A co-autora do estudo Tina Hoang, do Northern California Institute of Research and Education (NCIRE), em São Francisco, nos Estados Unidos, e seus colegas recentemente apresentaram suas descobertas na Conferência da Associação Internacional de Alzheimer, em Washington.

Em 2008, o Physical Activity Guidelines for Americans indicou que adultos com idade entre 18 e 64 anos devem realizar no mínimo 150 minutos de atividade aeróbica intensa ou 75 minutos da atividade aeróbica vigorosa por semana. De acordo com o Centers for Disease Control and Prevention (CDC), apenas 1 em cada 5 adultos seguem esta recomendação.

A falta de atividade física e o sedentarismo podem causar malefícios à saúde, como sobrepeso e obesidade, risco de sofrer de diabetes tipo 2 e provocar doenças cardiovasculares. Pesquisas sugerem que a função cerebral também pode ser afetada. Um estudo prévio mostrou que a atividade física pode proteger contra a demência e o decline cognitivo.

Os estudiosos incluíram mais de 3.200 adultos com idade entre 18 e 30 anos que fazem parte do estudo Coronary Artery Risk Development in Young Adults (CARDIA). Durante 25 anos, os pesquisadores gravaram o tempo que os participantes passavam assistindo televisão e realizando atividades físicas.

No estudo, assistir a muita televisão foi definido como mais de 4 horas por dia, enquanto baixa atividade física foi definida como menos de 300 calorias por sessões de 50 minutos, três vezes por semana. Passados 25 anos, participantes realizaram testes cognitivos.

O resultado encontrado foi:

17% Praticava pouca atividade física;

11% Assistia a muita televisão;

3% Não praticava muita atividade física e assistia a muita televisão.

Os pesquisadores encontraram, então, que assistir a muita televisão e praticar pouca atividade física estão independentemente associados com significativo empobrecimento das funções cognitivas (percepção, atenção, memória e linguagem) na meia idade. Os dois fatores juntos apresentam piora duas vezes maior nas funções cognitivas.

As informações são da Medical News Today

COMENTÁRIOS:

Comente

Deixe aqui sua opinião...