Os estudos parecem cheios de razões para se ter uma dieta saudável, que estimula o QI e melhora os sintomas de crianças que possuem Transtorno de Déficit de Atenção.

Kate Northstone, da Universidade de Bristol, indica que uma criança acostumada com lanches envolvendo doces e batatas fritas poderia ter um QI ligeiramente menor na vida adulta.

Ao coletar dados de alimentação e QI de quase 4.000 crianças por 6 anos, o time de pesquisa constatou que as crianças de três anos que possuiam uma dieta rica em gordura e açúcar tiveram QI mais baixo cinco anos depois, comparadas àquelas com uma alimentação saudável.

Crianças de 8 anos com alimentação riquíssima em frutas e legumes obtiveram melhores pontuações nos testes do que outras com uma dieta menos saudável.

Michael Nelson, Diretor de Pesquisa da inglesa School Food Trust, afirma:

Levando em consideração que por volta de 23% das crianças entram na escola com sobrepeso ou obesidade, é absolutamente claro que as escolhas saudáveis, como parte do desenvolvimento precoce das crianças, devem ficar em destaque. Não só pelo peso saudável, mas, como sugere o estudo, para que possam ter bom desempenho na escola.

Os resultados do estudo foram publicados no Journal of Epidemiological Community Health.

Outros estudos

A pesquisa não é a primeira a tratar de fatores que influenciam no QI. Crianças com pai de idade avançada também mostraram pontuação mais baixa em testes, assim como aquelas expostas à fumaça de cigarro.

Uma outra avaliação, publicada no The Lancet mostra que a dieta pode ser fator chave na contribuição com o TDA – Transtorno de Déficit de Atenção. Os autores recomendaram às crianças portadoras do transtorno a eliminarem certos alimentos da dieta antes de começaram o tratamento médico.

Se não bastasse, pesquisas anteriores mostraram alguns casos de TDA como resultado de reações alérgicas a alguns alimentos.

O Centro de Pesquisa de TDA em Eindhoven, Holanda, estudou 100 crianças com o transtorno e idades entre 4 e 8 anos. Metade foi colocada em uma dieta muito restrita e a outra metade em uma dieta normal.

Eis os dados: três quartos das crianças na dieta restrita mostraram melhoras no comportamento, enquanto nada mudou nas crianças que receberam a dieta normal. A dieta restrita continha arroz, água, carne branca e algumas frutas e vegetais que não são associados às reações alérgicas.

No entanto, segundo a ABC news, pediatras continuam céticos sobre haver uma conexão entre alimentação e transtornos hiperativos.

Soda Infographic
Source: InsuranceQuotes.org

COMENTÁRIOS:

Comente

Deixe aqui sua opinião...