Costuma-se dizer que o mundo fica cinza quando se está deprimido. Um novo estudo indica que essa metáfora acontece de verdade.

Pesquisadores da Universidade de Freiburg, na Alemanha, verificaram que a depressão dilui o contraste entre o branco e o preto e então, tudo fica realmente cinza.

Eles analisaram as respostas elétricas da retina de pessoas que sofriam de depressão e outras em estado normal. É através da retina que os sinais luminosos são transformados em impulsos elétricos enviados ao cérebro.

Os pacientes deprimidos apresentaram menor contraste do que quem não sofre do problema. Entre aqueles com sintomas mais graves de depressão, a resposta da retina foi ainda mais frágil.

O poder das cores

Dizem que nos vestimos conforme nosso humor. É a diversidade de cores que produz o bem-estar. Neurocientistas têm se intrigado com as reações do nosso corpo perante o estímulo causado pelos tons.

O efeito sobre nós é tanto subjetivo como objetivo, já que pode ser influenciado por aspectos culturais, emocionais e por questões individuais. Para mostrar o lado objetivo, estudos mostram que é possível decodificar reações fisiológicas mensuráveis.

Um bom exemplo está na cor vermelha. Ao permanecer em exposição intensa a essa cor vibrante, a pressão arterial sobe – uma reação de excitação, que pode indicar tanto alegria quanto perigo.

Em crianças muito pequenas, o que surte mais efeito são as cores vivas, pelas quais são estimulados já que a visão não está totalmente desenvolvida.

Você acredita que o humor pode ser influenciado pelas cores? Comente.

COMENTÁRIOS:

Comentários

5 Respostas para “Quando o mundo fica cinza”
  1. Mazz disse:

    Hmm… interessante!!!!

    O que será que acontece com os daltonicos?

Comente

Deixe aqui sua opinião...