Durante um processo de emagrecimento – seja por dieta, balão intragástrico ou redução de estômago, por exemplo – é muito importante estar preparado para as alterações não só no físico, mas no comportamento e nos sentimentos. Viver a mudança de hábitos alimentares é um processo difícil até chegar ao resultado final almejado. Tem que estar com o emocional preparado para lidar com as “recaídas”.

Para ajudar você que pensa em iniciar algum processo de emagrecimento, vamos compartilhar as reflexões que recebemos da Dra. Sandra Aurea Hamzeh, especializada no atendimento a pacientes com depressão, transtornos de ansiedade, quadros compulsivos e transtornos alimentares.

Nestas 8 etapas, Sandra convida você a fazer uma autorreflexão sobre o seu estado, a avaliar as etapas e possíveis vulnerabilidades antes de fazer uma escolha. Confira:

obesidade1º. Querer: Sem o desejo da mudança nada poderá ser conquistado, portanto permita-se refletir: O desejo é seu ou do outro? O quanto essa necessidade de mudança partiu realmente de um desejo seu ou por pressão e exigências alheias? Definir isso fará toda diferença no grau de comprometimento e persistência que terá durante o processo.

2º. Acreditar: A partir do momento em que decidiu ter uma vida mais saudável, regrada e iniciou essa jornada, é preciso reavaliar no seu íntimo, quais as crenças e fantasias que cercam seu desejo. As perguntas que te ajudarão a decifrar isso são: eu desejo, mas será que acredito nessa conquista? Acredito que posso mudar meus hábitos através da satisfação e prazer ou acredito que preciso sofrer para isso? Acredito que vou melhorar ou penso que vou ser punido quando tiver que me privar de algo? As crenças tem um poder enorme sobre nossa mente, e decifrá-las pode lhe ajudar a controlar seus impulsos e evitar possíveis boicotes.

3º. Preparar: A preparação tem grande importância, pois significa todo o recurso que escolherá e deixará a sua disposição para enfrentar a jornada de mudanças com solidez e apoio. Ela representa as escolhas referentes aos métodos de emagrecimento, a equipe profissional que te acompanhará e, principalmente, a compreensão de que não existem milagres. Aceitar ajuda, encontrar recursos viáveis para seu estilo de vida e preparar seu estado psicológico para manter pensamentos positivos lhe tornará motivado durante todo processo.

4º. Planejar: Essa é uma das etapas mais divergentes, pois aqui os pacientes são testados em seu senso de prontidão, senso prático e força de vontade para a mudança de rotina. Os conflitos ficam mais evidentes entre a força do seu desejo X crença na mudança. Devemos alertar também aos pacientes que são portadores de depressão, transtornos ansiosos e/ou compulsivos que essa fase exigirá muito do emocional, e para tanto a saúde psíquica precisa estar adequada para dar sequência ao tratamento. Considere que planejar significa antecipar situações de gatilho na fome, organizar horários para as refeições, zelar para que não falte os alimentos adequados em sua dispensa e/ou geladeira, policiar-se e criar estratégias para reforçar diariamente sua dieta. Está é uma fase muito típica para recaídas, já que é o momento de colocar em prática tudo a que se propõe.

“É importante destacar que os obstáculos existem para serem transpostos e são oportunidades para um crescimento longínquo e sustentável. Cada dia é um recomeço e valorizar a sua escolha de vida fará o processo de emagrecimento ser sinônimo de satisfação e prazer para o resto da vida” – Dra. Sandra Aurea Hamzeh

5º. Investir: É preciso estudar, planejar e definir o quanto se pretende investir, seja em termos financeiros, de tempo ou em recursos complementares. Fazendo isso, possibilitará adequar suas metas à realidade. Aqui é definido se o seu projeto é somente um ideal para si ou realmente ele será sua realidade daqui para frente. Pergunte a si mesmo o quanto o seu sonho é importante para si e o quanto você será capaz de investir nisso? Uma vez respeitado esse preceito é só seguir para próxima etapa

6º. Valorizar: O amor próprio é fundamental para valorizar-se. Os pacientes tendem a acreditar que só podem ter essa autoestima quando conseguir atingir sua meta. Esse é um ledo engano que se torna um risco para concretização de sua mudança, já que persistirá em um padrão de comportamentos e pensamentos carregados de cobrança e negatividade na dieta. Valorizar-se em cada atitude e em cada conquista será tornará sua jornada mais prazerosa.

7º. Aceitar Riscos: Obstáculos, dificuldades, problemas e estresse fazem parte da vida de qualquer pessoa. Desconsiderar esses fatores, assim como o impacto que eles têm em nosso emocional não ajudará a enfrentá-los. Pense que temos problemas que não podemos escolher, mas a forma de enfrenta-los é uma decisão totalmente pessoal. Escolher o que é saudável para comer é importante, mas ser saudável também significa ter positividade, flexibilidade e respeito próprio.

8º. Negociar: Passamos parte de nossa vida negociando com outros sobre prazos, valores, condições, etc., mas o quanto concentramos destes esforços para com as nossas recaídas? A negociação após uma recaída significa você aceitar que pode ter seus deslizes e que não precisa ficar se punindo, mas sim aprender a administrar o que não está lhe fazendo bem. Para que isso ocorra é necessário olhar para si com profundidade e renovar os votos com seus desejos e, então, se erguer e iniciar todo o processo novamente com dignidade. Lembre-se, ninguém atinge o cume sem deslizes, retome seus objetivos na próxima refeição sem culpa e siga em frente.

COMENTÁRIOS:

Comentários

Uma Resposta para “Reflexões para enfrentar um processo de emagrecimento (e não ter recaídas)”
  1. Hildegard de disse:

    eu quero emagrescer presciso emagrescer 27 kilos tocom 97 hoje minha altura 157;; vou comesar sou visitante hoje;; obrigada pelas dicas ;;

Comente

Deixe aqui sua opinião...