Ocultar

Novo medicamento para esclerose múltipla


A primeira terapia oral para o tratamento da esclerose múltipla foi aprovada, recentemente, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O lançamento, chamado Gilenya (fingolimode), da Novartis, oferecerá maior bem-estar aos pacientes, já que os tratamentos disponíveis até então consistem em incômodas injeções periódicas.

Estudos clínicos demonstraram eficácia 52% superior na redução dos surtos da doença em comparação aos medicamentos mais utilizados atualmente.

Apesar da aprovação, a farmacêutica ainda não tem previsão para o início das vendas no mercado brasileiro.

A esclerose múltipla

Calcula-se que cerca de 30 mil brasileiros tenham esclerose no Brasil.

Essa é uma doença autoimune que resulta de inflamações em alguns pontos do cérebro e da medula espinhal. Ela pode causar fadiga, dores musculares, problemas visuais, de fala, cognitivos e emocionais.

Nos casos mais graves pode acarretar perda auditiva, impotência sexual e insuficiência respiratória.

É fundamental para a eficácia do tratamento que o paciente obedeça às ordens médicas, adote hábitos saudáveis, mantendo uma alimentação balanceada e exercícios adequados à sua capacidade física.

Com essas ações, os desconfortos causados pelo problema diminuem e as limitações impostas, também.

É possível ter qualidade de vida

Infelizmente, não existe prevenção para a esclerose, pois as causas exatas da doença crônica ainda não foram encontradas.

Mas o paciente poderá, sim, ter qualidade de vida. E, com o diagnóstico e o tratamento precoces, ter a mesma expectativa de vida que uma pessoa sem o problema.

O tratamento é feito, geralmente, com corticosteroides, espécie de anti-inflamatório, por comprimidos ou via intravenosa, e com os medicamentos modificadores injetáveis, disponibilizados pela rede pública de saúde.

O Ministério da Saúde tem um programa de distribuição gratuita de medicamentos de alto custo, incluindo os usados na terapia da esclerose múltipla.

Benefícios e isenções

Diante dos casos mais graves, em que o paciente não consegue trabalhar para suprir os próprios custos, é possível requerer alguns benefícios:

Auxílio Doença ou Aposentadoria por invalidez

Para mais informações, clique aqui.

Dedução de despesas médicas (como compra de aparelhos para correção de desvios de coluna, próteses ortopédicas, cadeiras de rodas, andadores, palmilhas e calçados ortopédicos etc.) no Imposto de Renda.

Para saber mais, acesse.


Comentários

4 Respostas para “Novo medicamento para esclerose múltipla”
  1. Prática de exercícios ajuda a proteger o cérebro contra a doença de Alzheimer :
    http://deputadobrunocorreia.blogspot.com/2011/08/

  2. Ana Paula disse:

    Meu pai é portador de Esclerose Múltipla (EM). Diagnosticado em 2003, a EM é uma doença que atinge o sistema nervoso central, degenerativa autoimune, sem causas conhecidas e sem cura até o momento.

    Todos os tratamentos ministrados desde então, são em busca da manutenção do estado de saúde, contudo, a medicação existente no Brasil hoje não da conta do tratamento.

    Recentemente, um laboratório nos EUA o Biogen Idec, lançou uma medicação Fampyra (http://www.biogenidec.com/therapies_fampyra.aspx?ID=9793), que vem apresentado um excelente resultado nos casos de EM, nos três meses em que ministramos o tratamento, tivemos significativas melhoras no quadro de saúde.

    Contudo,este medicamento somente é liberado pela comercialização nos EUA e recentemente nos países da Europa. O custo da medicação e muito alta e recentemente o poder judiciário afastou a obrigação do estado em fornecer a medicação em função da inexistência do registro da Anvisa.

    Por isto, estamos mobilizando um abaixo assinado para que se regularize esta situação o mais rápido possível, para que não só o meu pai, mas para que muitas outras pessoas que estão dependendo desta medicação possam ter um tratamento digno e uma melhor qualidade de vida, já que não há cura para a EM.

    O documento está disponível no link abaixo:
    http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?…

    Desde já agradeço.

    Ana Nicolay

  3. idália correia disse:

    Gostaria de saber se em Portugal os Neuros também prescrevem este medicamento Fampyra.
    Portadora de E.M , Idália Correia de Torres Vedras (Lisboa).

Comente

Deixe aqui sua opinião...