Já está disponível na internet um prontuário eletrônico capaz de verificar as interações entre medicamentos e assim, evitar reações adversas nos pacientes.

Desenvolvido no Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec) da USP, o sistema, único disponível em português no Brasil, pode ser acessado no Portal Saúde Direta.

“O prontuário eletrônico surge como uma ferramenta que evita erros médicos causados pelas interações entre os medicamentos, aumenta o tempo destinado à conversa entre o médico e o paciente e auxilia os diagnósticos”, ressalta Paulo Celso Budri Freire, médico dermatologista e mestre em engenharia biomédica, responsável pela criação do portal.

De acordo com o Freire, a chance de interação entre medicamentos varia conforme a quantidade ingerida:

- O paciente que toma três remédios por dia tem 15% de chance de interação entre eles;

- Para aqueles que precisam de seis medicamentos, a porcentagem sobe para 80%;

- Já com oito, a interação entre os remédios é certa, 100%.

O médico informa que existem 155 mil interações possíveis, em diferentes graus: leve, moderada ou grave. A leve e moderada podem causar problemas renais, hepáticos e intoxicação. Já na grave, o paciente deve ser internado e há risco de morte.

Como funciona o portal

Ao escrever o nome comercial do medicamento no prontuário eletrônico, o software automaticamente decompõe sua fórmula química e cruza com dados dos outros remédios que o paciente deverá tomar. Desta forma, verifica as possíveis interações entre eles.

A plataforma possui mais de 1.000 protocolos de tratamento e um banco de dados de medicamentos com 11 mil produtos. A proposta é auxiliar os médicos nos tratamentos das mais diversas doenças ou necessidades específicas dos pacientes, como a prescrição de antibióticos para grávidas.

As consultas no site são gratuitas para pessoas físicas (médicos). As empresas jurídicas (clínicas e hospitais) devem pagar apenas uma taxa de administração. Com apenas quatro meses, o portal já possui dois mil médicos cadastrados, em mais de 170 cidades brasileiras,e conta com mais de 3 mil acessos/mês.

O site possui sistema de segurança e confidencialidade de dados.

Você entende as receitas médicas?

Estimativas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontam que:

– Cerca de 40% dos pacientes não entendem as prescrições médicas;

– Aproximadamente 60% das prescrições contêm erros que se referem à dosagem, tempo de uso, nomes de remédios ou má grafia;

– Os erros médicos relacionados às prescrições representam 24 mil mortes por ano no Brasil, isso sem levar em consideração a automedicação e o uso de fitoterápicos no País.

Utilidade pública

Com o aumento do uso do portal, é possível ainda monitorar a incidência de doenças no País por intermédio do Código Internacional de Doenças (CID-10) que os médicos utilizam no Prontuário Eletrônico.

Qualquer doença crônica, infecciosa e de notificação obrigatória pode ser detectada instantaneamente em qualquer município brasileiro, um auxilio para o Ministério da Saúde no planejamento das ações de combate às epidemias.

Evolução

Em breve, o site também poderá indicar para o médico qual é o medicamento que melhor atende o paciente de acordo com seu diagnóstico, idade, sexo e antecedentes, além de sua capacidade financeira.

“Ao escrever no prontuário eletrônico o diagnóstico, o software fornecerá uma lista de medicamentos indicados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e Protocolos Clínicos, além do preço de mercado para o tratamento e os exames laboratoriais necessários”, exemplifica Paulo Celso Freire.

Por fim, a expectativa é que o portal ainda ajude os profissionais em prescrições para pacientes com intolerância de remédios, além de funcionar como uma espécie de “médico-localizador”, orientando o paciente na busca do médico especialista mais próximo de sua residência.

* Com informações da Agência USP.

COMENTÁRIOS:

Comente

Deixe aqui sua opinião...