões, que alguns casos dispensam pontos. Além disso, estudos clínicos mostram que conseguimos com o procedimento uma retração cutânea com resultado final diferenciado”, comenta.

O Simpósio Internacional de avanços na Cirurgia Plástica tem ligação direta com as principais sociedades médicas e instituições acadêmicas do Peru. Serão três dias de palestras, workshops e debates, que contemplarão ainda outros temas como mastopexia de aumento (implante de silicone), abdominoplastia, rejuvenescimento íntimo, blefaroplastia contemporânea (cirurgia nas pálpebras) e ritidoplastia cervicofacial (cirurgia de face).

Serviço:

VI Simpósio Internacional de Cirurgia Plástica do Peru

Local: Sheraton Lima Hotel

Datas: 18 a 20 de junho de 2015

78463851

Presente em São Paulo desde dezembro de 2012, o projeto Horas de Vida foi lançado no Rio de Janeiro nessa semana. A iniciativa reúne médicos de diversas especialidades que se propõem a doar horas de trabalho para pacientes com baixo poder aquisitivo.

Em São Paulo, a iniciativa conta com cerca de 250 inscritos, entre médicos de 25 especialidades e profissionais de outras áreas da saúde, como psicólogos, nutricionistas e fisioterapeutas. As horas doadas podem ser utilizadas para consultas ou em palestras e discussões.

No Rio, o projeto tem previsão de começar a atender ainda esse ano. As consultas serão agendadas em até uma semana, por meio de cadastro online. A Triagem é feita com a ajuda de instituições parceiras do projeto, estão cadastradas na unidade carioca as entidades Saúde Criança e AfroReggae. A ação atende pessoas de todas as idades, com a obrigatoriedade de que sejam de baixa renda. Não são realizados atendimentos emergenciais, somente consultas, exames e doação de óculos.

O projeto, fundado pelo clínico-geral e geriatra João Paulo Nogueira Ribeiro, tem como intuito formalizar os atendimentos gratuitos, os quais muitos médicos já exerciam, e atender as demandas das populações carentes locais. As consultas são realizadas nos consultórios particulares dos profissionais e não há garantia de que o mesmo médico acompanhe todo o tratamento.

Para participar da iniciativa, os médicos devem se cadastrar no site do programa e informar a quantidade de horas a serem doadas e a disponibilidade para frequência do atendimento. Por ser contínuo, e não em esquema de mutirão, os profissionais devem disponibilizar horas com periodicidade.

Participam do projeto médicos renomados como Drauzio Varella, em São Paulo, e Paulo Niemeyer, no Rio.

 

101180027Insatisfeitos com as recentes medidas anunciadas pelo governo federal relacionadas à categoria, médicos voltam a protestar hoje (16) em várias cidades. De acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM), manifestações devem ocorrer hoje (16) em, pelo menos, 13 estados, como Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Rio de Janeiro e Maranhão.

No Distrito Federal (DF), a concentração está prevista para as 15h, em frente à sede do Conselho Regional de Medicina do DF. De lá, os profissionais seguirão em caminhada até o Congresso.

A classe protesta contra os vetos da presidenta Dilma Rousseff ao Projeto de Lei 268/2002, o chamado Ato Médico, que regulamenta o exercício da medicina no país, e contra a Medida Provisória 621/2013, que instituiu o Programa Mais Médicos.

Lançada na semana passada, a iniciativa pretende levar profissionais a municípios distantes, principalmente das regiões Norte e Nordeste, além da periferias das grandes cidades. Segundo o governo, para preencher as vagas que não forem ocupadas por médicos brasileiros, poderão ser contratados profissionais de outros países.

De acordo com lideranças da categoria, o Mais Médicos prejudica a qualidade da assistência à saúde e coloca em risco a vida dos brasileiros. Já em relação ao Ato Médico – sancionado com vetos pela presidenta na semana passada – a categoria avalia que se trata de uma “nova agressão aos médicos e à saúde do país”.

Entre os trechos suprimidos por Dilma está o Inciso 1º, do Artigo 4º, que atribuía exclusivamente aos médicos a formulação de diagnóstico de doenças. A classe médica considera que esse ponto era a essência da lei. Já para as demais categorias da saúde, como enfermeiros, psicólogos e fisioterapeutas, favoráveis ao veto, o trecho representava um retrocesso à saúde.

Em mensagem enviada aos médicos, divulgada no site do Conselho Federal de Medicina, as entidades nacionais ligadas à classe, entre elas, além do CFM, a Associação Médica Brasileira, a Associação Nacional dos Médicos Residentes e a Federação Nacional dos Médicos pedem que os profissionais se mantenham mobilizados “em prol de causas comuns”. Elas os orientam a manter o bom atendimento à população, “que de forma alguma deve ser punida pelos erros da gestão”.

*Com informações da Agência Brasil

medico_paralisacao1A lei que regulamenta o exercício da medicina, o chamado Ato Médico, foi sancionado pela presidenta Dilma Rousseff, com vetos. O texto aprovado, que estabelece atividades privativas dos médicos e as que poderão ser executadas por outros profissionais de saúde, está publicado na edição de hoje (11) do Diário Oficial da União.

O Artigo 4º, considerado o mais polêmico e que motivou protestos de diversas categorias da saúde, como fisioterapeutas, enfermeiros e psicólogos, teve nove pontos vetados, inclusive o Inciso 1º, que atribuía exclusivamente aos médicos a formulação de diagnóstico de doenças.

A classe médica considera que esse ponto era a essência da lei. Já para as demais categorias o trecho representava um retrocesso à saúde.

blog_piscandoPela lei, ficou estabelecido que caberá apenas às pessoas formadas em medicina a indicação e intervenção cirúrgicas, além da prescrição dos cuidados médicos pré e pós-operatórios; a indicação e execução de procedimentos invasivos, sejam diagnósticos, terapêuticos ou estéticos, incluindo acessos vasculares profundos, as biópsias e as endoscopias. Também será de exclusividade médica a sedação profunda, os bloqueios anestésicos e a anestesia geral.

Já entre as atividades que podem ser compartilhadas com profissões da área da saúde não médicas estão o atendimento a pessoas sob risco de morte iminente; a realização de exames citopatológicos e emissão de seus laudos; a coleta de material biológico para análises laboratoriais e os procedimentos feitos através de orifícios naturais, desde que não comprometa a estrutura celular.

Ontem, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, ressaltou a regulamentação da atividade, mas defendeu a manutenção do “espírito de equipes multiprofissionais, com outros conhecimentos e competências, que são o conjunto das profissões de saúde”.

*Com informações da Agência Brasil

gMédicos de todo o país farão hoje (3) atos públicos para protestar, principalmente, contra a vinda de médicos estrangeiros para o Brasil sem a revalidação do diploma pelo Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos, o Revalida. Os estados do Acre, Amapá, de Sergipe e o Distrito Federal vão paralisar o atendimento ambulatorial durante todo o dia. Em Minas Gerais, haverá suspensão das consultas na hora da manifestação. De acordo com o Conselho Federal de Medicina, Mato Grosso também deve suspender o atendimento.

As entidades deixam claro que os atendimentos de urgência e emergência funcionarão normalmente. Segundo a categoria, o baixo investimento do governo na saúde pública é o principal problema do setor. Para os médicos, o país tem número suficiente de profissionais para suprir a demanda, e se houvesse uma estruturação das unidades de saúde e a criação de uma carreira, os vazios assistenciais seriam preenchidos.

O Ministério da Saúde anunciou, no dia 25 de junho, que criará 35 mil vagas para médicos no Sistema Único de Saúde (SUS) até 2015. De acordo com a pasta, serão contratados profissionais que se formaram no exterior para ocupar os postos que não forem preenchidos por médicos com diplomas brasileiros.

O plano do governo é criar programas de autorização especial para que os profissionais que se formaram fora do país só possam atuar na atenção básica, nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades. Caso sejam aprovados no Revalida, esses médicos terão liberdade de trabalhar em qualquer lugar do país.

Alguns conselhos regionais de Medicina, como os do Rio de Janeiro e de Goiás, adiantaram que não vão registrar médicos que não forem aprovados no Revalida.

*Com informações da Agência Brasil

O Brasil vem mantendo o clico histórico de desigualdade no que diz respeito à assistência médica. Os indicadores de saúde são incompatíveis com os anunciados progressos na área econômica, é o que revela pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em parceria com o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP).

O estudo Demografia Médica no Brasil – Volume II – Cenários e Indicadores de Distribuição traz informações inéditas que agregam elementos importantes ao debate sobre o tema nas esferas pública e privada da saúde. “As tendências reveladas podem nortear a adoção de medidas que assegurem a construção de um projeto de país e de um sistema de saúde mais justo e solidário, orientado pelos compromissos com a qualidade da assistência, a equidade, a justiça e a ética”, afirma Roberto Luiz d’Avila, presidente do Conselho Federal de Medicina.

 “Somente com vontade política, financiamento adequado e gestão qualificada romperemos com esse ciclo” ressalta o presidente do CFM. Os desequilíbrios na repartição geográfica, especializada e funcional de médicos, somados à concentração que favorece o setor privado de saúde, revelam um país que convive tanto com carências quanto com altas densidades de médicos.

O número de registros de médicos em atividade no Brasil atingiu 388.015 em outubro de 2012, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM). O número se aproxima dos 400 mil e atinge a taxa de 2,00 profissionais por 1.000. Duas das grandes regiões do país estão abaixo do índice nacional, a região Norte, com 1,01, e a Nordeste, onde há 1,2 médico por 1.000 habitantes, é o que aponta a pesquisa. Na melhor posição está o Sudeste, com razão de 2,67, seguido pela região Sul, com 2,09, e o Centro-Oeste, com 2,05. A região Sudeste tem uma razão médico habitante duas vezes maior que a do Nordeste.

As diferenças se ampliam quando se olha os números por estado. Nos dados apresentados o Distrito Federal lidera o ranking, com uma razão de 4,09 médicos por 1.000 habitantes, seguido pelo Rio de Janeiro, com 3,62, e São Paulo, com razão de 2,64. Outros três estados têm índices superiores a 2,00 médicos por 1.000 habitantes, Rio Grande do Sul, Espírito Santo e Minas Gerais. Com razão inferior a 1,5 estão 16 estados, todos do Norte, Nordeste e Centro Oeste. Na ponta de baixo do ranking, com menos de 1 médico por 1.000 habitantes estão Amapá (0,95), Pará (0,84) e Maranhão (0,71).

Quando se excluem os médicos das capitais, vê-se nos índices que o interior está muito aquém. O estado de Pernambuco, para citar apenas um dos mais importantes do Nordeste, tem 7.385.512 moradores nos municípios do interior assistidos por 4.292 médicos. A razão médico habitante nessas áreas é de 0,58, índice quase quatro vezes menor que a média do país e semelhante à de países africanos. Os moradores da capital Recife contam com dez vezes mais médicos que seus conterrâneos do interior.

Entre outubro de 2011 e outubro de 2012, foram contabilizados 16.227 novos registros de médicos. O aumento em 12 meses foi de 4,36%. O número confirma uma tendência de crescimento exponencial da categoria, que se mantém há 40 anos. Entre 1970, quando havia 58.994 médicos, e o presente momento, o número de médicos saltou 530%. O percentual é mais de cinco vezes maior que o do crescimento da população, que em cinco décadas aumentou 104,8%. Sendo que 215.640 médicos atuam no Sistema Único de Saúde, segundo o CNES – Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, em serviços públicos municipais, estaduais e federais. Isso representa 55,5% do total de 388.015 médicos ativos registrados no Brasil (CFM).

“Para um sistema de saúde público e universal pode-se dizer que é insuficiente a presença de médicos no SUS, considerando o contingente de médicos em atividade no país. Como a migração de médicos do setor privado para o público dependeria de transformações substantivas do sistema de saúde, por certo distantes, a começar pela solução do problema do subfinanciamento público e da regulação mais rigorosa do mercado”, ressalta texto da pesquisa.  Se a precariedade dos vínculos for posta em cheque e houver a implementação de planos de carreira talvez seja possível amplificar a presença, disponibilidade e a dedicação exclusiva de parte maior dos médicos atualmente vinculados ao SUS.

Por fim, é possível supor que, sem uma política eficaz de valorização e fixação de profissionais por meio de carreiras públicas, o aumento do número de médicos poderá acentuar ainda mais as desigualdades verificadas.

*As informações são da pesquisa Demografia Médica no Brasil – Volume II – Cenários e Indicadores de Distribuição. Para acessar, clique aqui.

A partir do segundo semestre do ano os brasileiros poderão acessar a ficha profissional de médicos especialistas de todo o país por meio do Cadastro Nacional de Especialistas. O banco de dados está sendo elaborado em ação conjunta do Ministério da Saúde e Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Por meio dele, os usuários dos sistemas de saúde privado (planos) e público (SUS) poderão procurar pelo nome do profissional, conhecer a sua formação e onde atua. Segundo o ministério, as informações irão contribuir para o paciente ter mais segurança sobre o atendimento que será feito, quando a consulta for marcada.

Os números do banco de dados também irão direcionar os investimentos do governo e instituições parceiras na formação de novos profissionais. Segundo o secretário da Gestão do Trabalho e da Educação do ministério, Mozart Sales, a iniciativa da criação do Cadastro Nacional é o ponto de partida para a formulação de uma política de formação de especialistas no país nos próximos dez a 15 anos.

“Por meio do banco de dados vamos ter uma radiografia da situação da saúde em todas as regiões. Saberemos quais especialidades estão mais em falta e poderemos investir na formação destes profissionais para suprir os gargalos de cada região”, explica o secretário.

Investimentos que, segundo Mozart, já começaram. Só este ano, informa, foram distribuídas 1.623 novas bolsas de residência para 19 especialidades em todo o país. De acordo com o secretário, a previsão é que o banco de dados seja disponibilizado para consulta ao público no segundo semestre. Os dados serão reunidos em uma página especial, que ficará hospedada no site do ministério.

A iniciativa conta com a parceria do Observatório de Relações Humanas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Para a elaboração deste banco de dados, serão utilizadas inicialmente informações do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), da Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Médica Brasileira (AMB).

O representante do Ministério da Saúde destacou, ainda, a importância de construir com a ANS um caminho para entender como é desenvolvido o trabalho das especialidades que atuam na área de saúde suplementar.

O Diretor-Presidente da ANS, André Longo, reiterou que para que o Cadastro Nacional de Especialistas cumpra o seu papel é fundamental a integração de esforços entre as instituições parceiras para que haja o compromisso com a atualização periódica dos dados, facilitando o acesso às informações pelos beneficiários de planos de saúde, gestores e sociedade em geral sobre a atuação dos profissionais do setor de saúde no país.

Fonte: O Globo

Um programa norte-americano que treina os médicos para que eles recomendem e prescrevam exercícios físicos a seus pacientes será lançado nesta quarta no Brasil.

O projeto “Exercise is Medicine” foi criado em 2007 pelo American College of Sports Medicine e pela American Medical Association e visa capacitar profissionais da área da saúde para a adição da atividade física aos tratamentos convencionais.

“Queremos que os profissionais entendam os benefícios da atividade física. A maioria ainda tem receio, acha que o paciente pode quebrar algo, ter um infarto, mas ele tem muito a ganhar com a inserção da atividade moderada no dia a dia”, diz Sandra Mahecha Matsudo, médica e diretora-geral do Celafiscs (Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul).

O centro é parceiro do American College of Sports Medicine há anos e foi o escolhido para liderar o “Exercise is Medicine” no Brasil.

A ideia é que o médico aprenda a prescrever a atividade física para o paciente, de acordo com sua condição, e o indique para um profissional de educação física.

O programa americano tem “prescrições” de exercícios para diferentes doenças, como câncer, alzheimer, hipertensão e esclerose múltipla.

O projeto começará em São Paulo, numa parceria do Celafiscs com a Secretaria de Estado da Saúde e o apoio da Associação Médica Brasileira e da Associação Paulista de Medicina.

Nesta semana, 150 profissionais receberão treinamento, incluindo médicos, enfermeiros, educadores físicos e fisioterapeutas de 14 instituições –entre elas, Hospital das Clínicas da USP, hospital Albert Einstein, Instituto do Câncer do Estado de São Paulo e as sociedades brasileiras de diabetes e cardiologia.

O programa deve ter seu acesso ampliado para o Estado por meio de uma rede virtual de capacitação. No futuro, haverá também uma discussão com o Ministério da Saúde sobre como levar o curso para todo o país.

Fonte: Folha de S. Paulo

Empresa paulista Dr. Mobile lança aplicativo que possibilita ao médico acessar sua agenda de compromissos por meio de um iPhone, iPad ou Android, necessitando apenas de acesso a internet.

“É comum os médicos trabalharem em vários locais com sistemas diferentes e não saberem quem vão atender ou operar. O Dr. Mobile unifica as agendas nos Gedgets simplificando a vida do médico e possibilitando que ele otimize essas consultas”, explica um dos fundadores da empresa, Rodrigo Valentim.

O aplicativo – que pode ser baixado de forma gratuita nas lojas da Apple Brasil e do Google – mostra quais são os hospitais e clínicas onde o médico trabalha, separa as agendas ambulatoriais, exames e cirurgias.

De acordo com Valentim, qualquer informação visualizada no dispositivo móvel é feita por meio da utilização do protocolo HTTPS (mesmo protocolo de segurança usado pelos bancos), seguindo as premissas de segurança da informação estabelecidas pela SBIS (Sociedade Brasileira de Informática em Saúde).

“Nenhuma informação do paciente fica salva no dispositivo, toda informação é originada de um Servidor Cloud com toda segurança necessária, além de tudo isso, criamos uma forma simples de garantir ainda mais o sigilo do paciente. Utilizamos somente o primeiro nome do mesmo, tornando assim a sua identificação por parte de terceiros quase que impossível”, afirma o executivo.

Fonte: Saúdeweb

Já precisou encontrar um médico de confiança para realizar uma cirurgia, um exame ou mesmo uma consulta de última hora e não soube onde procurar? O sistema do HelpSaúde surgiu para ajudar você nessas horas.

Com o maior banco de dados de profissionais da saúde como médicos, dentistas, hospitais, clínicas e demais prestadores de serviços médicos, o sistema ajuda você a encontrar o que precisa de forma gratuita! Ao entrar no site, você poderá buscar pelo nome do prestador, por especialidade, plano de saúde ou localidade. Uma lista de profissionais que se enquadram dentro do que você precisa irá aparecer, disponibilizando uma foto, resumo do currículo e mais informações para você poder escolher.

Quem busca por serviços não é o único beneficiado. Médicos que querem se diferenciar dos outros milhares no Brasil poderão criar uma página profissional em menos de 5 minutos. Os profissionais da saúde que se cadastrarem no HelpSaúde poderão administrar suas informações de contato (telefones e endereços), incluir os serviços que presta, suas especialidades, planos que atende, foto e um resumo do seu currículo. Assim se diferenciará dos demais médicos e estarão disponíveis aos clientes que preferem buscar seus doutores pela internet. Se você é profissional de saúde, conquiste mais pacientes/clientes agora!

Atualmente, o HelpSaúde é o maior buscador de prestadores de saúde do Brasil. Recebe 2,5 milhões de visitas mensais, isso quer dizer que são 2,5 milhões de pessoas procurando por médicos, dentistas e outros profissionais da área na internet. A missão é de estabelecer o contato entre o prestador de saúde e o paciente/cliente de forma mais rápida e prática, formando um excelente modo de divulgação para os profissionais que desejam ampliar a sua clientela e uma ótima ferramenta de busca para pacientes.

Contra jornada maior de trabalho, mais de quinhentos médicos do Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) ameaçam paralisar as atividades amanhã. A greve seria um protesto contra a Medida Provisória 568, que prevê jornada de trabalho de 40 horas semanais com o salário atual, pago a médicos que trabalham apenas 20 horas por semana na rede pública – ou seja, uma redução de 50% na remuneração.

A admissibilidade da MP será analisada amanhã pela Comissão Mista do Congresso Nacional. Em nota, a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) disse que a medida é um “retrocesso em um país já tão castigado pela carência do Sistema Único de Saúde e pela desvalorização dos profissionais de medicina, dobrando jornadas sem acréscimo de vencimentos”.

Em assembléia na última quarta-feira (6), os médicos também decidiram realizar um dia de paralisação por semana enquanto não conseguirem mudanças na Medida Provisória.

Após a recente decisão do Tribunal Federal Regional (TRF) de que a acupuntura deve ser uma prática exclusivamente médica, a polêmica sobre o exercício do tratamento foi, novamente, reacendida. O assunto vem dividindo opiniões na comunidade médica desde 2001, quando o Conselho Federal de Medicina (CFM) solicitou à Justiça a anulação de resoluções que autorizavam enfermeiros, fisioterapeutas e psicólogos de praticar a técnica.

O argumento é que a acupuntura, mesmo sendo considerada como medicina alternativa, trata doenças e que no Brasil este diagnóstico e tratamento de enfermidades são atividades médicas. As dúvidas, no entanto, continuam para os pacientes que fazem uso da técnica da Medicina Tradicional Chinesa aplicada há mais de 4 mil anos no Oriente. Saiba mais sobre a acupuntura:

Como a acupuntura age?

A acupuntura utiliza agulhas em pontos específicos da pele visando o equilíbrio das energias que percorrem o corpo no combate a dores, inflamações e desconfortos diversos.

Posso misturar outros tratamentos com a acupuntura?

Sim, a acupuntura pode ser associada ao shiatsu e à quiropraxia, por exemplo. Infelizmente não existe uma única técnica que consegue atender a tudo. Todas as técnicas têm suas limitações e a acupuntura não é diferente.

A acupuntura dói?

Depende da sensibilidade de cada paciente e do ponto em que é aplicado. Em geral a acupuntura não dói.

Há algum risco ao fazer o tratamento?

Como em toda forma terapêutica, devemos tomar certos cuidados. Por exemplo, em casos de gravidez é aconselhável evitar alguns pontos.

Acupuntura tem contraindicação?

Não tem contraindicação, mas o terapeuta deve sempre atentar à anamnese.
 

E você, já fez algum tratamento com acupuntura? Comente!

 

 

Imagem: Folha de S. Paulo

 

 

18 mil pessoas desaparecem todos os anos em São Paulo.

13.460 queixas já foram contabilizadas, só em SP, de janeiro a agosto deste ano.

200 mil pessoas desaparecem no Brasil a cada ano.

35 mil delas são crianças.

Onde elas estão?

Talvez a criança que você vê andando na rua seja uma delas. Talvez aquela que entra no hospital em busca de ajuda esteja entre as desaparecidas. Nunca se sabe.

Conselho Federal de Medicina (CFM) - Campanha na luta em busca de crianças desaparecidas

Com esse pensamento, o Conselho Federal de Medicina pede a atenção dos 370 mil médicos do país para uma campanha na luta em busca das crianças desaparecidas.

Serão cartazes pendurados em postos de saúde, páginas na internet e e-mails para chamar a atenção não só dos médicos, mas também da sociedade a este grande problema.

O objetivo é trazer informações aos pais para evitar que se tornem pais de crianças desaparecidas e pedir aos médicos que mantenham-se atentos, pois qualquer paciente pode ser aquela criança perdida.

Observar semelhanças com os pais, sinais de agressão e comportamento da criança com a família são algumas orientações nos hospitais, prontos-socorros e clínicas do país. Outra recomendação indicada pelo Conselho é que os médicos sempre confiram os documentos do menor e dos responsáveis.

Não esperem 24 horas para denunciar um desaparecimento é o conselho primordial passado para os pais nesta campanha. “Os brasileiros têm um mito de que é necessário aguardar 24 horas para fazer a denúncia. Este tempo é crucial para encontrar uma criança desaparecida”, alertou o 1º vice-presidente do CFM, Carlos Vital Corrêa Lima.

Ter acesso ao Cadastro Nacional de Pessoas Desaparecidas é a principal iniciativa para ampliar um esforço coletivo e de âmbito nacional para a busca e localização de crianças, adolescentes e adultos.

“A entidade pede que a categoria médica fique atenta aos retratos que estejam neste cadastro, pois as pessoas podem passar por uma unidade de saúde e precisar de um tratamento médico”, apontou Henrique Batista, coordenador e secretário-geral da Comissão de Assuntos Sociais do CFM.

Dicas de segurança aos médicos

Foto: Getty Images

(fonte: Conselho Federal de Medicina)

1- Ao atender uma criança, fique atento aos seguintes procedimentos:
2 – Peça a documentação do acompanhante. A criança deve estar acompanhada dos pais, avós, irmão ou parente próximo. Caso contrário, pergunte se a pessoa tem autorização por escrito.
3- Procure conhecer os antecedentes da criança. Desconfie se o acompanhante fornecer informações desencontradas, contraditórias ou não souber as perguntas básicas.
4- Analise as atitudes da criança. Veja como ela se comporta com o acompanhante, se demonstra medo, choro ou aparência assustada.
5- Veja se existem marcas físicas de violência, como cortes, hematomas e grandes manchas vermelhas.

Dicas de segurança para os pais

1 – Nos passeios manter-se atento e não descuidar das crianças;
2 – Procurar conversar todos os dias com os filhos, observar a roupa que vestem e se apresentam comportamento diferente;
3 – Procurar conhecer todos os amigos do seu filho, onde moram e com quem moram;

Foto: Getty Images

4 – Acompanhá-los a escola, na ida e na volta, e avisar o responsável da escola quem ira retirar a criança;
5 – Colocar na criança bilhetes ou cartões de identificação com nome da criança e dos pais, endereço e telefone, orientar a criança quanto ao uso do cartão telefônico, bem como fazer chamadas a cobrar para pelo menos três números de parentes, e avisá-los desta orientação;
6 – Não deixar as crianças com pessoas desconhecidas, nem que seja por um breve período de tempo, pois muitos casos de desaparecimento ocorrem nestas circunstâncias;
7 – Fazer o mais cedo o possível a carteira de identidade;
8 – Manter em local seguro, trancado e distante do alcance das crianças arma de fogo, facas, qualquer objeto ou produto que possa colocar a vida delas ou outras pessoas em risco;
9 – Orientar as crianças a não se afastar dos pais e fiscalizá-las constantemente;
10- Ensiná-las a sempre que estiverem em dificuldade a procurar uma viatura policial, ou um policial fardado (PM ou Guarda Municipal), e pedir ajuda;
11- Evitar lugares com aglomeração de pessoas;
12- Perdendo a criança de vista, pedir imediatamente ajuda a populares para auxiliar nas buscas e avisar a polícia.

Para obter mais informações sobre a campanha, acesse aqui.

Amanhã, dia 25, médicos de todos os estados prometem ir às ruas protestar contra a baixa remuneração e as más condições de trabalho e de assistência oferecidas na rede pública de saúde.

O movimento – coordenado pela Comissão Pró-SUS, composta por representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM), da Associação Médica Brasileira (AMB) e da Federação Nacional dos Médicos (Fenam) – quer chamar a atenção das autoridades e da população para os problemas que afetam o setor e que comprometem a qualidade do atendimento oferecido.

Em 22 estados foram confirmadas suspensões dos atendimentos eletivos (consultas, exames e outros procedimentos) durante todo o dia 25 de outubro, sendo que no Piauí deve se prolongar por 72 horas. Em outros dois estados, este tipo de paralisação será pontual: em Santa Catarina, deve acontecer durante a tarde e durar cerca de uma hora; em São Paulo, deverá acontecer apenas em algumas unidades de saúde, mas ao longo de todo o período. Em outros seis estados, foram programadas manifestações públicas em protesto contra a precariedade da rede pública. Aliás, atos do tipo deverão acontecer simultaneamente em todo o país.

Urgências garantidas: nos estados em que se optou pela paralisação, serão suspensos os atendimentos eletivos (consultas, exames, cirurgias e outros procedimentos). No entanto, ficará assegurado o trabalho nas unidades de urgência e emergência.

A previsão é que se tenha a adesão de pelo menos metade dos 195 mil médicos que trabalham no SUS. As informações são do Conselho Federal de Medicina.

Antes que mais pessoas se perguntem: por que a Agência Nacional de Saúde Suplementar, que regula os reajustes dos contratos de planos individuais e planos familiares, não faz o mesmo com o valor repassado aos médicos pelas operadoras?

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) esclarece que não tem amparo legal para regular a remuneração médica.

O reajuste dos planos individuais está expresso na lei 9656/98. Não há previsão legal para a ANS determinar o percentual do reajuste de prestadores de serviço, inclusive de médicos.

Isto esclarecido, não há “ineficiência ou omissão” por parte da ANS e sim respeito à legalidade – informa a agência.

Os canais de atendimento da ANS estão à disposição dos beneficiários para denúncias, reclamações e esclarecimentos:

Disque ANS: 0800 701 9656 ou através dos Núcleos da ANS existentes em todas as regiões do país.

O parecer da ANS nas negociações médicos x operadoras

Antes que mais pessoas se perguntem: por que a Agência Nacional de Saúde Suplementar, que regula os reajustes dos contratos de planos individuais e familiares, não faz o mesmo com o valor repassado aos médicos pelas operadoras?

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) esclarece que não tem amparo legal para regular a remuneração médica.

O reajuste dos planos individuais está expresso na lei 9656/98. Não há previsão legal para a ANS determinar o percentual do reajuste de prestadores de serviço, inclusive de médicos.

Isto esclarecido, não há “ineficiência ou omissão” por parte da ANS e sim respeito à legalidade – informa a agência.

Os canais de atendimento da ANS estão à disposição dos beneficiários para denúncias, reclamações e esclarecimentos:

Disque ANS: 0800 701 9656 ou através dos Núcleos da ANS existentes em todas as regiões do país.

Copa no Brasil e a gente se questiona sobre o que as autoridades irão fazer para deixar o transporte, estádios, atendimento de emergência, entre outros aspectos, prontos para receber o evento mundial.

Então, vamos adiantar que o Hospital das Clínicas, ligado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, e a FIFA irão oferecer treinamento para 45 médicos que deverão atuar nos estádios das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014.

O Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas é o único centro de excelência já credenciado pela FIFA para o evento no Brasil.

O curso será conduzido pelo instrutor FIFA Efraim Kramer, da África do Sul, responsável pelo departamento médico de Joanesburgo, na última Copa. Serão abordados temas como problemas cardíacos com jogadores em campo, equipamentos médicos necessários em cada estádio e formas de agir em caso de tumultos envolvendo torcedores.

O curso contará com simulação de casos que demandem atendimento médico especializado em estádios de futebol. Todos os protocolos de atendimento exigidos pela FIFA serão demonstrados no curso.

Também serão discutidos aspectos como a qualificação dos médicos e a quantidade de profissionais da área de saúde necessária por jogo, sistema de comunicação dentro e fora dos estádios, além dos aspectos médicos relacionados a eventos desse porte. Vamos acompanhar!

Veja também:
- Copa do Mundo 2014 e o Programa Gol verde

Próximo »