Para evitar novos casos da superbactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase (KPC) e de outros micro-organismos resistentes a antibióticos, hospitais e clínicas, públicos e privados, serão obrigados a colocar dispensadores de álcool em gel em todos os quartos, ambulatórios e prontos-socorros.

A norma foi aprovada na última sexta-feira, 22, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os hospitais e clínicas terão prazo de até 60 dias para se adaptar.

De acordo com o diretor da Anvisa, Dirceu Barbano, a proposta é estimular a higienização de profissionais de saúde, uma das medidas mais eficazes para impedir a disseminação das superbactérias e conter as infecções hospitalares.

O Distrito Federal já tem 183 casos confirmados de KPC e 18 mortes até o momento. Há registros de casos também no Espírito Santo, Paraná, em São Paulo, Santa Catarina, Goiás, Minas Gerais e na Paraíba.

“O (álcool em gel) facilita o hábito de higienização porque é mais fácil de acessar. Mas as pessoas podem continuar a lavar as mãos com água e sabão”, afirmou Barbano.

Pelo mundo

O Brasil não é o único país a enfrentar problemas com superbactérias. Em agosto, um estudo publicado na revista científica Lancet advertiu que um novo tipo de bactéria resistente aos antibióticos mais poderosos poderia gerar uma epidemia mundial.

Essas bactérias contêm um gene chamado NDM-1, que as torna resistentes aos medicamentos, entre eles os chamados de carbapenemas. Isso é preocupante porque os carbapenemas são geralmente usados para combater infecções graves, causadas por outras bactérias resistentes.

Como acompanhou o Blog da Saúde, o gene NDM-1 surgiu na Índia, já foi registrado na Europa, Austrália, Japão, Estados Unidos e Canadá.

Segundo especialistas, o caso do NDM-1 é uma variante do mesmo problema enfrentado no Brasil com a KPC e deve se repetir em outros lugares.

- Superbactérias: Um desafio para o Brasil

- Superbactérias no Brasil – Hospitais serão obrigados a notificar Anvisa sobre novos casos

*Com informações da Agência Brasil e BBC Brasil.

COMENTÁRIOS:

Comente

Deixe aqui sua opinião...