A informação vem de um estudo italiano sobre restrição calórica. Os cientistas sabem há muito tempo deste fenômeno, mas têm se esforçado para desvendar por que apenas o corte de calorias faz bem para a saúde e prolonga a vida.

O pesquisador Giovambattista Pani decidiu se concentrar em uma proteína chamada CREB1, conhecida por ser importante para a memória e aprendizagem. Em experiências com ratos, ele mostrou que o corte de calorias aumenta a quantidade de proteína produzida no cérebro.

Os ratos testados passaram a ingerir 25 a 30% menos calorias. Para humanos, isto equivaleria à redução de cerca de 600 calorias por dia. Uma xícara de chá ou café também pode ser benéfica, com o estudo dando crédito à cafeína para elevar a quantidade de CREB1 produzida.

Esses resultados podem ajudar a explicar por que na ilha de Okinawa, no Japão, tem mais gente com 100 anos por 100.000 habitantes do que em qualquer outro lugar do mundo. Os habitantes dessa ilha, consomem menos calorias do que a média mundial, devido à prática cultural de hara hachi bu – comer até que você esteja 80% satisfeito. Assim, reduzem o número de radicais livres produzidos, levando-os a ter um coração saudável.

O Dr. Pani alerta que reduzir de 25 a 30% das calorias não é um trabalho árduo, é como não comer um bolo no final da refeição.

Manter o cérebro jovem poderia ser de enorme valor no envelhecimento da população. Alzheimer e outras formas de demência afetam mais de 800.000 britânicos e o número deverá dobrar em uma geração.

O pesquisador afirma que a descoberta identifica, pela primeira vez, um importante mediador dos efeitos da dieta sobre o cérebro. Futuramente, poderão desenvolver terapias para manter o nosso cérebro jovem e para prevenir a degeneração e o processo de envelhecimento.

Viva como alguém da Ilha de Okinawa, onde há a maior proporção de centenários do mundo

Embora a genética possa desempenhar um papel importante, aqueles que deixaram a ilha e mudaram seus hábitos de vida morreram mais jovens. Aqui estão algumas práticas da Ilha:

• Comem até que estejam 80% satisfeitos. Isto é pensado para haver menor produção de radicais livres causadores de doenças
• Têm melhor densidade óssea devido à alta ingestão de cálcio na dieta e exposição à luz solar para produção de vitamina D
• Consomem grandes quantidades de frutas e legumes
• Mantêm-se fisicamente ativos

Os testes psicológicos descobriram que tinham fortes habilidades de enfrentamento, uma perspectiva positiva e um profundo sentimento de espiritualidade. O trabalho do Dr. Pani, da Universidade Católica do Sagrado Coração, em Roma, foi detalhado na revista Proceedings of National Academy of Sciences.

COMENTÁRIOS:

Comentários

4 Respostas para “Comer menos pode impulsionar o cérebro e ajudar na memória”
  1. naldo1109 disse:

    Bacana ….boa informação, aliás , parabens pelo blog…

Comente

Deixe aqui sua opinião...