De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o cigarro é a principal causa de morte evitável do mundo. É fator de risco para mais de 50 doenças e responsável por 200 mil mortes por ano no Brasil.

O cigarro é um dos piores inimigos da saúde e tornou-se um problema mundial por causa de um dos seus componentes, a nicotina, causadora da dependência física e psíquica.

Seis a cada dez fumantes com câncer não conseguem parar de fumar mesmo depois de saber que estão doentes. O dado foi detectado em levantamento do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo.

Que é prejudicial todo mundo sabe!

No caso do câncer, o tabagismo prejudica a função pulmonar, o que aumenta o risco de complicações durante a radioterapia. Além disso, dificulta a cicatrização, eleva a pressão arterial e o risco de doenças cardiovasculares.

Outro problema provocado pelo cigarro é a interferência na quimioterapia. Para quem é tabagista, o efeito de alguns remédios pode ser bem menor.

Para contornar o problema – 35% dos pacientes atendidos pelo instituto são fumantes – foi adotada a estratégia de distribuição de gomas de nicotina e adesivos.

Além do câncer….

O cigarro não só causa câncer, derrame, infarto e outras doenças, como também é um problema para as gestantes, ocasionando abortos espontâneos, bebês de baixo peso, hemorragia, partos prematuros e outras complicações devido ao monóxido de carbono e a nicotina.

No entanto, suas consequências não afetam não só os que fumam, como também os que respiram a nicotina indevidamente ao lado do fumante.

Reduz a ação de antibiótico

Estudo realizado pelo curso de Odontologia da Faculdade São Leopoldo Mandic (Campinas/SP), em parceria com a área de Farmacologia da Faculdade de Odontologia da Unicamp, reforça a lista de males causados pelo tabagismo.

Os pesquisadores comprovaram que o cigarro pode afetar de forma negativa a atuação de antibióticos e interferir na eficácia do tratamento proposto.

A pesquisa utilizou o antibiótico Metronidazol, receitado, por exemplo, no tratamento de doenças periodontais e ginecológicas.

A conclusão da pesquisa aponta que para compensar a redução do efeito do medicamento no organismo, dentistas e médicos precisariam ministrar doses maiores do remédio para os pacientes fumantes.

A nova dosagem implica, porém, no risco de potencializar também os seus efeitos colaterais, como alteração de paladar e diarréia, entre outros problemas.

Risco de ataque cardíaco X Quantidade de cigarros

O tabagismo também pode aumentar em três vezes o risco de um ataque cardíaco. Não apenas o consumo, mas a quantidade de cigarros fumados por dia também influenciam!

Segundo a pesquisa Interheart, realizada com mais de 27 mil pessoas, o risco de infarto aumenta em 63% nas pessoas que fumam menos de dez cigarros diariamente. Essa chance é maior (2,6 vezes) para os fumantes que acendem entre 10 e 19 cigarros e de 4,6 vezes para aqueles que fumam mais de 20 cigarros por dia.

Fumo e pílula anticoncepcional: mistura perigosa!

A ginecologista e obstetra Denise Coimbra alerta contra os malefícios do cigarro para a mulher que toma anticoncepcional. Segundo a especialista, nenhuma pessoa deveria fumar, especialmente mulheres que tomam pílula.

É importante ressaltar que a nicotina não tira o efeito da pílula anticoncepcional, mas faz muito mal à saúde. De acordo com a ginecologista, as consequências da combinação cigarro e pílula anticoncepcional dificilmente são percebidas.

“As pacientes fumantes, que usam a pílula como método anticoncepcional, devem estar informadas sobre os riscos dessa mistura. Os anticoncepcionais e a nicotina são vasos constritores, ou seja, provocam a contração das paredes dos vasos sanguíneos. Com o passar do anos, formam uma combinação perigosa, que pode ocasionar riscos de infartos ou AVC”, explica.

Uma alternativa para as fumantes, pelo menos para evitar a combinação, é procurar outras opções de anticoncepcionais, como DIU ou implantes de progesterona, conforme orientação médica.

Preocupado com a aparência?

Cada vez mais homens e mulheres estão preocupados com a aparência, mas os que fumam se esquecem que o cigarro é o grande vilão para a saúde e beleza da pele.

A pele corresponde a 40% do peso corpóreo e, consequentemente, qualquer alteração que ocorra com o organismo, afeta-a diretamente.

Quando os pulmões respiram mal, a taxa de oxigenação da pele também diminui. Com isto, todas as funções metabólicas ficam alteradas, desencadeando o envelhecimento precoce.

“O fumo afeta diretamente a quantidade de vitamina A, C e E (antioxidantes naturais) presentes em grande quantidade na pele, os quais neutralizam as radicais hidroxilas (OH). A falta de vitaminas diminui a resistência aos radicais livres e afeta a síntese de colágeno”, informa a Dra. Edith Kawano Horibe, cirurgiã plástica e presidente da ABMAE – Academia Brasileira de Medicina Antienvelhecimento.

Além disso, não há como ignorar os reflexos negativos do fumo em processos de cirurgia plástica. “A recuperação é mais prolongada e existe um maior índice de complicações como, formação de necroses e problemas na cicatrização”, explica a especialista.

O fumo compromete a cicatrização após as cirurgias que envolvem o desdobramento do tecido cutâneo, como a de rejuvenescimento facial e as plásticas de abdome. Isso ocorre porque há uma diminuição natural da circulação sanguínea, acabando por potencializar os efeitos negativos sobre a pele.

E os dentes amarelos?

Vale lembrar que os dentes também são prejudicados. Com o tempo, ganham um amarelado perceptível. Isso acontece porque o cigarro libera nicotina, provocando o amarelamento e manchas marrons.

Eu quero parar!

De acordo com último levantamento, realizado em 2009, da Pesquisa Especial do Tabagismo (Petab), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 24,6 milhões de brasileiros são fumantes.

A pesquisa mostra também que mais da metade dos entrevistados, 52,1%, afirmou que pretende parar de fumar. Contudo, os especialistas e os próprios fumantes apontam as dificuldades de enfrentar a dependência do tabaco.

Para se ter idéia, o tabagismo representa 16,3% dos 2,8 milhões de ligações feitas ao serviço telefônico do Ministério da Saúde. O serviço gratuito funciona como um guia para a população encontrar respostas sobre as doenças de vários tipos.

Estratégias para abandonar o vício do tabaco somaram 456.580 telefonemas, à frente de dúvidas sobre câncer, aids, rubéola e doação de órgãos (os outros temas mais acessados).

Informações

Para esclarecer dúvidas e dar dicas para parar de fumar, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) preparou uma cartilha sobre o tema (clique aqui para acessar o material).

Além disso, entre os dias 28 e 29 de agosto, a Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (Abead), disponibilizará, em seu no site, um espaço para que os internautas possam enviar dúvidas sobre como parar de fumar. As questões serão respondidas pelos especialistas da associação via e-mail.

Parar de pensar em cigarro não ajuda

Assim como acontece com uma música grudenta, que não para de tocar dentro da cabeça à força, não há fórmula mágica para esquecer o cigarro.

Psicólogos ingleses publicaram na revista “Psychological Science” uma pesquisa que testou a famosa estratégia de quem tenta parar de fumar: pensar em qualquer coisa que não seja cigarro.

Conclusões: A primeira é que o bloqueio de pensamentos incômodos tem um efeito contrário. Há um sucesso temporário, mas a estratégia se revela um tiro pela culatra. O nível de estresse das pessoas que deveriam reprimir pensamentos subiu muito durante a semana em que essa tarefa lhes foi imposta.

A segunda conclusão é que a redução temporária do número de cigarros durante essa semana de supressão de pensamentos leva as pessoas a acreditar que esse método é eficaz, reforçando um comportamento que pode ser prejudicial para o objetivo.

Segundo a psicóloga Sílvia Cury Ismael, do programa de assistência integral ao fumante do HCor, a repressão não ajuda mesmo. O melhor é tentar tirar o fumante do piloto automático e ajudá-lo a avaliar os motivos que o levam a acender o cigarro.

“Usamos a técnica do adiamento. Quando ele vai pegar o cigarro, pedimos que espere mais cinco ou dez minutos, para que a vontade passe. Nisso, ele acaba demorando mais para acender o próximo e vai reduzindo a quantidade de cigarros fumados por impulso”, afirma.

Juliana Moysés, psicóloga do programa PrevFumo da Unifesp, diz que o importante é treinar o fumante para lidar com as situações em que ele recorre ao cigarro, como momentos de estresse ou quando bebe, por exemplo.

“Treinamos a habilidade para enfrentar dificuldades. Ensinamos técnicas de confronto de pensamentos, não de repressão.” Se o pensamento no cigarro emerge, a pessoa deve lembrar que por mais que ele tenha sido importante antes, seu papel é só figurativo, não resolve.

29 de agosto: Dia Nacional de Combate ao Fumo!

- Crianças que fumam: a culpa é de quem?

- Como incentivar a produção de fumo e ao mesmo tempo promover ações antitabagistas?

- Vacina para parar de fumar em teste

* Com informações da FSP.

COMENTÁRIOS:

Comentários

8 Respostas para “Cigarro: Dificuldade para largar o vício?”
  1. Fabio Santos disse:

    Muito bom artigo!

    É triste ver que muitas pessoas ainda acham que o cigarro não faz tão mau assim. E quem leva as consequências do fumo não são somente os fumantes mas pessoas que ficam perto das que fumam.

    Para quem quiser saber mais eu achei um artigo legal falando sobre as dependências causadas pelo cigarro:
    http://www.minhavida.com.br/conteudo/2617-as-depe

    Abraços…

  2. Ana disse:

    Gostei muito do artigo, mas queria saber quem é o autor.

    • blogdasaude disse:

      Olá Ana Paula, bom dia! O texto foi escrito por um jornalista da equipe do Blog da Saúde com base em dados de especialistas e pesquisas. Um abraço!

  3. rita de cassia disse:

    estou nos primeiros dias sem cigarro e tenho ficado muito nervosa , ñ sei o que faço,pois o meu marido já parou tem 2 m2ses,e fumava mt mais do que eu.Me ajudem de alguma forma .
    obs: o que faço com as pessoas que me visitam e fumam?

  4. André disse:

    O mundo e as famílias seriam muito melhor sem cigarros. O cigarro rouba muitas coisas preciosas das pessoas. Sem contar que fumar é como queimar dinheiro. E também a saúde. E o interessante é que quando você mais precisa da saúde o fumo é um dos impedimentos da restauração da saúde. Então é muito inteligente que não fuma. Em nome da boa saúde devemos convidar os que tem esse vício que troque por um hábito. Convidar aos que fumam para parar, pois a saúde agradece e as pessoas também.

  5. joana nascimento disse:

    eu consegui largar usando cigarro eletronico com liquido sem nicotina resolveu meu problema

Comente

Deixe aqui sua opinião...