Ocultar

Especial lixo: o lugar correto para despejar cada item!


Quem costuma separar os materiais para a reciclagem está habituado a seguir as quatro cores – amarelo (metal), azul (papel), verde (vidro) e vermelho (plástico) -, além de reservar o conteúdo orgânico. Mas o que fazer com lâmpadas e objetos fora de uso, por exemplo? Todos os resíduos precisam ser encaminhados corretamente para os locais de descarte: ensinamos quais eles são neste especial.

No post anterior esclarecemos o que, de fato, deve ser despejado no reciclável e o o que não, para conferir baste clicar, aqui! No post de hoje, vamos mostrar onde devemos descartar objetos e móveis fora de uso, entulho de obras, isopor, óleo de cozinha, pneus e lâmpadas fluorescentes. Confira:

MÓVEIS E OBJETOS FORA DE USO 
Cortinas, roupas, mobiliário antigo – já pensou em tentar repaginá-los? Caso a peça esteja em bom estado, outra possibilidade é oferecer a conhecidos ou a entidades sociais em seu bairro que aceitem doações, a exemplo do Exército da Salvação (RJ, SC e SP) e das Casas André Luiz (SP). Por fim, algumas companhias de seguro residencial, como a do banco Itaú, retiram gratuitamente móveis e eletrodomésticos na casa de seus clientes e encaminham para o descarte ecológico.

COMO DESCARTAR ENTULHO DE OBRA? 
Apesar de não apresentar grandes riscos de contaminação, esse tipo de resíduo pode atrair ratos e baratas, além de gerar acúmulo de água e, consequentemente, focos de dengue. A resolução 307 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), de 2002, estipula que os municípios são os responsáveis pelo gerenciamento dos restos da construção civil. Ou seja: na hora de eliminar entulho, informe-se na prefeitura de sua cidade.
Como e onde descartar: em São Paulo, os lixeiros recolhem até 50 kg de entulho por dia – embale o material em sacos bem resistentes. Ecopontos da prefeitura recebem até 1 m³ (confira os endereços no site do Instituto Akatu). Acima disso, é necessário contratar uma caçamba licenciada (verifique as empresas cadastradas). E não se esqueça de pedir uma via do registro do Controle de Transporte de Resíduo, que comprova que a entrega foi feita em locais apropriados. No Rio de Janeiro, a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) realiza gratuitamente a remoção de até 50 sacos de 20 litros em todos os bairros da cidade. Se superar essa quantidade, socilite uma caçamba. A Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon) lista endereços de ecopontos em diversos estados.

ISOPOR
O material é um tipo de plástico reciclável. No entanto, a coleta dele não é realizada em todas as cidades.
Como e onde descartar: busque se informar na prefeitura de seu município antes de colocá-lo junto com os demais componentes recicláveis. E uma ressalva: as bandejinhas de isopor com restos de alimentos devem ir parao lixo comum. Na realidade, a melhor dica é evitar comprar produtos que venham nessas embalagens.

ÓLEO DE COZINHA
Nunca jogue-o pelo ralo ou no vaso sanitário: 1 litro polui até 25 mil litros de água, além de provocar o entupimento de canos.
Como e onde descartar: armazene os resíduos em um vasilhame com tampa. A rede Pão de Açúcar disponibiliza estações de reciclagem em oito estados (CE, GO, PB, PE, PI, PR, RJ e SP) e no Distrito Federal. Já a campanha Junte Óleo, do Instituto Triângulo, troca 2 litros da gordura por duas pedras de sabão ecológico em mais de 12 cidades paulistas. Se não houver coleta em sua cidade, jogue as embalagens, bem fechadas, no lixocomum.

PNEUS 
Nada de largá-los em ruas, terrenos baldios e muito menos no quintal, pois juntam água e viram criadouros de mosquitos da dengue.
Como e onde descartar: devolva ao fabricante ou revendedor quando trocar os pneus. As empresas têm a obrigação, por lei, de dar um destinoadequado a esses resíduos. A Reciclanip, iniciativa da Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip), fornece em seu site os telefones de pontos de coleta no Brasil inteiro. 
O material é um tipo de plástico reciclável. No entanto, a coleta dele não é realizada em todas as cidades.

LÂMPADAS FLUORESCENTES

Não pertencem ao lixo comum porque contêm mercúrio, substância prejudicial à saúde que, quando liberada no meio ambiente, contamina osolo e os lençóis freáticos.

Como e onde descartar: contate o fabricante para se informar sobre oposto de coleta mais próximo de sua casa. Outra dica é procurar a rede Leroy Merlin, que reúne lâmpadas, pilhas, baterias, celulares e materiais recicláveis em suas 28 lojas, presentes em seis estados (GO, MG, PR, RJ, RS e SP) e no Distrito Federal. Não é preciso embalar, pois as estações possuem nichos próprios para acomodar as peças.

Com informações do Planeta Sustentável

Comente

Deixe aqui sua opinião...