Estimuladas pela maior expectativa de vida, que atualmente é de mais 30 anos para o sexo feminino acima de 50 anos, as mulheres procuram com mais frequência cuidados que as ajudem a manter sua qualidade de vida.

Entretanto, o Estudo Brasileiro de Osteoporose (BRAZOS – Brazilian Osteoporosis Study) que mapeou a osteoporose no Brasil, aponta que nove entre dez mulheres consomem uma quantidade diária de cálcio inferior à recomendada.

As mudanças hormonais da menopausa, que ocorre entre os 40 e 50 anos, causam o fim da ovulação e a diminuição do estrógeno, hormônio que participa do processo de formação da massa óssea.

Segundo o Dr. Bruno Muzzi, presidente da Sociedade Brasileira de Densitometria Clínica, é importante fazer um controle regular da perda óssea da mulher. “Após a menopausa, a perda óssea é acelerada, podendo chegar a 5% ao ano. Esse ritmo cai após os 70 anos, quando, apesar de haver perda, ela é mais lenta”, explica.

A deficiência na ingestão de cálcio, somada às alterações hormonais, tornam essas mulheres mais vulneráveis a uma doença silenciosa que já atinge 10 milhões no país: a osteoporose.

Quanto antes ela for detectada e acompanhada, mais eficiente será o tratamento, evitando a necessidade de intervenção com medicamento e, principalmente, danos muitas vezes irreversíveis para o esqueleto.

O risco de osteoporose depende tanto da massa óssea máxima alcançada nos anos de idade adulta jovem, quanto do índice de perda da massa nas épocas posteriores. Por isso, as mulheres, principalmente na menopausa, necessitam ingerir cálcio na quantidade recomendada para manterem os ossos fortes e evitar as fraturas.

A importância da ingestão diária de cálcio

Para as mulheres acima dos 50 anos, a recomendação para a ingestão de cálcio é de 1.000 mg por dia, o que é considerado a quantidade ideal para a manutenção da saúde dos ossos, entre outras funções desempenhadas pelo nutriente no organismo.

O consumo diário de leite e derivados reduz o risco de osteoporose, pois os lácteos são as principais fontes de cálcio encontradas na alimentação, tanto em quantidade quanto em percentual de absorção pelo corpo.

O Ministério da Saúde indica, por dia, um consumo mínimo de 400 ml de leite para crianças de até 10 anos, 700 ml por dia para adolescentes de 11 a 19 anos e 600 ml por dia para adultos acima de 20 anos, incluindo os idosos.

O cálcio no organismo

O cálcio é um dos minerais mais abundantes do corpo humano, tendo diversas funções:
•    auxiliar a vitamina K na coagulação sanguínea;
•    atuar na transmissão dos impulsos nervosos;
•    auxiliar a contração muscular, inclusive do coração.

Deve-se destacar que uma das principais funções do cálcio no organismo humano é no desenvolvimento e manutenção de ossos fortes e saudáveis.

Dia 20 de outubro, é o Dia Mundial de Combate à Osteoporose. Quer saber mais e se prevenir contra a doença? Então Seja Firme e Forte!

Confira abaixo os alimentos ricos em cálcio e procure incluí-los em sua dieta:

TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS/ 2006
ALIMENTO PORÇÃO PESO (g) CÁLCIO (mg)
Leito enriquecido com Cálcio 1 copo 240 384
Queijo Fresco 2 pedaços 56 324
Leite Desnatado 1 copo 240 322
Leite Integral 1 copo 240 295
Sardinha Assada 2 unidades 50 219
Espinafre Cozido 1 xícara 190 213
Queijo Mussarela 1 pedaço 30 140
Iogurte com Frutas 1 potinho 130 130
Feijão Rosinha Cozido 1 1/2 Concha 160 109
Requeijão Cremoso 1 colher de sopa 30 78
Laranja Lima 1 unidade 180 56
Tofu 2 fatias 56 45
Pão de Queijo 2 unidades médias 40 41
Bebida à base de Soja 1 copo 240 40

1ª Passeata Virtual contra a Osteoporose

COMENTÁRIOS:

Comentários

Uma Resposta para “9 em cada 10 brasileiras não consomem a quantidade de cálcio recomendada para manter a saúde dos ossos”

Comente

Deixe aqui sua opinião...