Um dia você acorda com aquela enxaqueca, vai à gaveta e pega aquele remédio que já foi usado diversas vezes em algumas situações. Passados alguns dias, você volta a tomar um calmante para aliviar as tensões do dia a dia e dormir tranquilo. O problema é que esse ritmo virou costumeiro.

São analgésicos para a dor, ansiolíticos para relaxar, antiinflamatórios e até mesmo comprimidos de anfetamina usados para conter o apetite que tantas vezes você não consegue controlar naturalmente. Você não percebe, mas muitos desses remédios “relaxantes” podem causar prejuízo e até dependência.

As substâncias anfetamínicas, usadas frequentemente por pessoas que querem perder peso, podem levar ao mesmo grau de dependência de uma pessoa viciada em cocaína.

De fato, não é difícil constatar que o uso indevido de medicamentos vem crescendo a uma velocidade impressionante. Nos Estados Unidos, cerca de 1 milhão de pessoas já foram intoxicadas por excesso de medicamentos. Já no Brasil, pelo menos 100 mil já passaram pelo mesmo problema.

“Os maiores causadores de dependência são as anfetaminas e calmantes”, alerta o psiquiatra Deyvis Rocha.

Quando os remédios acabam, os dependentes costumam sentir taquicardia e tremores. É normal sentir algum tipo de dor em determinado momento, mas é preciso ficar atento, pois há pessoas que costumam se sentir doentes com frequência (pessoas conhecidas como hipocondríacas). Portanto, se a solução para todo é uma pílula e você tem o costume de ir à farmácia para saber quais são os novos tipos de calmantes que chegaram, você pode estar desenvolvendo farmocodependência.

“O tratamento da farmocodependência é feito individualmente, pois cada caso é um caso, e uma das principais etapas é a desintoxicação”, informou Rocha.

Além desse procedimento, outros tratamentos podem ser utilizados para ajudar o dependente.

 – Psicoterapia: Ajuda o paciente a entender o que o levou à dependência e quais os seus sintomas, além dar orientação sobre como se desfazer do vício.

- Atendimento familiar: É um complemento psicológico. A família ajuda os dependentes na recuperação.

- Terapia comportamental: Possui técnicas terapêuticas de correção de comportamento.

- Terapia psicosocial: Desenvolve o reconhecimento da dependência no paciente, pois a maioria deles ignora estar doente psicologicamente.

Os indivíduos que já possuem algum vício costumam desenvolver outros tipos de dependência, como o alcoolismo, por isso é importante buscar ajuda.

COMENTÁRIOS:

Comentários

10 Respostas para “Viciados em remédio: como tratar?”
  1. aparecida disse:

    sou viciada em medicamentos como:calmantes,antidepressivos,remédios para emagrecer e dorflex.Sou extremamente ansiosa e nervosa.Caso não eu não tome tenho medo de surtar pois o meu ambiente familiar é conturbado.Preciso de ajuda quero me libertar.Faço terapia mais mesmo assim não consigo.O que fazer?Hipnose?Ajude-me.Aparecida

    • Carlos Alberto disse:

      Aparecida, vc deve buscar a Deus. Ele te direcionaraá ao melhoR tratamento, confie nele. Ore pra que Deus mude sua vida e de sua família, bjos

  2. Andrea Camargo disse:

    Eu sou viciada em remedios. Não são anfetaminas, pq tenho arritmia e isso me traria problemas… mas tomo muitos remedios por dia. 99% sao receitados pelo medico… mas como sao mais de 10, estou bem preocupada.
    Não sei se posso colocar os nomes aqui, mas se nao puder, por favor deletem.
    artrosil,gamafamma,toperma,lyrica,stilnoxx,fluoxetina,sotacor,flux SD,venolise,euthyrox,omeprazol,centrum…e de vez em quando dorflex.
    Já operei a coluna 2x, tenho stress cronico por causa do trabalho, descobri agora q tenho fibromialgia, alem de ja ter feito diversas cirurgias como: varizes, tirei a vesícula, redução do estomago… etc.
    Sei que os remedios são receitados, mas como tenho 43 anos, estou me sentindo uma velha de 90…
    Voce acha que eu realmente sou viciada? Tive um episódio onde usava Lorax pra dormir e fiquei sem. Os sintomas de abstinência foram fortes… sudorese aumentada e muitos espasmos involuntários. Assim q percebi q isso vinha dele, eliminei totalmente da minha vida. Mas de qq forma, tenho muito medo de ser viciada (eu acho q sou).
    Além disso, como procuro saber muito sobre o assunto, acabo falando para as pessoas o que é bom pra dor deles tb.
    Voce acha que um tratamento psicológico (eu ja tenho psiquiatra) seria o mais indicado?
    Obrigada!!!

    • andrea disse:

      Amiga, te respondo por conhecimento de causa. Meu pai é viciado em dorflex e rivotril. Nunca precisou tomar e bastou uma pequena contrariedade para iniciar o vicio. Convivio com ele tornou-se insuportavel. Não vejo a hora de sair de casa, pois estou assistindo ele se matar aos poucos. Para voce ter uma ideia, ele tem 1,75 de altura. antes do vicio pesava 85 quilos. Hoje ele pesa 62, depois de 6 anos tomando rivotril 3 às vezes 4 vezes ao dia e pelo menos uma cartela de 10 comprimidos de dorflex por dia. tanto como qualquer outra droga, o vicio em medicamentos destoi o convivio familiar. Não há tratamento que resolva o problema do vicio se a pessoa que sofre dele não quiser deixar a condição de dependencia. nas consultas psiquiatricas e psicologicas, meu pai afirma veementemente que é "um homem doente". Ele assumiu a condição de vitima, e não a quer abandonar. Então, se voce tem amor à sua família e se quer realmente parar, encare a situação. Deixar os remedios é iniciativa sua e não de terceiros. Voce vai se sentir desconfortável por causa da abstinencia, mas somente voce pode parar. Ninguem mais fara isso por voce, e nenhuma ajuda ou tratamento terão eficácia se voce simplesmente não parar. Que a paz de Cristo esteja em seu coraçao.

      • ana maria cunha disse:

        nem uma pessoa que não tenha conhecimento,da causa pode mandar suspender,pois pode causar surtos, como conheço pessoas que largaram e sofreram reações graves,como ficar sem dormir e agitação inconciente,até convusões pode sofrer é um caso muito delicado só com ajuda de profissionais e muito cyuidado para conseguir largar

    • sandra disse:

      Olha Andréia vc não escutou seu psiquiatra.O fluoxetina,alem de emagrecer provoca dependência sim.Os remédios que provocam dependência devem ser parados aos poucos,Uma sema toma metade,na outra 1/4,,metade que quando vc para não terá nenhum problema de abstinência.Vá por mim,Fiz assim e parei de vez.Essas porcarias só serve para destruir a vida.Boa sorte.

  3. andre disse:

    o meu irmao esta viciado em rivotril e no paco 500/30mg, gostaria de saber qual o melhor tratamento pra ele largar esses remedios e de que forma faze-lo, obrigado pela atençao

  4. ldms disse:

    pessoal: Existe algum grupo de trate desses casos? Tipo AA ou NA?Pq seo psiquiatra prescreve tb precisamos considerrar a doença. Precise tomar remedios para depressão e ansiedade uns 20 anos de minha vida, mas sei. Sem eles, eu teria morrido. Agora preciso largar e descobri um grupo de apoio para isso? Alguem conhece?

  5. ana maria cunha disse:

    é como falei cada caso é um caso tem gente que larga e vai em frente,mas a maioria tem sim efeitos muito desconfortável e até perigoso porque se não tem pessoas da familia que cuidem e levem ao médico para uma observação rigorosa pis vcs. não sabem o que sente uma pessoa em abstinência muito pãnico uma sensação que o coração vai parar é horrivel por isso tem que ser devarinho
    tem que ter acompanhamento psicológico,e um psiquiatra.

Comente

Deixe aqui sua opinião...