Você que encorajou-os a comer verduras, lutou para colocá-los na melhor escola e suou para que fizessem a lição de casa – tudo para dar-lhes o melhor começo na vida. Mas as perspectivas da saúde dos seus filhos podem ter sido determinadas muito antes de todo esse trabalho.

Um grupo crescente de pesquisadores sugere que os primeiros 1.000 dias de vida de uma criança – os nove meses no útero e os primeiros dois anos fora dele – são vitais para a saúde a longo prazo.

Esse período pode afetar permanentemente tudo, desde as chances de uma criança desenvolver diabetes ou ter um ataque cardíaco na velhice, como seu peso futuro e expectativa de vida.

A teoria foi desenvolvida depois de décadas de pesquisa pelo professor David Barker e seus colegas da Universidade de Southampton. Eles acreditam que há uma série de etapas críticas do desenvolvimento de uma criança. Se as condições não são perfeitas em cada uma, os problemas podem ocorrer mais tarde.

Muitos desses pontos de perigo são formados quando o bebê ainda está no útero. Nutrição deficiente para uma mãe afeta tanto o peso do feto como a placenta. Sem contar os males causados pelo tabagismo, estresse, drogas e álcool.

O professor Barker acredita que muitos problemas de saúde podem ser rastreados até pelo fraco crescimento no útero. Ele avaliou que quanto mais leve é um bebê no nascimento, maior sua chance de doenças cardíacas na vida adulta. Em média, um bebê com peso inferior a 2,27 kg tem duas vezes mais probabilidade de ter um ataque cardíaco durante a vida do que um nascido com 4,08 kg.

Acredita-se que quando a comida é escassa, segue canalizada para o cérebro do feto, deixando o coração enfraquecido. As sementes de diabetes também podem ser plantadas antes do nascimento, já que as células pancreáticas que produzem insulina se desenvolvem no útero.

Barker afirma que muitos destes hábitos iniciais não podem ser desfeitos, e acrescenta que a chave para a saúde é assegurar que as mulheres comam bem durante toda a vida. O que temos visto é uma lacuna de oportunidade na qual poderemos formar pessoas melhores, segundo o professor.

COMO A MÃE PODE AJUDAR

- Não beber, especialmente nos três primeiros meses de gravidez.
– Não fumar (e isso vale também para o pai da criança).
– Estar no peso ideal antes de engravidar.
– Encontrar alternativas para driblar o estresse.
– Comer bem e maneirar nos alimentos com muito açúcar.

COMENTÁRIOS:

Comentários

Uma Resposta para “Primeiros 1.000 dias de vida do bebê dizem muito sobre seu futuro”

Comente

Deixe aqui sua opinião...