Aviso aos adultos de 30 a 39 anos e pais de crianças de 2 a 5 anos incompletos: quarta-feira (2) é o último dia para receber a dose da vacina em um dos 36 mil postos do país.

Gestantes que ainda não estão imunizadas também devem garantir a proteção até amanhã.

O Ministério da Saúde comprou 113 milhões de doses e pretende que 71 milhões de pessoas sejam vacinadas.

As doses extras fazem parte do “estoque estratégico” que o governo obteve caso algum acontecimento não previsto ocorra.

São dois laboratórios que comercializam a vacina no país: Sanofi Pasteur e Solvay. A Solvay informou que já distribuiu as encomendas pelas clínicas do país; a Sanofi diz que deve finalizar a distribuição para as clínicas até o fim do mês.

Como está a situação em Clínicas Particulares

Ao contrário do que se vê com a campanha do Ministério da Saúde, as clínicas particulares em São Paulo e no país, sofrem com a falta de doses e muitas vezes não há previsão para a chegada.

Como o corpo só produz anticorpos 15 dias após a dose ser tomada, as pessoas devem se imunizar até o fim da primeira quinzena de junho, já que julho é o mês de maior incidência de casos.

Veja como está a situação em principais clínicas particulares de São Paulo:

Imagem FSP - Clique para ampliar

COMENTÁRIOS:

Comentários

Uma Resposta para “H1N1 – Amanhã é o último dia da campanha, mas governo tem doses extras da vacina”
  1. @minsaude disse:

    Agradecemos pela importante ajuda no devido esclarecimento aos membros dessa comunidade sobre a importância da vacina e das datas de vacinação.

    O Ministério da Saúde entende que o vírus Influenza H1N1 representa um grande ameaça a saúde publica brasileira, e por isso não tem tomado todas as providências para ajudar a população a enfrentar a nova onda da Influenza H1N1.

    Sabendo que o vírus está circulando no Brasil, e que no inverso é a época de maior contágio, entendemos que a campanha de vacinação é uma medida estratégica para impedir o avanço da doença no País.

    Temos o dever de zelar pela saúde do brasileiro e não há dúvida que a única maneira eficaz de proteger a população contra o vírus é a vacina.

    Mais informações:
    fernanda.scavacini@saude.gov.br

    Atenciosamente,
    Ministério da Saúde

Comente

Deixe aqui sua opinião...