Lembra do NDM-1, o novo gene que provoca uma mutação em qualquer bactéria e a torna extremamente resistente a antibióticos? Como vem acompanhando o Blog da Saúde, o gene surgiu na Índia, já foi registrado na Europa, Austrália e Japão e agora chegou aos Estados Unidos e Canadá…

Os casos nos EUA ocorreram nos Estados de Illinois, Califórnia e Massachusetts, todos com uma bactéria diferente. Os pacientes não têm relação entre si. Já no Canadá, os registros foram em Alberta e na Colúmbia Britânica.

Os infectados pelas superbactérias nesses locais haviam recebido atendimento médico na Índia. Todos sobreviveram.

Preocupação

Os cientistas há muito temiam isso: um gene muito adaptável que se une a vários tipos comuns de germes e os confere uma ampla resistência a drogas, criando perigosas superbactérias.

Até agora, o NDM-1 (metalo-beta-lactamase 1 de Nova Délhi) foi encontrado principalmente em bactérias que provocam infecções urinárias ou intestinais.

Ainda não se sabe quantas mortes as bactérias portadoras desse gene já causaram.

O que fazer?

O gene NDM-1 é transportado por bactérias que podem se espalhar da mão para a boca, o que torna indispensável uma boa higiene. Por isso, especialistas recomendam que as pessoas não façam uso indiscriminado de antibióticos e que tomem cuidados básicos de higiene, como lavar as mãos.

Além disso, o CDC (Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA), aconselha que qualquer hospital que registre casos como esses isolem os pacientes e verifique se pessoas próximas a eles ou do próprio hospital também estão infectadas.

Como ainda não se tem conhecimento de como frear as superbactérias, alguns pacientes estão sendo tratados com combinações de antibióticos, na esperança de que isso seja mais eficaz que usar medicamentos individualmente.

Alguns profissionais têm recorrido, inclusive, ao uso de polimixinas, antibióticos que eram utilizados na década de 50 e 60 e se tornaram impopulares porque danificavam os rins.

Terreno fértil

O problema: a Índia é um país superpovoado, apresenta uso excessivo de antibióticos, além de registrar casos de diarreia generalizada e de muitos habitantes vivendo sem água potável. Ou seja, há uma grande dificuldade em parar a transmissão do NDM-1, que pode se espalhar pelo mundo facilmente.

* Com informações da Agência France Presse.

COMENTÁRIOS:

Comentários

2 Respostas para “Superbactéria: Agora nos Estados Unidos e Canadá”
  1. Mêlanie disse:

    Muito legal o blog! Post super interessante.

Comente

Deixe aqui sua opinião...