almoçofamiliaSabemos que o comportamento dos pais e familiares é determinante para a formação da criança e para a maneira que ela irá se comportar socialmente. Adotar algumas práticas simples pode influenciar muito mais os pequenos do que podemos imaginar, um simples bate papo na hora das refeições, por exemplo, tem ligação direta com a habilidade de comunicação, você sabia?

É isso mesmo! Essa foi a conclusão de uma nova pesquisa do instituto britânico National Literacy Trust. A pesquisa, que foi feita com aproximadamente 35 mil crianças com idades entre 8 e 16 anos, mostra que conversar na hora das refeições pode estimular as habilidades de comunicação de uma criança, além de melhorar a sua autoconfiança.

As descobertas mostraram que 75% das crianças que conversavam durante as refeições tinham mais confiança de entrar em discussões na sala de aula, comparado com 57% entre aqueles que sentam juntos mas conversam raramente, ou 64% entre as que nem faziam as refeições juntos. As crianças que não gostam de conversar também são quatro vezes mais propensas a não se sentir confiantes em opinar ou trabalhar em equipe.

Ainda assim, uma em quatro crianças do país não possui esse hábito, frisou o relatório. “Mesmo se todos forem atrapalhados com o horário, faça questão de ao menos 10-15 minutos para todos sentarem juntos e conversar”, disse Natalie Cassidy para a campanha do National Literacy Trust Words for Life, que visa auxiliar pais a encorajarem as habilidades de fala e escuta de seus filhos .”Com passos simples, como conversar durante as refeições”.

Um pesquisa anterior, de 2011, já havia revelado que esse hábito pode ajudar adolescentes mais do que se imagina, podendo até reduzir o risco de que eles usem drogas, cigarros e álcool. Um outro estudo revelou que crianças tinham níveis maiores de felicidade se sua família fazia refeições junta ao menos 3 vezes por semana.

blog_piscandoRoxoEntão, vale adotar esse simples hábito e dedicar um tempinho maior durante as refeições para conversar com os filhos. Isso pode fazer muita diferença!

*Com informações do National Literacy Trust

COMENTÁRIOS:

Comente

Deixe aqui sua opinião...