Ocultar

Quanto custa sustentar um bebê?


Ter um filho gera muitas despesas, mas não há maior recompensa. Os pais sabem que irão dedicar uma parcela da renda ao bebê, apesar de não fazerem ideia do quanto destinarão a esses cuidados.

Os gastos são, geralmente, mais altos nos primeiros 12 meses, impulsionados pela compra das fraldas e alimentação. Caso a criança não mame no peito, a alimentação especial também pode custar caro.

Uma dica? O primeiro passo é fazer uma planilha dos custos que já existem, separando os obrigatórios e não obrigatórios. Desta forma, o casal vai perceber o que pode ser reduzido, cortado ou substituído por algo mais barato.

A economista Anemarie Dalchau Müller indica possíveis valores:

Um casal de classe média costuma gastar 15% do valor com a criança. Para se ter um exemplo, se a renda mensal média for de R$ 3 mil, ao bebê será destinado R$ 450 ao mês.
Já os casais com maior poder aquisitivo chegam a destinar 20% dos ganhos para as despesas relacionadas ao bebê.

Os gastos mensais com um filho são um compromisso. Os pais precisam definir o que esperam para o futuro do neném, se querem colocar em uma escola particular, se sonham que ele faça uma faculdade, por isso é importante começar a economizar.

Faça as contas, mas antes disso:

- Peça dicas para os amigos e parentes que já foram pais. Eles vão indicar o que realmente será necessário comprar e o que pode ser apenas um capricho
- Preste atenção na época em que o bebê vai nascer para comprar as roupinhas de acordo com a estação do ano, além daquelas que podem ser reaproveitadas de um irmão mais velho, sobrinho ou conhecido
- Quando for comprar os móveis, opte pelos mais neutros. Deixe cores para os enfeites, assim os móveis serão aproveitados por mais tempo
- Cuidado ao economizar na compra do carrinho ou do bebê-conforto, pois são itens de segurança. Se for comprar usado, dobre a atenção
- Estabeleça um valor fixo para os gastos. Assim, você evita os exageros. Para controlar os impulsos, tente sempre dar uma volta antes de comprar. Você terá tempo para avaliar se é realmente necessário
- Fique atento às promoções de fraldas e comece o estoque antes de o bebê nascer. Opte por comprar principalmente os tamanhos M e G, que normalmente são mais usados.
- Quando você estiver planejando o bebê ou assim que souber da gravidez, comece uma poupança. Ela pode ser usada tanto para as emergências como para o futuro do pequeno.

Brinquedos

Uma dica para quem está pensando nesses itens: a criança começa a brincar depois de um certo tempo e tende a se satisfazer com pouco, isto é, brinquedos simples e coloridos com barulhos atraentes. Itens mais caros nem sempre são os preferidos das crianças, e sim dos pais.

ANTES DO BEBÊ CHEGAR
- Berço: entre R$ 200 e R$ 800
- Kit para berço, inclui cabeceiras, laterais, edredom e jogo de lençol: entre R$ 100 e R$ 300
- Abajur: a partir de R$ 20
- Cômoda: entre R$ 300 e R$ 400
- Roupeiro: em média R$ 700
- Colchão para berço: entre R$ 69 e R$ 300
- Poltrona para amamentação: em média R$ 300
- Trocador com banheira: a partir de R$ 150
- Toalha de banho: entre R$ 14,90 e R$ 45
- Bebê-conforto: entre R$ 69 e R$ 300
- Carrinho: entre R$ 270 e R$ 2 mil
- Travesseiro: entre R$ 6,90 até R$ 55
- Mala maternidade: a partir de R$ 69,90
- Babá eletrônica: a partir de R$ 129,90

DEPOIS DO PRIMEIRO CHORO
- Fraldas: em média, o bebê usa cinco por dia. O pacote com 36 chega a custar R$ 20. Por mês, o gasto médio seria de R$ 140.
- Higiene: se os pais forem bons de pesquisa, podem encontrar preços bem baixos e gastar em média R$ 50 por toda a cesta, composta por creme para assaduras, cotonete, algodão, álcool 70% 50 ml, lenço umedecido com 60 unidades, sabonete líquido neutro 200 ml, xampu neutro 250 ml.
- Creche: no berçário, o período integral com todas as refeições custa em média R$ 600, enquanto meio período fica entre R$ 290 e R$ 370.
- Plano de saúde: até três anos, o plano de saúde custa entre R$ 120 e R$ 140 por mês. Os planos incluem as vacinas, que custam entre R$ 140 e R$ 350 cada.
- Alimentação: enquanto a criança mama no peito, o gasto é mínimo, mas caso seja necessário usar leite em pó, os custos podem variar muito. A lata comum custa em média R$ 18, mas caso o bebê tenha intolerância à lactose, por exemplo, o custo pode subir para R$ 85. Ao seis meses, começa a fase da papinha. As prontas custam em média R$ 3,50, sendo que o bebê come três ou quatro ao dia.

*Via Saúde Hagah

Comente

Deixe aqui sua opinião...