Imagine perder uma viagem que você tanto programou, não ir a um show que você ficou horas para conseguir um ingresso, faltar a festa de aniversário de seu melhor amigo e até perder uma prova importante porque estava dormindo???

Você pode até não ter ouvido falar de um caso semelhante, mas isso é possível! Conhecido como Síndrome de Kleine-Levin (SKL), o raro distúrbio neurológico faz com que a pessoa durma até três semanas seguidas!

“Um indivíduo com SKL terá episódios de sono, geralmente com duração entre uma e três semanas, com distúrbios cognitivos nas poucas horas em que estiver acordado. Durante esse período, o paciente dormirá algo entre 16 e 22 horas por dia, todos os dias, até o fim do evento”, explica Tom Rico, pesquisador do Centro de Narcolepsia e SKL da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

Segundo ele, a síndrome às vezes se manifesta após infecções ou outras doenças. No geral, ela afeta adolescentes do sexo masculino, que também podem apresentar hipersexualidade, irritabilidade e o hábito de comer compulsivamente. A causa da Síndrome de Kleine-Levin é desconhecida e até hoje não foi descoberta a cura.

O tratamento recomendado é permitir que o paciente durma e não ministrar remédios. Os médicos recomendam ainda que, durante os episódios de sono excessivo, a pessoa seja acordada uma vez ao dia para alimentar-se e ir ao banheiro.

A boa notícia, no entanto, é que ela pode desaparecer como surgiu, o que geralmente corre após dez ou 15 anos. De acordo com Tom Rico, quando a doença para de se manifestar, o indivíduo volta a dormir e a se comportar normalmente. Rico informa ainda que não há dados sobre a prevalência da SLK, já que muitos casos jamais são diagnosticados.

“Bela adormecida”

Louisa Ball (BBC)

A britânica Louisa Ball, 16 anos, descobriu que sofria da síndrome de Kleine-Levin em 2008, quando começou a cochilar nas aulas e a se comportar de forma estranha.

“Eu tinha alucinações e, depois, não me lembrava de nada. De repente tudo ficava escuro e eu dormia por dez dias. Acordava e tudo estava bem de novo”, disse a jovem à reportagem da BBC.

Louisa diz se lembrar de muito pouco quando acorda de um episódio. “É tudo branco, sem sonhos. Agora eu recordo mais o que aconteceu. Antes eu não lembrava nada. Meu pai acha que meu cérebro está aprendendo a lidar com isso”, explica a jovem.

A síndrome ainda quase arruinou seus planos profissionais, já que ela dormiu durante a maioria das suas provas. Hoje, Louisa passa por uma boa fase. Há mais de três meses não apresenta sinais da doença. A adolescente conseguiu permissão da faculdade para se matricular e estuda desempenho e excelência esportiva. Seu sonho é se tornar uma dançarina.

E por falar em síndrome…

Se dormir durante 10 dias pode atrapalhar sua vida, imagine se você passasse mal mais de cem vezes ao dia?

A britânica Sharon Wilson tem uma síndrome rara: ciclos de vômito sempre que fica empolgada com alguma coisa. A doença, conhecida como Síndrome dos Vômitos Cíclicos (SVC), ainda não tem tratamento.

Episódios

Sharon Wilson relata que quando seu marido a surpreendeu com uma viagem para Paris, ela vomitou mais de 140 vezes em 24 horas. Durante episódios como esse, Wilson vomita praticamente a cada dez minutos, até que seu corpo não aguente mais e ela dorme.

“Quando fomos para Las Vegas renovar nossos votos de casamento nas nossas Bodas de Prata, eu fiquei tão mal que quase não conseguia sair do hotel”, conta a britânica.

Moradora de Doncaster, no norte da Inglaterra, a assistente social sofreu com os sintomas por mais de dez anos, até ser diagnosticada com SVC.

“Como não há um teste específico para identificar a síndrome, os médicos tentam de tudo antes de dar o diagnóstico. Apenas quando tudo dá negativo, eles acreditam que o paciente tem SVC”, informa a vice-presidente da Associação Britânica da Síndrome dos Vômitos Cíclicos, Gill McRonald.

Os médicos ainda não sabem muito sobre a ocorrência de síndrome em adultos, mas há vários estudos científicos sobre crianças em idade escolar que têm a doença. Pesquisas realizadas na Austrália e na Escócia indicam que cerca de 2% delas sofrem de SVC, com sintomas que variam de brandos a extremamente graves.

Nada de muita empolgação

Para muitos pacientes com a Síndrome dos Vômitos Cíclicos, os ataques de vômito são provocados por alguma infecção ou vírus, enquanto para outros os episódios acontecem em momentos de estresse e ansiedade. Para alguns pacientes, não há um motivo específico para que a síndrome se manifeste.

“A síndrome pode ser tão violenta que os pacientes não conseguem se preocupar com a própria aparência e, ao chegar ao hospital, acabam sendo confundidos com mendigos ou usuários de drogas, por causa da incoerência causada pelos sintomas”, ressalta McRonald.

Ainda não há um tratamento reconhecido para a Síndrome dos Vômitos Cíclicos, mas alguns remédios são usados para tentar prevenir os sintomas. Durante crises agudas, os pacientes precisam ser tratados com uma infusão intravenosa de cloreto de sódio e cloreto de potássio.

Há cerca de seis meses, Sharon Wilson começou a tomar o antidepressivo amitriptilina, também usado no tratamento de enxaquecas. Quando começa a sentir os primeiros sintomas, ela toma também o sedativo e anticonvulsivo diazepan. Desde então, ela não teve nenhum ataque de vômito.

* Com informações da BBC Brasil.

COMENTÁRIOS:

Comentários

2 Respostas para “Síndrome: Imagine dormir por até dez dias seguidos…”
  1. Gustavo Lunz disse:

    Muito interessante o artigo! :-D

Comente

Deixe aqui sua opinião...