Milhões de brasileiros se utilizam de terapias complementares no tratamento de doenças. E as mais procuradas, na maioria das vezes, são acupuntura, reiki, yoga e meditação.

Estudos mostram que cerca de 70% dos pacientes com câncer optam por algum tipo de terapia adicional juntamente com o tratamento oncológico convencional.

Integrando a medicina ocidental às técnicas orientais

Cada vez mais, essas terapias estão deixando de ser “alternativas” para se tornarem “complementares” aos tratamentos médicos.

No Brasil, a acupuntura, por exemplo, já é reconhecida como especialidade médica e fisioterapêutica com credenciamento e atividades normatizadas pela Associação Médica Brasileira.

Os métodos milenares trazem bem-estar aos praticantes e agora estão sendo estudados para averiguar quais benefícios podem oferecer aos pacientes que lutam contra o câncer.

Aspectos psicológicos como estresse e depressão podem interferir na doença. Então, essas técnicas estão ganhando grande aceitação por aliviar os sintomas dolorosos e melhorar a efetividade do tratamento de tumores.

As terapias adicionais têm uma visão holística, ou seja, avaliam e tratam o paciente como um todo, não apenas se preocupam em destruir o câncer, mas em não prejudicar o indivíduo. Isto significa que o bem-estar do paciente depende de situações que incluem os estados físico, emocional, espiritual e psicológico. E dessa forma mente e corpo trabalham juntos.

A terapia complementar é uma assistência para otimizar o processo de cura da doença, elas servem para controlar os sintomas e ajudar aos pacientes a se sentirem melhor. Ou seja, não devem ser usadas como substitutivas ao tratamento médico convencional do câncer, mas, sim, de maneira a integrá-lo.

Benefícios

  • As terapias complementares fazem com que o tratamento oncológico, que é tão agressivo, seja mais tolerável;
  • Pois elas reforçam o sistema imunológico;
  • Reduzem sintomas e efeitos colaterais da quimioterapia e da radioterapia; Promovem a sensação de bem-estar e trazem conforto;
  • Melhoram a qualidade de vida e a resposta do organismo ao tratamento;
  • Diminuem o medo, o estresse, a depressão e a ansiedade;
  • Acupuntura diminui náusea e dor;
  • Yoga fortalece o sistema imunológico e reduz o estresse;
  • A meditação ajuda a poupar o organismo, pois gera um alto nível de relaxamento, superior ao do sono, e diminui a produção de cortisol, hormônio relacionado também ao estresse;
  • Musicoterapia trabalha as funções cognitivas, fisiológicas e psicológicas;
  • Reiki canaliza as energias e proporciona equilíbrio vital.

Antes de escolher uma terapia complementar, o paciente deve conversar com o seu médico para que o melhor caminho possa ser seguido e a nova prática não interfira no tratamento.

Princípios Básicos de Medicina Integrativa

– Uma parceria entre o paciente e o médico no processo de cura;

– O uso adequado de métodos convencionais e complementares para facilitar a resposta do corpo a cura inata;

– Concentra-se na pessoa como um todo, não apenas no tumor;

–  Consideração de todos os fatores que influenciam o bem-estar, saúde e doença, incluindo a mente, espírito e social às dimensões físicas de saúde;

– Uma filosofia que nem rejeita a medicina convencional nem aceita acriticamente a medicina alternativa, mas é informado por evidências;

– Reconhecimento de que a boa medicina deve ser baseada na boa ciência, a investigação dirigida e aberta a novos paradigmas;

– Os conceitos mais amplos de promoção da saúde e prevenção da doença, bem como o tratamento da doença;

Fonte: The University of Texas – MD Anderson Cancer Center

COMENTÁRIOS:

Comentários

Uma Resposta para “Terapias complementares: funcionam mesmo?”

Comente

Deixe aqui sua opinião...