Ocultar

Insetos podem fazer parte do nosso cardápio no futuro


A FAO – Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação – faz diversas campanhas para diminuir o consumo de carne no mundo, já que atribui à indústria 20% das emissões globais de gases do efeito estufa.
A criação de vacas, porcos e ovelhas ocupa dois terços dos pastos mundiais, além da porcentagem atribuída às emissões de gases. Para mudar este cenário, uma das pretensões da ONU é reduzir a quantidade de carne na alimentação e optar por alternativas.
O truque estaria em mudar a dieta para o consumo de insetos rastejadores, como substitutos nutritivos.
Uma política de alimentação baseada nos insetos tem sido formalmente considerada pela FAO-ONU. O autor da política, professor Arnold van Huis, afirma que alimentar-se deles têm vantagens. A onganização calcula que cerca de um bilhão de pessoas sofram de desnutrição atualmente. No futuro, o cenário pode ser pior ainda. A população mundial irá crescer de seis bilhões para nove bilhões em 2050 e as pessoas estão consumindo cada vez mais carne. “Se continuarmos deste jeito, iremos precisar de outro planeta Terra” – afirma Arnold.
Os argumentos não param por aí. Eles alegam que boa parte do mundo já se alimenta de insetos, exceto o ocidente – mas comemos camarão, que segundo consultores da FAO, é comparável aos insetos. E agora?
As vantagens da dieta incluindo os bichinhos estão nos altos níveis de proteína, vitamina e mineral que possuem, além de produzirem bem menos gases prejudiciais do que a tradicional pecuária.
Gafanhotos, grilos e minhocas, emitem 10 vezes menos metano, 300 vezes menos óxido nitroso (gás que também provoca o aquecimento), e muito menos amônia, um poluente produzido por suínos e através da avicultura.
Mais de 1000 insetos são consumidos por livre escolha em todo o mundo em 80% das nações.

Confira alguns dados:

No mundo
Veja as regiões onde insetos são mais populares. E quantas espécies eles podem comer.

África
Espécies comestíveis – 524
Países que consomem – 62%
Ásia
Espécies comestíveis – 349
Países que consomem – 58%
Oceania
Espécies comestíveis – 152
Países que consomem – 56%
América
Espécies comestíveis – 679
Países que consomem – 41%
Europa
Espécies comestíveis – 41
Países que consomem – 21%

Quantidade de proteína
Moscas têm quase o dobro de proteínas que bois. Veja a quantidade de nutrientes de outros insetos.

Moscas e mosquitos – 59%
Libélulas – 58%
Percevejos – 55%
Cigarras e cigarrinhas – 51%
Besouros – 50%
Formigas E abelhas – 47%
Borboletas e mariposas – 45%
Baratas e grilos – 44%
Boi – 28%
Porco – 25%
Frango – 23%

Quantidade de ração

A mesma quantidade de alimento produz muito mais carne de inseto do que carne de boi.
10 kg de ração
1 kg de carne de boi
8 kg de carne de inseto

Desperdício de carne
Boa parte dos animais é perdida. Mas, em média, apenas 20% do corpo dos insetos não vai para o prato.
Inseto – 20%
Porco – 30%
Frango – 35%
B
oi – 45%

Comer ou não comer
Na dúvida, não coma: existem 1,5 milhão de espécies de insetos no mundo, mas apenas 1 662 são comestíveis. Veja a divisão.

Número de espécies comestíveis
1 traça
468 besouros
3 piolhos
29 libélulas
49 moscas e mosquitos
61 cupins
78 cigarras e cigarrinhas
102 percevejos
253 borboletas e mariposas
267 gafanhotos, baratas e grilos
351 formigas, abelhas e vespas

Fonte dos dados: Edible Forest Insects, Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.


Comente

Deixe aqui sua opinião...