O câncer anal ocorre no canal e nas bordas externas do ânus. É diferente do tumor colorretal, que atinge as regiões do cólon e reto, segmentos anteriores do intestino grosso.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o tumor do canal anal é mais frequente em mulheres, enquanto o que surge nas bordas ocorre mais em homens. A doença é considerada rara, e representa de 2% a 4% de todos os tipos de câncer que atingem o intestino grosso. A faixa etária mais predisposta é após os 50 anos, mas adultos jovens têm manifestado bastante o problema nos últimos anos.

  • Casos no Brasil

Em 2010, o Inca registrou 274 mortes por câncer de ânus no Brasil – 176 mulheres e 98 homens. Infecções por HPV, HIV e outras DSTs – como gonorreia, herpes genital, clamídia e condilomatose – estão ligadas ao tumor anal. Fazer sexo sem camisinha, ter feridas no ânus, altos níveis de estresse, fazer uso crônico de corticoides (que baixam a imunidade) e fumar também contribuem para a doença.

  • Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é feito com um toque retal e um esfregaço que usa uma escovinha semelhante à do papanicolau no colo do útero.

O tratamento é por rádio e quimioterapia, e eventualmente cirurgia. As chances de cura são grandes quando a doença é detectada em estágio inicial.

  • Futuro da vacina HPV

A vacina de HPV pode, no futuro, também ser indicada contra câncer de boca e garganta, outros tipos ligados a esse vírus. Vale ressaltar que a vacina protege apenas contra as quatro cepas principais, o que não evita que haja infecção ou alguma doença pelas outras mais de cem variações de HPV.

“A grande maioria da população sexualmente ativa já teve contato com esse vírus. Com o decorrer dos anos, o próprio sistema imune do organismo protege contra o HPV. Mas quem tem deficiências imunológicas fica mais vulnerável”, afirmou Fabio Atui, cirurgião do aparelho digestivo do ambulatório de proctologia e DST/Aids do Hospital das Clínicas (HC) da USP, em entrevista ao G1.

Leia também o post: Anvisa indica vacina de HPV para prevenir também o câncer anal

  • Prevenção sempre!

Como formas de prevenção, é indicado fazer sexo anal sempre com preservativo, pois há bactérias no intestino e microfissuras no ânus que podem facilitar uma infecção. O Inca também recomenda manter uma dieta balanceada, com pelo menos cinco porções diárias (400 g) de frutas, legumes e verduras, além de pouca gordura. Além disso, exercícios físicos regulares reduzem o risco de câncer em geral.

*Com informações do portal G1, Anvisa e Inca

COMENTÁRIOS:

Comente

Deixe aqui sua opinião...