Ocultar

Veja quais imunizações fazer quando se vai viajar


Organização Mundial de Saúde (OMS) disponibiliza, online, um mapa interativo em que o internauta pode clicar no país desejado e descobrir se é exigência, ou recomendação, tomar determinadas vacinas.

O viajante pode descobrir, por exemplo, se deve tomar vacina contra febre amarela, raiva e malária. Assim como também é possível consultar para quais cidades que a imunização é aconselhada.

Para os turistas que pretendem viajar para o Brasil as indicações no mapa são as seguintes:

- Febre Amarela

Não é uma exigência para entrar no país. Mas é sugerido que todos os viajantes tomem a vacina se forem para os seguintes estados: Acre, Amapá, Amazonas, Distrito Federal (incluindo a capital de Brasília), Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, e alguns locais específicos dentro da Bahia, Paraná, Piauí, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

A vacinação também é indicada para os que irão visitar Cataratas do Iguaçu.

Não é aconselhada para os viajantes cujos itinerários serão limitados a áreas não listadas acima, incluindo as cidades de Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

- Malária

Nos estados que não pertencem à “Amazônia Legal”, o risco de transmissão da malária é insignificante ou inexistente.

Ele está presente na maioria das áreas de floresta abaixo de 900 m nos nove estados da “Amazônia Legal” (Acre, Amapá , Amazonas, Maranhão (parte oeste), Mato Grosso (norte), Pará (exceto Belém), Rondônia, Roraima e Tocantins (parte ocidental)).

A intensidade da transmissão varia de um município para outro, e é maior em áreas de mineração de selva, em assentamentos agrícolas com menos de 5 anos, e em algumas áreas periféricas urbanas de Cruzeiro do Sul, Manaus e Porto Velho.

A malária também ocorre na periferia das grandes cidades, como Boa Vista, Macapá, Marabá, Santarém e Rio Branco.

- Raiva

O risco é alto e a imunização é recomendada para quem terá contato particularmente com animais domésticos, especialmente cães.

Imagem: Site OMS


Comente

Deixe aqui sua opinião...