Apesar de ainda haver resistência à prática, estudos vêm confirmando os benefícios da meditação no ambiente corporativo, fazendo com que o hábito entre na rotina e ganhe a mente das pessoas.

Especialista indica algumas sugestões para o dia a dia que poderão ajudar quem sofre com ansiedade.

 Pequenas práticas respiratórias aliviam os sintomas e proporcionam tranquilidade.

Este problema acomete grande parte da população graças a correria da época e as diversas tarefas que devem ser realizadas. Conheça algumas sugestões para evitar este mal.

Qualquer pessoa pode se inscrever para participar das atividades experimentais.

Cansaço extremo, falta de foco e prejuízo a memória são alguns dos problemas enfrentados em quem não consegue largar os smartphones.

Ficar muito tempo sentado pode provar problemas na saúde mental.

O transtorno provocado pelo excesso de consumo de informações causa danos à saúde.

Mudanças simples na rotina garantem a paz interior.

A nutricionista Sulanne Carvalho Oliveira revelou os alimentos que combatem os males da sociedade moderna e preparou três receitas que ajudam a amenizar os sintomas do estresse e da ansiedade.

Aflição, angústia, perturbação. Veja os sintomas e tratamentos!

Medicamentos usados para reduzir a ansiedade foram as substâncias mais consumidas pela população brasileira entre 2007 e 2010.

As cobranças escolares, exigências familiares, pressão social, vestibular etc, podem desencadear ansiedade, insegurança e, consequentemente, o estresse. Mas atitudes simples ajudam a controlar esses sintomas, veja como.

As quedas são raras, o comum é dar tudo certo. Mesmo assim, o medo de viajar de avião atinge grande parte da população e pode atrapalhar tanto o lazer em família como a vida profissional.

Quando você sente que tem alguma coisa errada com seu corpo, qual a primeira ideia que vem à sua cabeça: procurar um médico ou fazer uma busca na internet para tentar descobrir do que se trata? Hoje, muitos optam pela internet!

Apesar de ser quase impossível provar o contrário, muitas vezes o desmaio não é razão para pânico. Uma em cada três pessoas desmaia pelo menos uma vez na vida, com maior incidência antes dos 35 anos ou depois dos 65.