Ocultar

Saiba tudo sobre o balão intragástrico


O balão intragástrico está na lista de procedimentos médicos para emagrecimento, mas, diferente de outras técnicas, não é uma cirurgia e sim um método endoscópico.

Como funciona – o balão preenche parte do estômago auxiliando o paciente a se sentir mais satisfeito e, desta forma, ajuda a reduzir as porções de comida.

Importante ressaltar que ele não atua sozinho, especialmente se o paciente quiser manter o peso conquistado em longo prazo. É necessário que todo o processo de emagrecimento seja acompanhado por endocrinologista, nutricionista, preparador físico e psicólogo, antes, durante e depois da retirada do balão.

Uma novidade que surgiu nesse mercado foi o balão Orbera™, da empresa Allergan, o único aprovado pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para pacientes com índice de massa corpórea de IMC 27 (veja aqui como calcular).

Sobrepeso – no Brasil, quase metade da população (48,5%) está acima do peso e especificamente no em São Paulo, 45,7% da população está acima do peso e 13,8% sofrem de obesidade, segundo a pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), do Ministério da Saúde.

Qualquer pessoa pode colocar o balão? Quem pode?

O procedimento é indicado para pessoas que tem sobrepeso – IMC acima de 27 – e que não se adaptaram a outros tratamentos e também para pacientes com obesidade mórbida e que precisam perder peso antes da cirurgia de redução de estômago. *É contra indicado para quem não deseja participar de programas de reeducação comportamental, alimentar e executar exercícios físicos regularmente; portadores de doenças gástricas; indivíduos que se submeteram anteriormente a cirurgias abdominais e gástricas; que possuam anormalidades estruturais no esôfago ou faringe; que apresentem condições médicas que podem aumentar risco de endoscopia digestiva; pessoas com desordens psiquiátricas anteriores ou atuais; transtornos alimentares (bulimia e compulsão), vício ativo (álcool e drogas); grávidas ou lactentes; hérnia de hiato de grandes proporções ou uma hérnia maior que 5 cm, uma estritura ou divertículo e presença de mais do que um balão intragástrico.

Quais os cuidados que o paciente deve ter no pré-operatório?

*Antes de realizar a colocação do balão intragásrico, via endoscopia, é necessário estar de jejum.

Como é colocado o balão?

É inserido vazio no estômago do paciente através de endoscopia, em ambiente hospitalar ou clínico, sob sedação. O balão então é preenchido com soro e azul de metileno (estéreis na quantidade de 400 a 700ml), tendo todo o procedimento duração média de 20 minutos. Veja abaixo uma animação com a demonstração da colocação e retirada do balão.

O balão é preenchido com algum líquido? Se sim, qual tipo de líquido?

O balão então é preenchido com soro e azul de metileno (estéreis na quantidade de 400 a 700 ml).

Quais os riscos de colocar o balão?

Considerados os critérios de indicação e contraindicação, o método é reversível e não oferece riscos à saúde. Não há ocorrência de rompimento do balão, mas caso aconteça o liquido azul de metileno dentro do dispositivo irá aparecer na urina, devendo o paciente contatar o seu médico para a imediata retirada do balão. A coloração azul tem justamente a função de alerta.

Quais são os efeitos colaterais?

Os efeitos colaterais do balão intragástrico variam de pessoa para pessoa, sendo os mais comuns: náusea, vômito ou dores abdominais. Esses sintomas ocorrem nos primeiros dias após a colocação e devem ser revertidos com ajuda do médico do paciente.

Quais os “tipos” de rejeição ao balão?

A colocação do balão intragástrico Orbera™ é contraindicada em pessoas que fizeram a redução de estômago, uma vez que não há espaço para o balão, além das outras contraindicações citadas acima.

Quanto tempo dura a cirurgia?

O procedimento endoscópico dura, em média, 20 minutos. O paciente depois é liberado, podendo voltar as suas atividades normalmente.

O procedimento dói?

Não, pois é um procedimento normal de endoscopia, o mesmo método de diagnóstico de úlceras, gastrite ou esofagite.

Quais cuidados o paciente deve ter com alimentação “pós-balão”? Quais alimentos devem ser evitados?

O paciente deve ter acompanhamento nutricional (por profissional com experiência em pacientes com o balão), durante os seis meses de permanência no estômago, e se possível continuar após a retirada. Na primeira semana, é indicado uma dieta liquida, de acordo com o perfil de cada paciente, até que o paciente se acostume ao espaço menor no estômago e esta alimentação vai gradualmente ganhando consistência e volume ao longo dos meses. O balão Orbera não tem a função de suprir a fome, mas a diminui, devido ao espaço que ocupa e sua atuação sobre o hormônio da grelina – responsável sensação da saciedade. Se isso não ocorrer, é preciso comunicar ao médico e ao nutricionista o que está ocorrendo. Devem ser evitados alimentos que estimulem a acidez estomacal, alimentos com gorduras, frituras, temperos, enlatados, café, bebidas alcoólicas e gasosas.

É recomendado não fazer atividades físicas? Por quê?

O balão não oferece nenhuma restrição de atividade, a não ser pelo desconforto que causa ao se movimentar e que varia de pessoa para pessoa. As atividades físicas são liberadas gradualmente, a partir de caminhadas, logo na primeira semana após a inserção do balão e segue conforme a adaptação de cada paciente.

Qual a relação média de tempo/peso perdido com essa técnica?

A permanência do balão dentro do estômago é de até seis meses, período em que deve estimular a perda média de 15% do peso total inicial do individuo. É recomendado que o paciente continue sob orientação por pelo menos mais seis meses, para garantir a manutenção do peso.

O paciente nunca mais engordará o que perdeu?

O balão é apenas um impulsionador, e está inserido em um programa multidisciplinar, com o objetivo da redução do peso através de mudanças de hábitos, em que o comprometimento do paciente é fundamental.

O paciente pode colocar o balão quantas vezes quiser ou há limite recomendado?

É possível colocar um segundo balão, se necessário, um mês após a retirada do primeiro. Não é possível a permanência de dois balões no estômago, ao mesmo tempo, sendo colocado um por vez.

Quanto tempo o paciente fica com o balão no corpo?

A permanência do balão no estômago é de até seis meses, sendo retirado através do mesmo procedimento de endoscopia de sua colocação.

Quanto custa o procedimento (preço médio)?

Os custos do tratamento variam de acordo com a equipe médica escolhida pelo paciente. É preciso passar por uma pré-avaliação com um médico especializado, e esse lhe indicará o tratamento mais adequado, assim como os valores.

Fonte: Dr. Eduardo Grecco (São Paulo) – endoscopista. Graduação em Medicina na Faculdade de Medicina do ABC| Lato Sensu em Gastroenterologia Cirúrgica na Real e Benemérita Sociedade Portuguesa de Beneficência – Hospital São Joaquim| Especialização em Endoscopia Gastrointestinal e Broncoesofagoscopia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo| Título de Especialista em Endoscopia pela Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva. *Alteração feita após publicação. 

Comente

Deixe aqui sua opinião...