O estudo foi realizado nos Estados Unidos com 2243 crianças que sofrem de déficit de atenção.

O neurologista André Felício explica o risco do não diagnóstico do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade em adultos.

Com o aumento do consumo do medicamento para o tratamento de hiperatividade, e com as muitas dúvidas ainda muito existentes sobre o assunto, conversamos com uma psicóloga para entender melhor o transtorno. Confira

São 23 áreas: Trofismo, crise asmática, hiperatividade, tabagismo, sono, apneia, tratamento psicológico para dependentes de cocaína/crack, incontinência urinária, fibromialgia, efeitos da suplementação, menopausa, ovários policísticos, síndrome das pernas inquietas, puberdade precoce, câncer de cabeça e pescoço, enxaquecas, hipertensos, entre outros.

A descoberta pode levar a um tratamento da anorexia, doença que afeta principalmente as adolescentes

A Associação Paulista de Medicina abriu inscrições para o grupo de apoio aos familiares de portadores de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade.

Dificuldade para ficar quieto, respostas atravessadas, aversão a tarefas longas que exijam atenção, são suficientes para detectar a presença doTranstorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade?

O Distúrbio de Déficit de Atenção, conhecido como DDA é um transtorno que acomete de 5 a 13% da população geral e tem como principal característica a dificuldade de concentração, que pode vir ou não combinada com a hiperatividade. Aparece categoricamente antes dos sete anos de idade e persiste ao longo de toda vida do paciente, manifestando-se de diversas maneiras.