Uma coisa é fato: os raios ultravioletas estão cada vez mais agressivos à pele. Pode até ser que todo mundo já saiba da necessidade do uso diário do filtro solar, mas há uma grande lacuna entre saber e aplicar.


Quanto mais clara for a pele, maior será o cuidado na exposição ao sol. Após este regra inicial básica, a atenção pode ser direcionada para nossas pintas.


Aquelas que estão conosco desde o nascimento não representam problema. O alerta está naquelas que surgem ou se alteram com o tempo – perceber a si mesmo, olhar para o próprio corpo e ver nas pintas sua forma, textura e cor pode ser um diagnóstico eficaz para você correr ao médico.


No CONARH 2010, o Blog da Saúde conversou com a Diana Lima Villela, enfermeira da educação continuada do Hospital A.C. Camargo, que explica como reconhecer que uma pinta é perigosa, veja:






Assim como outras doenças, o câncer de pele pode ser 100% curado se for descoberto em estágio inicial. Se tiver uma consulta ao dermatologista, mesmo que seja por outra razão, o ideal é pedir para o profissional analisar essas marcas e dizer quais apresentam ou não riscos à saúde.


O Sol na medida certa é saudável. Diminui casos de depressão e aumenta a produção de vitamina D na pele, porém quando em excesso favorece o aparecimento de queimaduras, câncer de pele, envelhecimento, pintas e sardas.


Na presença de nuvens o efeito do raio UV é atenuado. No entanto, a melhor opção é incluir-se no grupo que não marca bobeira nem quando o dia está cinza.

COMENTÁRIOS:

Comentários

2 Respostas para “Descubra quais pintas representam perigo à saúde”

Comente

Deixe aqui sua opinião...