Todo mundo ouve falar que pessoas próximas às usinas nucleares no Japão devem deixar as imediações para não correrem o risco de serem contaminadas pelas partículas radioativas emitidas na atmosfera. Saiba quais as consequências se ocorrer tal exposição.

A radiação pode alterar a estrutura das células, como acontece em casos de câncer. Isso porque as partículas são capazes de atravessar objetos e entrar no organismo.

Outro fator que torna o desastre mais arriscado é que a contaminação depende das condições climáticas, ou seja, o vento é capaz de levar as partículas quilômetros de distância da onde foram inicialmente emitidas.

Os sintomas variam de acordo com os níveis de exposição, como veremos a seguir nas informações do L. A Times. Mas antes é preciso entender o processo.

Todo tipo de radiação é prejudicial?

Não. Há dois tipos de radiação: não-ionizantes e ionizantes. Radiação não-ionizante inclui a radiação infravermelha, ondas de rádio, radiação de telefones celulares e as radiações usadas para cozinhar alimentos no micro-ondas. Tal radiação não quebra ligações químicas. Se for muito intensa, pode aquecer tecidos, caso contrário, não tem efeitos significativos.

Não há comprovação científica de que possa causar câncer.

A radiação ionizante é muito mais perigosa porque ele quebra ligações químicas e, portanto, causa câncer. Exemplos deste tipo de radiação incluem os raios X, raios gama e alfa ou partículas beta emitidas por elementos radioativos.

O que acontece quando alguém é exposto à radiação ionizante?

Isso depende do tempo de exposição. Os sintomas iniciais são idênticos aos sofridos por uma pessoa que se submete à radioterapia para o câncer. Os primeiros sinais incluem náuseas e fadiga, e depois vômitos. Depois disso vem a perda de cabelo e diarreia. Na radioterapia para tumores, a exposição para após esse ponto e os sintomas são controlados. Mas com o uma exposição não controlada, a próxima etapa é geralmente a destruição da mucosa intestinal e, diarreia e desidratação mais intensas. Em seguida há danos no sistema nervoso central. Depois disso vem a perda da consciência e, inevitavelmente, a morte.

Como é a radiação liberada a partir de usinas nucleares comparada a uma bomba nuclear?

Uma explosão nuclear produz dois tipos de radiação que têm efeitos letais. A explosão em si produz raios-X e raios gama que contaminará qualquer pessoa perto do local, geralmente com uma dose letal ou quase letal de radiação.

A maioria dos 166 mil japoneses que morreram em Hiroshima, nos primeiros quatro meses após o bombardeio atômico, sofreram este tipo de radiação – que matou-os diretamente ou agravou outros ferimentos sofridos na explosão.

Também são produzidas nuvens de cinzas radioativas, contendo os elementos césio-137, iodo-131, e uma série de outros subprodutos de longa duração provenientes da explosão. Este material pode acumular na pele e roupas, onde se pode emitir radiação que penetra a pele.

Mais importante, eles pode se acumular em alimentos, leite, água e outros produtos que são ingeridos. Não está claro como muitos moradores de Hiroshima morreram de câncer a partir desta fonte, mas algumas estimativas apontam que foram mais de 100.000.

Fukushima não está emitindo radiação gama ou X. A maioria da radioatividade é sob a forma de césio e iodo, que são subprodutos da fissão do urânio.

O que torna o césio-137 e o iodo-131 perigosos?

O iodo-131 é absorvido preferencialmente na glândula tireoide, onde pode causar tumores. É mais perigoso para as crianças, porque causa rápidos danos. O problema pode ser substancialmente melhorado ao tomar comprimidos de iodo comum, que se ligam à tireoide e evitam que o iodo radioativo se ligue.

Obs.: Para se ter uma ideia do que já está sendo feito, esses comprimidos serão distribuídos.

Césio-137, que leva 30 anos para que sua radiação caia pela metade, é mais grave. É um sal que atua como potássio e vai para todo o corpo. É absorvido pelos tecidos moles, causando sarcomas. Pode contaminar alimentos, água e leite e entra no organismo quando são ingeridos. A contaminação com césio-137 foi uma das principais razões que grandes áreas tiveram que ser abandonadas na sequência do desastre de Chernobyl em 1986.

Quanto de exposição é suficiente para deixar alguém doente?

O risco biológico de exposição à radiação é medido em Sieverts ou Sv. Uma exposição de 500,000 microsieverts pode levar a náuseas e fadiga em algumas horas. Uma dose de 750,000 microsieverts causa a perda de cabelo dentro de duas ou três semanas, e uma dose de 1 milhão de microsieverts irá causar hemorragia. A morte ocorre geralmente na dose de 4 milhões de microsieverts.

Então, qual a quantidade de radiação que as pessoas no Japão foram expostas? Qual o risco?

Os níveis de exposição não são claros. Os níveis de radiação foram relatados para ter saltado para cerca de 400,000 microsieverts por hora no interior da usina de Fukushima depois de uma explosão, embora os níveis tenham diminuido rapidamente. Exposição prolongada a este nível de radiação seria extremamente perigoso. Níveis de fora do estabelecimento teriam sido menores.

Trabalhadores da usina irão receber a mais alta exposição, mas eles são equipados com equipamento de proteção completo e trabalham em turnos de apenas uma hora ou duas de cada vez.

O que já está sendo feito

Autoridades determinaram o isolamento da área e já evacuaram mais de 170.000 pessoas, até terça-feira, segundo o Los Angeles Times.

Os comprimidos que impedem que o iodo-131 deposite-se na tireoide serão distribuídos. Por volta de 200 pessoas já foram expostas à radiação.

O que acontece com pessoas expostas à radiação

Todo mundo ouve falar que pessoas próximas às usinas nucleares no Japão devem deixar as imediações para não correrem o risco de serem contaminadas pelas partículas radioativas emitidas na atmosfera. Saiba quais as consequências se ocorrer tal exposição.

A radiação pode alterar a estrutura das células, como acontece em casos de câncer. Isso porque as partículas são capazes de atravessar objetos e entrar no organismo.

Outro fator que torna o desastre mais arriscado é que a contaminação depende das condições climáticas, ou seja, o vento é capaz de levar as partículas quilômetros de distância da onde foram inicialmente emitidas.

Os sintomas variam de acordo com a intensidade, como veremos a seguir. Mas antes é preciso entender o processo.

Todo tipo de radiação é prejudicial?

Não. Há dois tipos de radiação: não-ionizantes e ionizantes. Radiação não-ionizante inclui a radiação infravermelha, ondas de rádio, radiação de telefones celulares e as radiações usadas para cozinhar alimentos no micro-ondas. Tal radiação não quebra ligações químicas. Se for muito intensa, pode aquecer tecidos, caso contrário, não tem efeitos significativos. Não acredita-se que possa causar câncer.

A radiação ionizante é muito mais perigosa porque ele quebra ligações químicas e, portanto, causa câncer. Exemplos deste tipo de radiação incluem os raios X, raios gama e alfa ou partículas beta emitidas por elementos radioativos.

O que acontece quando alguém é exposto à radiação ionizante?

Isso depende do tempo de exposição. Os sintomas iniciais são idênticos aos sofridos por uma pessoa que se submete à radioterapia para o câncer. Os primeiros sinais incluem náuseas e fadiga, e depois vômitos. Depois disso vem a perda de cabelo e diarreia. Na radioterapia para tumores, a exposição para após esse ponto e os sintomas são controlados. Mas com o uma exposição não controlada, a próxima etapa é geralmente a destruição da mucosa intestinal e, diarreia e desidratação mais intensas. Em seguidadanos no sistema nervoso central. Depois disso vem a perda da consciência e, inevitavelmente, a morte.

Como é a radiação liberada a partir de usinas nucleares comparada a uma bomba nuclear?

Uma explosão nuclear produz dois tipos de radiação que têm efeitos letais. A explosão em si produz raios-X e raios gama que contaminará qualquer pessoa perto do local, geralmente com uma dose letal ou quase letal de radiação.

A maioria dos 166 mil japoneses que morreram em Hiroshima, nos primeiros quatro meses após o bombardeio atômico, sofreram este tipo de radiaçãoque matou-os diretamente ou agravou outros ferimentos sofridos na explosão.

Também são produzidas nuvens de cinzas radioativas, contendo os elementos césio-137, iodo-131, e uma série de outros subprodutos de longa duração provenientes da explosão. Este material pode acumular na pele e roupas, onde se pode emitir radiação que penetra a pele.

Mais importante, eles pode se acumular em alimentos, leite, água e outros produtos que são ingeridos. Não está claro como muitos moradores de Hiroshima morreram de câncer a partir desta fonte, mas algumas estimativas apontam que foram mais de 100.000.

Fukushima não está emitindo radiação gama ou X. A maioria da radioatividade é sob a forma de césio e iodo, que são subprodutos da fissão do urânio.

O que torna o césio-137 e o iodo-131 perigosos?

O iodo-131 é absorvido preferencialmente na glândula tireoide, onde pode causar tumores. É mais perigoso para as crianças, porque causa rápidos danos. O problema pode ser substancialmente melhorado ao tomar comprimidos de iodo comum, que se ligam à tireoide e evitam que o iodo radioativo se ligue.

Obs.: Para se ter uma ideia do que já está sendo feito, esses comprimidos serão distribuídos.

Césio-137, que leva 30 anos para que sua radiação caia pela metade, é mais grave. É um sal que atua como potássio e vai para todo o corpo. É absorvido pelos tecidos moles, causando sarcomas. Pode contaminar alimentos, água e leite e entra no organismo quando são ingeridos. A contaminação com césio-137 foi uma das principais razões que grandes áreas tiveram que ser abandonadas na sequência do desastre de Chernobyl em 1986.

Quanto de exposição é suficiente para deixar alguém doente?

O risco biológico de exposição à radiação é medido em Sieverts ou Sv. Uma exposição de 500,000 microsieverts pode levar a náuseas e fadiga em algumas horas. Uma dose de 750,000 microsieverts causa a perda de cabelo dentro de duas ou três semanas, e uma dose de 1 milhão de microsieverts irá causar hemorragia. A morte ocorre geralmente na dose de 4 milhões de microsieverts.

Então, qual a quantidade de radiação que as pessoas no Japão foram expostas? Qual o risco?

Os níveis de exposição não são claros. Os níveis de radiação foram relatados para ter saltado para cerca de 400,000 microsieverts por hora no interior da usina de Fukushima depois de uma explosão, embora os níveis tenham diminuido rapidamente. Exposição prolongada a este nível de radiação seria extremamente perigoso. Níveis de fora do estabelecimento teriam sido menores.

Trabalhadores da usina irão receber a mais alta exposição, mas eles são equipados com equipamento de proteção completo e trabalham em turnos de apenas uma hora ou duas de cada vez.

O que já está sendo feito

Autoridades determinaram o isolamento da área e já evacuaram mais de 170.000 pessoas, até terça-feira, segundo o Los Angeles Times.

Os comprimidos que impedem que o iodo-131 deposite-se na tireoide serão distribuídos. Por volta de 200 pessoas já foram expostas à radiação.

COMENTÁRIOS:

Comentários

19 Respostas para “O que acontece com pessoas expostas à radiação”
  1. Edson Matsuno disse:

    De grande valor esse informativo atual,principalmente para brasileiros que residem no Japão como eu e tem dificuldade na compreenssão da linguagem nativa!Muito Obrigado!

  2. Aline disse:

    Acho de grande valor que estimulem o conhecimento do povo através de postar pesquisas na internet, achei bastante interessante e eu fazendo o trabalho consegui estudar e criar conhecimento de explicações e bate papos com os amigos de classe e professores , pois em meu colégio estão falando bastante sobre isso , para que estimule que pensemos mais na sociedade e não só em nós com egoísmo . Obrigado , e peço que coloquem mais informações . Valeu galera .

  3. muito interessante! bastante esclarecedor!!! principlamente para quem nao entende muito do assunto assim como eu!!!!

  4. maria das graças disse:

    gostaria de saber quais riscos de um tecnico em raio x,msmo operando em 4 horas por dia ainda recebe radiação
    qto tempo a menos de vida?????

  5. Graciane Farias disse:

    olá, tive câncer de tireóide, fiz cirurgia, mas devida ao mesmo, acabo de receber uma dose de 29.9 de iodo radioativo, preciso saber se um pessoa que já fez a cirurgia para a retirada da tireóide, corre mais riscos de chegar 2m de mim? pode ainda assim desenvolver tumores?… Se alguém poder me ajudar, agradeço desde já

    • blogdasaude disse:

      Graciane, a melhor atitude é conversar com o seu médico sobre suas preocupações em relação ao desenvolvimento de tumores. Com certeza, ele esclarecerá suas dúvidas e você poderá continuar seu tratamento sem medo! Abraços

  6. patrick disse:

    veeeeeeeeeerdade, ameei isso

  7. robertofreire20 disse:

    Oi,fiz uma tomografia computadorizada recentemente e durante o processo senti que minha pele começou a arder muito e ardia tanto na superfície da pele como dentro.Gostaria de saber se é normal isso?Ah,vale ressaltar que depois do exame não senti naúsea ou vômito,mas me senti um pouco sonolênto e acabei dormindo por 1h30min.Se o senhor souber algo sobre tomografia computadorizada e seus riscos e há como me indicar, por favor coloque o link, pois gostaria de saber mais sobre isso.Obrigado!

  8. dara lopes disse:

    amei isso e muito interessante‘..

  9. EDERVANIA disse:

    TRABALHO A 6 ANOS NUMA CLINICA DE RAIO X ODONTOLOGICO QUAIS MEUS RISCOS TRABALHO O DIA TODO FAZENDO RAIO X.

  10. Joil disse:

    MInha esposa vai passar por um tratamento de Iodoterapia por três dias e receberá 200? de IODO 131.
    Preciso saber quais os risco que eu corro?

  11. Cicero Francisco disse:

    Bom dia;

    Por favor preciso que esclareçam as dúvidas citadas abaixo:

    – As pessoas saudáveis ou debilitadas, sendo crianças, idosos ou adultos poderão se prejudicar ao ficarem próximas ao paciente em tratamento contra o câncer, o qual vem realizando seções de radioterapia e/ou quimioterapia?

    – As roupas, lençóis, camas etc, de uso pessoal do paciente deverão ser higienizados ou acondicionados de forma isolada evitando o contato com os pertences de pessoas sadias?

    – A psique ou comportamento do paciente sofrem alterações quando o tratamento evolui para a radioterapia e/ou quimioterapia?

    – Há evidências de pacientes que alcançaram a cura do câncer de útero?

    – Qual ou quais as diferenças entre os tratamentos de Radioterapia e Quimioterapia?

    – De um modo geral quais cuidados ou precauções, a família, cuidadores e pessoas com saúde debilitadas e até mesmo recém operada deverão ter ao ficarem na mesma casa?

    Desde já agradeço a atenção!

    Cicero Francisco

  12. filipe disse:

    eu pensei que ia ganhar super poderes kkkkkkkkkk

Comente

Deixe aqui sua opinião...