Todo ano, no dia 22 de setembro, as pessoas de todo o mundo se reúnem nas ruas, cruzamentos e quarteirões para lembrar ao mundo que nós não podemos continuar tão dependentes do carro.

O “Dia Mundial Sem Carro” surgiu na França, em 1997. E tem como objetivo conscientizar e alertar os cidadãos para os prejuízos do uso excessivo do carro em relação aos outros meios que promovem a sustentabilidade, como a bicicleta e o transporte coletivo.

A data visa chamar a atenção também de urbanistas e políticos para que prioridades sejam dadas à bicicleta, criando mais ciclovias, por exemplo, e aos pedestres que utilizam os transportes públicos, em vez dar preferência sempre aos automóveis.

Mas não adianta nada ter apenas um dia de celebração e, em seguida, um retorno à mesma rotina insustentável. Portanto, cabe aos nossos governos, mas também a nós mesmos ajudar a criar uma mudança permanente para beneficiar os pedestres, ciclistas, as pessoas que usam o transporte público e, acima de tudo, as nossas cidades e o meio ambiente.

O Dia Mundial Sem Carro é uma vitrine de como as nossas cidades poderiam ser no restante do ano, se mais pessoas adotassem essa prática, ou melhor, abandonassem seus carros – nem que fosse por um dia na semana, ou para pegar carona, já que a grande maioria dos carros leva apenas uma pessoa(!).

Afinal, usar algumas vezes na semana o transporte público ou a bicicleta para se locomover já é um passo na direção de uma cidade menos congestionada, poluída, irritada e, por que não, sedentária.

Pois, além de ser um meio de transporte sustentável, que diminui o impacto tanto da poluição atmosférica quanto sonora, a bicicleta é uma alternativa para diminuir a irritabilidade e aproveitar o seu caminho diário para praticar uma atividade física.

Dicas para pedalar com seguranças pelas grandes cidades do MoutainBikeBh:

Escolha bem a bicicleta, é necessário ter um meio de locomoção regulado, confortável e bem cuidado. Não se esqueça de fazer a manutenção periodicamente;

Comece devagar antes de sair pedalando pelas ruas das metrópoles, com trajetos curtos, e planeje as rotas para evitar desgastes extremos. Um ciclocomputador com GPS para bicicletas pode ajudar muito nessa hora;

Mantenha-se sempre visível e seja previsível. Use acessórios que te destaquem em meio aos carros, como reflexivos e luzes. E à noite, use roupas claras, além dos refletores e farol;

Respeito no tráfego. Isso se aplica aos ciclistas e aos motoristas dos outros veículos. A falta de respeito no trânsito pode colocar muitas vidas em risco, sendo um preço muito caro a se pagar apenas por causa da falta de gentileza.

Imagem: MoutainBikeBH

É preciso lembrar que as bicicletas devem evitar trafegar nas calçadas, para não colocar em risco os pedestres. Dessa forma, o ideal é andar nas ruas, com os carros, quando não houver faixa exclusiva, mas, preferencialmente à direita, sempre pelos bordos da pista e nunca pela contra-mão.

Tendo a opção de ciclovias ou ciclofaixas, opte por elas.

Sinalize sempre a sua intenção com o braço.

Evite vias de trânsito rápido e intenso ou muito congestionadas.

Use sempre luvas e capacete e obedeça aos sinais de trânsito.

Então, inspire-se assistindo o vídeo abaixo e amanhã, vá de ônibus, metrô, a pé ou de bike!

COMENTÁRIOS:

Comente

Deixe aqui sua opinião...