A proposta, debatida em audiência pública, teve sua decisão adiada, já que muitos dos médicos presentes argumentaram a proibição.