cerebro

Hoje (29 de Outubro) é comemorado o Dia Mundial de Combate ao AVC (Acidente Vascular Cerebral), de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15 milhões de novos casos de AVC acontecem anualmente em todo o mundo. No Brasil, são cerca de 300 a 400 mil novos casos por ano. Responsável por aproximadamente 9% dos óbitos registrados no país, a doença é segunda principal causa de morte entre os brasileiros. Mesmo para aqueles que sobrevivem, o AVC é muito preocupante, já que costuma deixar sequelas.

Esses danos são em sua maioria associados à coordenação motora, limitando a locomoção e as atividades diárias. Para esses casos, “A toxina botulínica promove o relaxamento dos músculos espásticos (com aumento do tônus muscular), melhora a amplitude articular do membro afetado, permite gradual e significativa recuperação motora, bem como contribui para a diminuição da dor, cuidados com a higiene e a qualidade de vida do paciente”, explica a fisioterapeuta Denise Ayres.

Programa multiprofissional

Para que o tratamento tenha eficácia é necessário, junto às aplicações (monitoradas por especialistas), de intenso e regular tratamento multidisciplinar de médicos neurologistas e fisiatras, fisioterapia, fonoaudiologia, enfermagem e terapia ocupacional. Denise enfatiza que as sessões de fisioterapia devem ser iniciadas o mais rápido possível. “Quanto antes o paciente iniciar este trabalho, melhor será a resposta do organismo, potencializando o ganho obtido com o relaxamento da musculatura. O ideal é que sejam realizados exercícios diariamente, em sessões de 50 a 60 minutos”. Ela ainda ressalta que o alongamento e o fortalecimento da musculatura melhoram o efeito da aplicação da toxina, contribuindo para a melhora funcional e a mobilidade em geral. “O desafio da reabilitação neurológica será automatizar todas essas aquisições e, para tal, realizamos exercícios de recrutamento muscular, resistência elástica, estimulação elétrica funcional, treino de equilíbrio e marcha, entre outros”.

A aplicação da Toxina Botulínica é realizada através de injeção da substância nos músculos lesados pela doença. O procedimento é pouco invasivo e possui efeito exclusivamente local. Dependendo do grau de lesão muscular e da resposta individual, o paciente deve repetir as aplicações em intervalos de cerca de seis meses.

COMENTÁRIOS:

Comente

Deixe aqui sua opinião...