De acordo o professor Pinguelli, a diferença do ponto de vista do abastecimento energético hoje em relação a 2001 – quando um blecaute que atingiu todo o país – é que agora o Brasil tem as termelétricas.

Órgãos públicos sabem com antecedência localização e intensidade dos temporais, mas população não é avisada com tanta antecedência assim.

A incidência da doença no Estado é consequência das chuvas que alastraram o nordeste neste ano.

Além das famílias inconsoláveis com a perda, mais de 14 mil pessoas deixaram suas casas com medo de novos deslizamentos de terra e outras 11 mil estão desabrigadas.

Os estados de São Paulo e Rio de Janeiro foram surpreendidos com chuvas fortes e totalmente fora de época. Para se ter ideia das mudanças climáticas, na última semana a chuva que caiu nas capitais supera, e muito, a média histórica do mês.

O verão acabou, março também. Mas as águas continuam a cair com força total e castigam os principais estados brasileiros. No Rio de Janeiro a madrugada foi de caos, e até as primeiras horas da manhã de hoje, 6 autoridades contabilizavam 7 mortos, 5 desaparecidos e 20 feridos devido aos deslizamentos de terra que aconteceram durante a noite.

O Blog da Saúde falou sobre o dilema das chuvas e do acúmulo de lixo na cidade, que acaba por agravar ainda mais o número de enchentes e vítimas na cidade de São Paulo. O outono já começou e nem assim os temporais deram trégua. Continuamos com temperaturas altas durante todo o dia e chuvas fortes no começo da noite.

O outono terá início no próximo dia 20 de março, mas se o tempo continuar como está, as tempestades típicas de verão devem avançar na próxima estação.

O título parece uma brincadeira de mal gosto, mas em situações como as vividas pelos paulistanos nos últimos 41 dias sem interrupção o Blog da Saúde divulga um vídeo com dicas e recomendações de como você deve se comportar em situações de risco oferecidas pela chuva. Siga as instruções e preze por sua segurança.

As chuvas tomaram conta da capital e de todo o estado de São Paulo em todos os dias do primeiro mês de 2010. As consequências foram uma grande quantidade de desabamentos de terra, pessoas ilhadas no meio das principais avenidas, e mortes, que foram as consequências mais graves.

Desde que o ano começou os paulistas vivem em companhia da constante chuva forte que cai todos os dias no estado. O volume de água é tão grande que já ultrapassou 80% do volume esperado para o mês de janeiro. E a previsão para os próximos dias é de mais temporais para a capital e para o interior.