Alterar o equilíbrio microbiano do estômago com antibióticos pode tornar os pacientes mais suscetíveis a ganhar peso, segundo estudos.

As novas regras para compra de antibióticos têm gerado dúvidas em pacientes e até em profissionais de saúde. A principal delas é em relação ao tipo de receita.

A Secretaria de Saúde de Pernambuco confirmou o registro de mais oito casos de contaminação pela superbactéria KPC (Klebsiella pneumoniae carbapenemase).

Os hospitalistas são os profissionais responsáveis por cuidar em tempo integral dos pacientes internados. Mas quem são eles?

Você sabia que tomar antibiótico durante uma semana pode prejudicar as defesas do seu organismo por até dois anos? Talvez esteja na hora de pensar duas vezes antes de recorrer a esse tipo de medicamento!

Resolução da Anvisa determina: a partir de 28 de novembro, as receitas médicas com a recomendação para a compra de antibióticos serão retidas nas farmácias.

KPC atinge MG, GO, SC, ES, PB, PR, SP e DF. Hospitais e clínicas públicos e privados têm 60 dias para se adaptar a nova regra.

Entre as ações para conter a KPV, novas regras para compra de antibióticos, isolamento de pacientes com a superbactéria, notificação obrigatória de casos e ações para estimular a higienização das mãos.

O número de casos suspeitos de contaminação pela superbactéria Klebsiella Pneumoniae Carbapenemase (KPC) no Distrito Federal subiu de 108 para 135. A informação é da Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

Após a suspeita de 18 mortes no DF e mais de 70 casos em SP, superbactérias preocupam especialistas.

A superbactéria, originária da Índia e que demonstra ser resistente a quase todos os antibióticos conhecidos, representa uma ameaça mundial, advertem os especialistas.

Confirmada pela primeira vez no Japão a enzima NDM-1, que pode tornar as bactérias resistentes à maior parte dos antibióticos.

Cientistas britânicos advertem: a superbactéria chegou ao Reino Unido.

A Anvisa inicia hoje o processo para tornar a venda de antibióticos controlada no país. A nova regra, que determina o registro obrigatório dos dados da receita médica, passa a valer a partir de setembro.

Pesquisadores da Universidade de Columbia, a serviço da população, resolveram verificar se há informações erradas sobre o uso de remédios na rede social. A resposta é afirmativa e alarmante, principalmente sobre o uso de antibióticos.

No próximo dia 24/03 (quarta-feira), será discutido em audiência pública a inclusão de antibióticos orais e injetáveis na lista de medicamentos injetáveis.